Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

Ivana Maria França de Negri

PROGRAMA PIRACICABA HISTÓRIAS E MEMÓRIAS
Rádio Educadora de Piracicaba AM 1060 Khertz A Tribuna Piracicabana
Sábado das 10 ases 11 Horas da Manhã Publicada às Terças-Feiras

Entrevistada: Ivana Maria França de Negri

Piracicaba tem um Carlos Drummond de Andrade de saias. Assim como o poeta mineiro, a poetisa e escritora Ivana Maria França de Negri é extremamente sensível. Gosta de gente, da natureza, tem fé e é uma sonhadora. Extremamente observadora, dona de uma sensibilidade aguçada faz poesias com seu coração, sua alma, seu ser. É a forma que ela encontrou ainda menina, de criar um diálogo com o mundo. Realiza a sua catarse escrevendo. Coloca sua alma, espírito e sentimentos em sinais gráficos. Consegue sintetizar sua dor pelo sofrimento de seres vivos, destila sua ironia ao que não tem remédio imediato, sem trovejar contra situações que só o tempo mudará. Ivana é uma daquelas pessoas nascidas muitos anos antes da sua época. Seus sentimentos estão acima da disputa por migalhas do auto-reconhecimento. Quer ser excluída de toda e qualquer forma de incensos que se diluem como nuvens de fumaça. Não vocifera contra a insensatez humana. Apenas descreve cenas, como um pintor que retrata a humanidade. Para defender aqueles que não tem vozes, em um esforço supremo, usa a sua própria voz, expressa com toda a sua potencialidade artística a selvageria que o homem civilizado usa para desfigurar o que a mãe natureza com sua suprema sabedoria criou. A ironia da obra de Ivana é subliminar. Quantas vezes por dia um médico dita ao seu paciente: “-Não coma carne vermelha”. Ou ainda: “-Procure consumir verduras, legumes”. Sem que ela saiba, é mais uma batalha ganha. Da mãe natureza e de Ivana. Nascida em Piracicaba, filha do engenheiro agrônomo, que foi professor da Esalq até aposentar-se Prof. Geraldo Victorino de França e de Zilda Giordano V. de França, são seus irmãos: Maria Graziela de França Helene e Maria Fernanda de França Cabrini e o médico Dr. Geraldo Victorino de Franca Júnior. Casada com o médico radiologista Dr. Cássio Camilo Almeida de Negri, é mãe de três filhos: Cassio Fernando França de Negri (médico radiologista) Ana Camilla França de Negri Kantovitz (jornalista) e Ivan Gabriel França de Negri (advogado). Sua sogra com muita saúde e disposição aos 95 anos de idade é Dayr Plats Almeida de Negri. Seu genro Waltinho Kantovitz foi jogador de basquete do XV de Novembro de Piracicaba, por muitos anos, hoje está cursando Medicina em Campinas. Ivana é integrante do Grupo Oficina Literária de Piracicaba(Golp), Centro Literário de Piracicaba (Clip) onde já foi presidente e vice-presidente. Colaboradora do Jornal de Piracicaba desde 1996, da Tribuna Piracicabana há seis anos, da Gazeta de Piracicaba, do Linguagem Viva, Gazeta Regional e Jornal Cenário. Com mais de 70 premiações em concursos literários, em estados brasileiros e outros países, participação em mais de 30 antologias, 25 participações em corpo de jurados de concursos literários. Tem textos publicados em periódicos da Itália e Argentina. Integra a Sociedade Piracicabana de Proteção aos Animais há dez anos. Além do livro infantil: “Izabella, uma gata que pensa que é gente” ela é autora do livro “Meus Contos Prediletos” e “Minhas Crônicas Preferidas”.
Você é natural de Piracicaba? Sou piracicabana, nascida no dia 8 de agosto de 1954. Fiz o primário, no Colégio Imaculada Conceição em Campinas, depois viemos morar em Piracicaba aqui estudei no Colégio Assunção, quando ainda era dirigido pelas Irmãs de São José e depois fiz Magistério no Sud Mennucci. Eu me casei muito cedo, aos 18 anos, meu marido cursava o terceiro ano da faculdade de Medicina em Brasília.
Ivana, esse livro é lúdico desde a capa, já que não se sabe de início onde é capa e contracapa uma vez que estampa os dois títulos como surgiu?
Esse livro é uma compilação dos contos e crônicas que eu publico na imprensa em Piracicaba.
Como poetisa, um dos seus temas prediletos é sobre ecologia, animais?
Hoje está muito em voga falar da água, um líquido precioso, que pode faltar no futuro. (Ivana nos brinda declamando a seguinte poesia)
“A água nossa de cada dia”

Pai do céu, da água e da terra,
A água nossa de cada dia
Nos daí hoje
E perdoai os nossos desperdícios
De agora e de sempre
Desde o raiar dos séculos.
Santificadas sejam as límpidas fontes
As corredeiras e as nascentes
E benditos os rios, os lagos e os mares.

Venham a nós as abençoadas chuvas
Seja feita a vossa vontade,
Assim na terra, como nas águas e nos céus
Não nos deixeis cair em prostração
E livrai-nos da seca, da sede
Dos áridos desertos,
E da ganância do bicho-homem,
Para que rios de lágrimas de arrependimento
Não venham correr em nossos olhos
Amém

É comum passarmos em ruas não só de Piracicaba, mas de outras cidades também e vemos uma pessoa com uma mangueira lavando a calçada, ou varrendo a calçada com a mangueira ligada, qual é a sua opinião sobre o assunto?
Eu acho que a pessoa não tem nem consciência do que ela está fazendo! Ela acha que está limpando a calçada, quando na verdade está desperdiçando um líquido precioso! Poderia varrer a calçada, juntar o lixo, e depois jogar um balde de água. A pessoa tem que criar uma conscientização. Se ela tem filhos, netos, pensar no futuro deles! A velha e boa vassoura deveria ser mais usada!
Você participou da diretoria da Sociedade Piracicabana de Proteção aos Animais por 11 anos. Quais são as obras realizadas por essa entidade?
Não estou mais na Sociedade Protetora, mas continuo atuando. É uma paixão que eu tenho por animais. Isso é parte integrante da minha vida. O trabalho mais importante de uma associação desse gênero é o trabalho educativo. Ficar só recolhendo animais abandonados implica em conseguir novos lares para eles, e torna-se impossível que todos encontrem um novo dono. Essa situação acaba gerando muito stress. As pessoas que acham um cachorrinho, um gatinho, não só nos comunicam como também julgam que devemos encontrar um abrigo para eles. Arrumar um novo dono. Isso é uma utopia!
Filhotes de animais são muito bonitinhos, quando há uma doação em praça pública, muitos tem o impulso de levar para casa sem considerar que esse animal irá crescer e durar muitos anos?
Isso acontece muito! As pessoas não usam o bom senso! Elas adotam e depois passam a reclamar que o animal faz muito xixi, muita sujeira, estragou o sofá. Não querem mais, como se eles fossem coisas descartáveis! Isso ocorre mesmo com animais de pequeno porte.
Qual é a melhor solução para uma situação dessas?
Se a pessoa não tem absoluta certeza de que irá cuidar direito não deve adotar o animalzinho. Tem que dar carinho, alimentação, freqüentar veterinário. É um ser vivo. Isso tudo tem um ônus. Se a pessoa fizer tudo conforme deve ser feito é quase o custo de um membro da família.
Qual é a alimentação mais indicada para um animal?
Acredito que a ração é a melhor forma de alimentá-lo. Trata-se de um produto balanceado, com todos os ingredientes necessários á boa saúde. Eles acostumam com esse tipo de alimentação. A comida pode ocasionar complicações, como diarréia, por exemplo. (N.J. Existem rações de custo muito baixo e qualidade alimentar deficiente).
Você aborda a forma como os animais são abatidos para o consumo humano. É um tema de conhecimento de todos?
O homem não tem consciência de como são abatidos os animais, por que isso não é mostrado de forma explicita. As propagandas sobre salsichas, lingüiças, mostram o animalzinho feliz! Não mostram o lado macabro da coisa! A indústria da carne é muito cruel. Desde apartamento precoce da mãe, a marcação á ferro quente, a sangue frio, castrado sem anestesia. Tudo é feito da forma mais barata! Não existe nenhuma preocupação quanto ao sofrimento do animal. Existe a lei do abate humanitário. Não sei se todos seguem. (N.J. Abate humanitário pode ser definido como o conjunto de procedimentos técnicos e científicos que garantem o bem-estar dos animais desde o embarque na propriedade rural até a operação de sangria no matadouro-frigorífico. O abate de animais deve ser realizado sem sofrimentos desnecessários. As condições humanitárias devem prevalecer em todos os momentos precedentes ao abate. A insensibilização de animais é considerada a operação mais crítica durante o abate de bovinos. Tem por objetivo colocar o animal em estado de inconsciência, que perdure até o fim da sangria, não causando sofrimento desnecessário e promovendo uma sangria tão completa quanto possível. Neste artigo são abordados os temas referentes às operações ante-mortem, como transporte, manejo nos currais, e operações de insensibilização e sangria e seus efeitos no bem-estar animal e na qualidade da carne. Fonte: Embrapa).
Existem figuras simpáticas de animais, fazendo propaganda da sua própria carne, qual é a sua opinião?
É o marketing! A criança é educada no sentido de que existem animais nocivos, animais que dão a carne, o leite! Só que na realidade o animal não dá nada. Roubam dele! É uma cultura milenar, que levará muito tempo ainda para as pessoas se conscientizarem. No futuro as pessoas terão que ser vegetarianas. Não haverá outra saída. Com o aumento da população não restará muitas opções: comerá carne ou grão!
O organismo humano está perfeitamente adequado para o consumo de carne?
Acredito que o organismo do ser humano é mais próximo do organismo do animal vegetariano. Pela própria conformação dos órgãos internos.
Na natureza quando um predador abate uma caça ocorre um processo diferenciado de morte?
Quando um predador sai para caçar, encontra suas vítimas soltas nas florestas, em bandos. Um desses animais é eleito para servir de almoço, tem que correr bastante antes de ser apanhado e quem costuma fazer corridas e caminhadas sabe que o sangue circula mais rápido e a adrenalina é liberada aos borbotões. Quando o golpe fatal é dado, a vítima, com o anestésico natural que é a adrenalina, nem chega a sentir dor, pois está praticamente sedada. A natureza providencia tudo. Os que caem nas garras do predador são os mais fracos, os doentes e os velhos. Isso faz parte da seleção natural.
Existe uma frase que você cita e é bastante interessante.
É a frase de Paul e Linda Mc Cartney: "Se os matadouros tivessem paredes de vidro todos seriam vegetarianos." A criança tem muita consciência do significado de ser vegetariano. Não há necessidade de deixar de comer carne por misericórdia dos animais, mas sim pela própria saúde do ser humano. Ao comer carne bovina estamos ingerindo também hormônios, antibióticos.
Seus textos e poemas vêm acompanhados de uma ilustração de extremo bom gosto. Entre seus poemas um deles é particularmente comovente, quando você diz por quem não tem voz. É a Oração dos Animais. Você pode declamá-lo?

Oração dos Animais.

Meu São Francisco de Assis
Protetor dos animais
Olhai por nós que rogamos
Vossa bênção e muita paz.

Olhai os abandonados
Sofrendo agruras nas ruas
E os que puxam carroças
Açoitados nas ancas nuas.

Pelos pobres passarinhos
Que não podem mais voar
Presos em rudes gaiolas
Só porque sabem cantar.

E as cobaias de laboratório
Que sofrem dores atrozes
Em experiências terríveis
Que lhes impõem seus algozes.

Pelos que são abatidos
Em matadouros insanos
Para servir de alimento
Aos que se dizem humanos

Olhai os que são perseguidos
Sem piedade nas florestas
Só por causa da ambição
Dessas caçadas funestas.

Pelos animais de circo
Que não têm mais liberdade
Presos em jaulas minúsculas
À mercê de crueldade.

Olhai os bois de rodeio
E os sangrados nas touradas
Barbárie e crimes impostos
Por pessoas desalmadas.

Pelos que têm de lutar
Até a morte nas rinhas
Quando o homem faz apostas
Em transações tão mesquinhas.

Olhai para os que são mortos
Nos macabros rituais
Em altares religiosos
Que usam sangue de animais.

Meu bondoso protetor
Oro a vós por meus irmãos
Para que sua dor e tristeza
Não sejam sofrimentos vãos

(Ivana Maria França de Negri)

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz