Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Andre Bueno Oliveira
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Edson Rontani Junior
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

terça-feira, 31 de março de 2020

E a História se repete...



Valdiza Maria Capranico

Passa o tempo...vão-se os séculos...guerras, pestes, epidemias....
E o HOMEM não aprende...
Terremotos, maremotos, tsunamis....
E o HOMEM não aprende...
Aí, DEUS, cansado de tanta destruição, maldades, resolve nos chamar a atenção..
Mais uma peste que chega, é um duro recado do Criador para suas criaturas:
É hora de voltar aos trilhos!Vocês se esqueceram do AMOR, da SOLIDARIEDADE, do cuidado com a NATUREZA!
E, enquanto muitos, arriscando suas vidas, procuram,desesperadamente, livrar a humanidade dessa pandemia, o planeta começa, finalmente, a se refazer.
O ar vai ficando mais puro, as águas mais límpidas, as aves voando com mais leveza, os animais, sem temor, vão seguindo em frente. E passa o tempo...a cura virá...e DEUS, em sua bondade infinita, olhará para a TERRA e, esperançoso, pensará:
"Será que, finalmente aprenderam a lição?".
Será????!!!

quinta-feira, 26 de março de 2020

Parodiando Drummond



Ivana Maria França de Negri

E agora José?

Ninguém mais faz festa
Ninguém mais se abraça
Ninguém mais se beija
Nem anda na praça

Não tem mais escola
Nem aulas de inglês
Comércio fechado
Até o fim do mês

E agora  João?

Já falta alimento
Nem temos feijão
Casas são gaiolas
Ou jaulas, prisão

E agora Maria?

Nem louça na pia
Se os netos não vem
Que casa vazia
Cadê a alegria?

E a vida ensina
A dura lição
Nada tem valor
É tudo ilusão

E agora meu Deus?

Com tanta oração
De fé e esperança
  um novo porvir
Uma nova aliança

Portais que se abrem
Há paz, gratidão
Renasce uma era
De amor e de união

quarta-feira, 25 de março de 2020

SOBRE O ROSÁRIO DE MARIA



Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins

            Terços! Terços!  Quem não os conhece?
Meus terços são  diferentes. A mesma armadura de contas: plásticas, sementes, cristais! As cores diversas, lindas! Tantas naturais com nuances, cores suaves ou fortes, mescladas ou lisas com brilho; cristais de vários e diferentes tons. Na verdade, de terços, tenho uma  coleção! Com eles me distraio deliciosamente, toco-os com ternura e alguma reflexão.  Sinto então, dentro de mim, uma sublimidade inexplicável.
O que acontece  comigo é que, muitas vezes, deixo de rezá-los da forma tradicional. Cada terço tem para mim, certo significado juvenil e um pouco de mistério;  cada qual em seu momento,  durante minhas orações,  levam-me  a questionar tantas  coisas...De onde veio este? Quem o montou? De quem o recebi? Como chegou às minhas mãos? Quem coletou as sementes? Quem as preparou para a reciclagem? Ou, quem poliu os cristais e  lhes deu o formato de contas? Ah, este eu o comprei ! Onde mesmo? Em qual passeio ou viagem? Alguém me ajudou a descobri-lo?
Esses questionamentos me levam a pensar nas tantas pessoas envolvidas na feitura daquilo que adquirimos e que manuseamos, neste caso, os rosários.  No enlevo de tais momentos compreendo o quanto  precisamos uns dos outros, de tantas formas; o quanto estamos atrelados aos irmãos que nos rodeiam, quer sejam de sangue ou não;  ligados por razões especiais, tais como as contas de um rosário, embora nem sempre nos demos conta disso, não percebamos os “elos” que nos  unem uns aos outros!
Bem, volto aos terços e repito: Meus terços são diferentes! Longe de críticas ao rosário de Maria, ao terço Bizantino e outros. Também os rezo com muita fé! Todos são significativos, cada qual tem seu valor diante do se expressa ou da intenção que lhe cabe. Pessoalmente minha escolha é aleatória, busco na minha coleção um terço para cada momento. E, ao tocar cada conta sinto uma suave transcendência e, quando a mesma se instala,  meu coração se ilumina! Silenciosamente, através  do pensamento,  em prosa ou versos vou “dialogando” com Deus. Ele me ouve sempre! E...minha alma tem as respostas!
Não importa o jeito, a forma  de se rezar;   é com o coração solidário, alicerçado na fé divina que recitamos as nossas preces.  Toda oração deve ser oferenda  de gratidão. Quanto às orações costumeiras, quer espontâneas ou lidas, bíblicas, evangélicas,  todas  são muito importantes para quem as faz  e quem as recebe.
Para finalizar, um convite auspicioso a todos que se dedicaram a ler esta crônica:  “armem-se” de um pequeno terço, por mais simplesinho que seja e ao manuseá-lo, ao alisar  suas contas,  proseiem com o Divino Espírito Santo.  Revistam-se de esperançosa curiosidade e  descubram sublimes pequenos/Grandes momentos  de aspiração e de Paz!

PS. Escrita e guardada há muito tempo,  julguei propícia sua publicação  neste momento de temerosa crise mundial, quando se busca coragem e  esperança para o enfrentamento do  desconhecido...  Que a humanidade toda descubra o poder da espiritualidade e da oração!

sábado, 21 de março de 2020

Nossos nós


Elisabete Bortolin

Os nós que a nossa alma dá
Na nossa vida e nosso ser
É um exercício de paciência
Que devemos aprender.
Desatar nossos nós
Tarefa difícil de fazer a sós
Mas temos capacidade e poder
De todos estes nós desfazer.
O nó que está muito apertado
Em nosso mundo arraigado
Mostra para nos a mestria
De como resolver cada dia.

segunda-feira, 2 de março de 2020

Lançamento do livro infantil bilíngue

Livro Infantil bilíngue
"Edmundo o Gafanhoto Arteiro e Serafina a Baratinha Assanhada"

Teve pipoca, sorvete, algodão doce, lanche natural com sucos, bolo de chocolate, de cenoura, pula-pula, piscina de bolinhas

Autoras: Carmen Pilotto e Ivana Negri
Tradutora: Fernanda Bacellar
Ilustrador: Renato Fabregat
Lançamento no Espaço Pipa Café que trabalha em projetos de inclusão e capacitação de crianças e adolescentes com sindrome de Down




















































































Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra (in memoriam)
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11- Luciano Martins Verdade-Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz de Arruda Pinto
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Lídia Varela Sendin - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior (in memoriam)
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Carmelina de Toledo Piza - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35- Elisabete Jurema Bortolin - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz