Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

domingo, 17 de fevereiro de 2019

DESCOBERTA...

Elda Nympha Cobra Silveira
Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior  

Fui convidada a uma festa e
Estava desacompanhada, mas
Senti uma presença ao meu lado e
Fiquei desconfiada.

 Estava ao meu lado e...
Não se preocupava com nada
Só pensava em si,
O que falar, como aparecer
Como sobressair.
Ela...  estava empolgada!

Falava sem parar
Ofuscando tudo que eu dizia
E com passos imponentes ia
Cortando minha fala.

Percebi, então, ela era meu eu,
Ridícula e egocêntrica.
Que vergonha de mim!
Tudo porque não me sinto amada.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

CAMALEÃO



Ésio Antonio Pezzato

Sodoma e Gomorra
Estão dentro de mim
Como mulher fatal
Por isso me destruo
E me transformo
Numa estátua de sal.


quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Primeira reunião de diretoria do ano - 2019

Na sede do IBA - Instituto Beatriz Algodoal - reuniu-se a diretoria da APL para organizar a agenda do ano
Antonio Carlos Fusatto, Aracy Duarte Ferrari, Carmen Pilotto, Edson Rontani Jr, Waldemar Romano, Ivana e Cássio Negri, Nilce Moreira e Vitor Vencovsky





quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

TERAPIA COLETIVA

 Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara

No matutino urbano
em um confessional público
verdades explicitamente expostas
revelam sentires coletivos.

O poeta deixa a timidez
e no exercício da palavra
exorciza também a dor alheia
nas ideias compartilhadas...

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

BOLHAS DE CHAMPANHE.


Elda Nympha Cobra Silveira


As bolhas de champanhe 
e os fogos de artifício, 
anunciam a chegada de um Novo Ano,
e o caminho de uma vida feliz.


Teremos outras 365 novas oportunidades
de dizer à vida, que de fato,
queremos ser plenamente felizes.

Quero viver o novo ano
Sentindo cada deslizar
Dos ponteiros do relógio
Como derradeiro.
Como milagres da vida.

O novo ano é para se nascer, 
Florir e reviver de novo:
Como as flores da primavera.

São os milagres da vida
Onde o amor encanta 
Ilumina e compartilha.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Reflexões com Dom Quixote





Carmen Pilotto


             Embora eu saiba que não exista magia no mundo que possa mover e forçar à vontade - como alguns simplesmente acreditam -,

é livre a nossa vontade,  e não existe erva nem encanto que a force.”
Miguel de Cervantes

Sancho, o mundo no século XXI é tão bizarro!
Tenho um Rocinante movido à energia fóssil
Ele não me lambe afetuosamente

Os moinhos são frias pás eólicas
Perderam toda a bucólica beleza
Mas captam ventos e não fazem pães
Que ficam em lugares definidos como padarias

E os sonhos desgastados na urbanidade
Deixaram de criar fantasias ou formosas Dulcineias
Já não sou o único cavalheiro de triste figura
Há tantos espalhados pelas ruas e esquinas...

Em um cenário sem verdes ou translúcidas nascentes
Minha compleição esquálida e alongada já não se destaca
E meus ideais se perderam no vazio cotidiano
Realmente Sancho: “Não há mais heróis no mundo...”

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

PREPARAÇÃO PARA O NATAL


Elda Nympha Cobra Silveira.

Preciso fazer enfeites para as mesas do Lions Clube Leste, para nossa  festa natalina. Assim minha filha Silvana, diretora social foi  coletando garrafas vazias para enfeitá-las para o jantar de Natal. Antes de tudo fui procurar no YouTube vídeos com todas as explicações sobre o assunto e minha cabeça ficou inundada de informações, uma melhor do que a outra! Nossa!  Viva esse processo! Antes teria que recorrer às livrarias, comprar as revistas sobre o assunto.
 Comprei fitas transparentes verdes que pareciam gelatinas coloridas, bolinhas vermelhas que pendurei com umas fitinhas  estreitinhas, que pendurei com um laço no gargalo da garrafa. De inicio  pintei a garrafa de dourado e minha imaginação estava à larga! Será que devo colocar algumas flores como bico de papagaio? E se colocasse umas pinhas em volta, ou rendas, ou festão ou...e assim no auge da animação fui decorando as garrafas com amor! Minha filha caiu do céu ajuda-me sempre, pois agora já está ficando mais difícil.  Esse ingrediente é sempre necessário em tudo que fazemos e vivenciamos, uma, porque sem ele nem devemos começar, porque se torna cansativo e não dá resultado. Sempre  gostei de fazer algo de enfeite para essa data. Anos atrás trouxe da fazenda do meu sogro um galho seco e deixei-o prateado cheio de presentinhos feitos pelos meus filhos e algumas bolas de Natal, mas  eram quebráveis e não  duravam muito na mão das crianças. Todo ano me empenho em fazer algo diferente, fiz muitos enfeites  com guirlandas que distribui para a família e amigos.
Sinto-me como uma ajudante de Papai Noel e por ser de baixa estatura posso ser um dos gnomos que o ajudam em sua oficina  fazendo os preparativos e os brinquedos.
Certo ano, meu filho mais velho se vestiu de Papai Noel e lá fomos até a casa da minha prima Maria Helena para entregar os presentes das crianças da família e meu filho mais novo, com uns quatro anos, também já estava lá à espera do Papai Noel.
Quando ele chegou a expressão de cada criança era de estupefação e também receio, mas meu filho, depois de um certo tempo ficou olhando fixamente para o pulso do Papai Noel e desvendou o mistério, porque ele portava a mesma pulseira do seu irmão.
Para não se chatear continuou talvez fingindo acreditar nessa lenda que tanto o enlevou, acho até que muitas crianças fazem força para acreditar nisso para não descerrar essa magia que envolve a todos e nos fazem ficar nesse lúdico prazer. Assim também foram  nossos momentos de ilusão esticados para fazê-los durar mais!
Muitos enveredaram até como um ofício  tal como Walt Disney, cineastas, astros e atrizes nos cinemas, nas novelas, escritores  com os livros infantis e romances.
 Isso vem desde séculos atrás dos dramas da Grécia antiga. As Óperas contavam histórias semelhantes, escritores como Shakespeare, falavam dos mitos gregos, onde os deuses eram muito importantes, atuavam portando mascaras e túnicas de acordo com o personagem Hoje são encenados filmes como Em busca da Terra do Nunca.
Aliás o filme: Em busca da Terra do Nunca , com Johnny Deep, e Kate Winslet, sobre James M. Barrie e como ele criou Peter Pan e a Terra do Nunca – Amei!
Mas nunca podemos nos esquecer que o Natal é o aniversário do Menino Jesus, nosso irmão e Salvador que se entregou à crucificação por nós seus irmãos. Temos que voltar a ser criança “porque delas é o reino dos céus”. Palavras do Senhor.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Sonetos de Natal





Soneto de Natal I

Esio Antonio Pezzato 


Natal! Na terra há um hino de alegria
Anunciando a chegada de Jesus. 
Em Belém, uma pobre estrebaria,
Envolve-se no brilho que seduz.

Tudo vibra de encanto e de harmonia,
A salvação do mundo jorra a flux.
Humilde serva – a celestial Maria! –
Sabe que a um Deus Divino deu a luz.

Num instante o Menino aflito chora,
E, Maria nos braços, sem demora,
Acolhe-O com carinho divinal.

Dá-Lhe o peito e, nos braços ela O aquece.
Logo após em silêncio Ele adormece
Inocente no colo maternal.

16.11.2004



Soneto de Natal II

Esio Antonio Pezzato


Na mais humilde e pobre estrebaria
O menino Jesus ergue os bracinhos.
Aflita e inexperiente, eis que Maria,
O acolhe nos seus braços com carinhos.

Jesus chora mais alto... A noite é fria.
Ele e seus pais na noite estão sozinhos.
Um galo canta na amplidão vazia.
A um passo a neve cai pelos caminhos.

– “Meu amado José, o que preciso
Fazer para o Menino não chorar?”
E José, com a voz do paraíso:

– “Maria, minha esposa, o Deus-menino
Embora sendo Deus é pequenino
E está com fome. Dê-Lhe de mamar!”

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Tempo de Natal




                                                           Leda Coletti

Tempo de Natal, tempo de reflexão. Embora seja a festa do nascimento de Jesus, nem sempre o aniversariante é lembrado. Parte da população mundial nem sequer o conhece.
Já o Papai Noel é conhecido mundialmente. O simpático velhinho é sempre priorizado pelas crianças e até pelos adultos. A maioria gosta de receber presentes. Tenho certeza que também o Menino Jesus ficava feliz quando ganhava algum brinquedo de seus pais.
Para os cristãos esta data tem um significado muito importante, pois acreditamos que Jesus-Menino se alegra por comemorarmos o seu natalício, procurando tornar outras pessoas felizes, presenteando-as, partilhando  da refeição com a família e amigos, disponibilizando nossos dons, talentos e  sobretudo virtudes para o Bem-Comum. Estas  últimas, manifestadas pelo respeito, solidariedade, tolerância, gratidão, bom trato a todos, incluindo os seres animais  e os da natureza.
Seria muito bom se nos motivássemos a viver o Natal “ de verdade” em nossas vidas. Viveríamos desde já o céu na Terra  e todos os dias teriam sabor de Natal.
A Jesus, o  Deus  Criança
para nós sempre um fanal,
pedimos paz e bonança
dias de eterno Natal.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Convite para palestra

A acadêmica Raquel Delvaje dará palestra no Museu Pudente de Moraes sobre Carlos Drummond de Andrade


sexta-feira, 16 de novembro de 2018

VIAS TORTUOSAS


André Bueno Oliveira
Cadeira n° 14 - Patrona: Branca Motta de Toledo Sachs

Vendaval enraivecido
com carranca de bandido
varrendo nuvens dos céus...
Não há motivo aparente
mas ergue a espada luzente
e quer lutar contra Deus!

 Num gesto vil de avareza
 ceifa a pobre natureza
devastando sua paz.
Brandindo espada aguçada
roça tudo de empreitada
qual violento capataz!

 A mata densa farfalha...
Enfrenta horrenda batalha
 nas mãos luzindo as espadas.
Vergando o vento, as veredas,
entortou as alamedas,
torceu esquinas de estradas!

Deus Pai, Juiz irascível
ante o carrasco temível,
sua cólera ameniza.
Pede às nuvens chuva forte,
pune o vento com a morte
o transforma em leve brisa!

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)