Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Tons Contemporâneos – uma paleta das manchetes

 Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara

Rubro e negro
dos movimentos sombrios
de aniquiladas disputas:
xenofobias
homofobias
manifestos de civilização insana
no sangue espremido
das manchetes consensuais
delatando ódio e ceticismo político

Francisco, em brancas vestes, anuncia
a terceira guerra já é iniciada
desde Gaza, Coréia, Ucrânia
ou por onde se estende a mundial intolerância

No Brasil
cinza plúmbeo
no Sudeste nacional
traz a seca criando nova geografia
de um deserto urbano refletido
pela Amazônia devastada

E o âmbar-poeira da caatinga
também rouba o sonho e a poesia
estéril em ressequidos corpos
carcaças sem seiva ou energia

Francisco verte uma lágrima translúcida
Dolorida expiação por seu povo
Não mais se apercebem do céu azul real

Que transbordaria suas almas de esperança e fé!

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

TROVA


André Bueno Oliveira
Cadeira n° 14 - Patrona: Branca Motta de Toledo Sachs


Jorrai - nuvens carpideiras -

vosso pranto preso em mágoa.

Fontes, rios, cachoeiras,

agonizam... Não têm água!!!!!

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

SER PROFESSOR


                         
O poema "SER PROFESSOR" foi distribuído no Café do Educador, na escola Ruth Cardoso
Ivana Maria França de Negri

É doar-se dia a dia
Na lida árdua e sublime
Um desafio diário
Ao qual poucos dão valor

Plantar sementes para o futuro
Eis a sina do professor
Mas um dia há de brotar
Tudo o que semeou

O salário é irrisório
Mas o amor é sem medida
Pois a convivência diária
Cria laços pra toda vida

Uma legião de doutores
Seus alunos se tornarão
Está em paz sua consciência
Cumpriu com bravura a missão


segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Marina Tricânico

Material fornecido pela escritora Madalena Tricânico




Revista de Cultura Artística de Piracicaba ano 7 - no 01 e 02


Texto de Esio Antonio Pezzato na Gazeta de Piracicaba de 12/10/2014

domingo, 12 de outubro de 2014

Infância

 Marisa F. Bueloni
Cadeira no 32 - Patrono: Thales Castanho de Andrade

Minha mangueira e um viveiro de pombas
A horta verde, verde a minha idade
A minha mãe - ó tempo, como tombas
No coração o tombo da saudade

E de São Paulo chegava a madrinha
No trem de ferro apitando a hora
Toda a saudade que de mim provinha
Era a saudade que abraça e devora

A escola era um lugar tão amado
Os livros eram um sonho dourado
E a fé na vida crença verdadeira

O amor que vi quando eu era criança
Encheu-me assim desta vasta esperança
Com que vivi por minha vida inteira

sábado, 11 de outubro de 2014

sábado, 4 de outubro de 2014

Ahimsa

Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33
Patrono: Fernando Ferraz de Arruda

Palavra que vem do sânscrito, o contrário de violência, ahimsa é a não-violência. Mahatma Gandhi tornou-se célebre por colocar na prática essa filosofia.
A base desse pensamento é não praticar nenhum ato que envolva violência contra qualquer criatura vivente, seja ela humana ou animal.
Muito já escrevi sobre maus-tratos aos bichos, histórias engraçadas envolvendo animais, outras tristes, já abordei assuntos polêmicos sobre a existência de alma neles, já polemizei sobre o vegetarianismo, que é uma opção salutar de quem se recusa a fazer uso da carne em sua alimentação, e também descrevi minhas experiências no trabalho voluntário  na Sociedade Piracicabana de Proteção aos Animais.
Já fui enaltecida e parabenizada, mas também muito criticada e contestada. Mas não pretendo abandonar as convicções que trago enraizadas fortemente comigo.
A todo momento a mídia nos mostra exemplos da incapacidade humana de praticar  ahimsa. Animais de circo são explorados e adestrados sob tortura, cobaias são vítimas, em nome da ciência, de experimentos dolorosos em laboratórios. Rodeios, touradas, rinhas de galos e de cães multiplicam-se para que alguns se enriqueçam com esses circos de horrores. Rituais macabros são realizados em certos cultos religiosos que usam sangue de animais e imolam inocentes criaturas. Caçadores e pescadores fazem da morte um esporte. Animais silvestres são capturados para prover o tráfico ilegal. Pássaros são aprisionados em minúsculas gaiolas, cavalos puxam carroças sem o mínimo conforto, muitas vezes levando peso muito além de sua capacidade, sendo chicoteados violentamente.
Para abastecer o mercado de peles e da vaidade humana, milhares de animais são mortos de maneira impiedosa. Filhotes de focas são abatidos a pauladas sob as vistas de suas desesperadas mães, outros são presos em armadilhas cruéis e depois afogados para não estragar a pelagem ou são executados por descarga elétrica que causa parada cardíaca. Alguns recobram a consciência enquanto ainda estão sendo esfolados. Por que o uso de peles é considerado chique? Como pode a violência ser elegante?
Outra morte cruel é reservada às baleias. Um poderoso arpão é cravado em sua carne, e em seguida, explosivos são acionados dentro dela. As baleias levam horas para morrer e ficam agonizando enquanto os barcos de pesca as arrastam deixando um rastro de sangue. Quando mães são arpoadas, os filhotes ficam perseguindo os barcos e ouve-se de longe seu grito de desespero ou o lamento choroso das mães ao verem os filhotes mortos.
Nos abatedouros o cenário de horrores é dantesco e indescritível. E o homem se diz um ser racional, inteligente e criado à imagem e semelhança de Deus. Também se auto-intitula um ser de paz. Quanta ironia!
A proteção aos animais não deve ser restrita apenas aos cães e gatos e sim se estender a todas as criaturas que dividem conosco o planeta Terra.
Encerro com a sábia citação de Pitágoras: “Enquanto os homens continuarem a ser destruidores impiedosos dos seres animados dos planos inferiores, não conhecerão a saúde e nem a paz. Enquanto massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros. Aquele que semeia a morte e o sofrimento não pode colher a alegria e o amor

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Acadêmicos recebem medalha de Mérito Cultural da SEMAC - Secretaria Municipal de Ação Cultural

(fotos Ivana Negri)
Acadêmicos Carmen Pilotto (Literatura)  e  Walter Naime ( Arquitetura)








CONTEMPLADOS - MÉRITO CULTURAL EM 2014

TROFÉU “FABIANO RODRIGUES LOZANO”
Hans Gunther Kurt Eckert

ARTES PLÁSTICAS – Medalha “Umberto Silveira Consentino”
Susete Thame Gutierrez

MÚSICA – Medalha “Prof. Olênio de Arruda Veiga”
Rafael Gobeth

ARQUITETURA – Medalha “Serafino Corso”
Walter Naime

LITERATURA Medalha - “Profª Branca Motta de Toledo Sachs”
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto

ARTES CÊNICAS – Medalha - “José Maria Carvalho Ferreira”
Pádua Soares

ARTES VISUAIS E FOTOGRAFIA – Medalha “Cícero Corrêa dos Santos”
Antonio Donizete Raetano

DANÇA – Medalha “Iris Ast”
Marcela Benvegnu

FOLCLORE E TRADIÇÕES POPULARES – Medalha- “João Chiarini”
José de Almeida Filho (Mestre Zequinha)

CONTEMPLADOS – MÉRITO EMPRESARIAL 2014
UNIMED PIRACICABA, REFRIGERANTES ORLANDO, RED BOX PIZZARIA GOURMET, CATERPILLAR BRASIL, JORNAL DE PIRACICABA, ARCOR DO BRASIL


quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Feira de livros no Lar dos Velhinhos de Piracicaba




Recado do acadêmico João Nassif:

Feira do Livro no Lar dos Velhinhos, no próximo sábado dia 4 de outubro. 
Estamos fazendo uma promoção imperdível, milhares de livros de todos os gêneros a partir de R$ 1,00 Revistas a partir de R$ 0,50 Todos em bom ou excelente estado de conservação

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz