Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sábado, 20 de novembro de 2010

Apresentação da Revista número 1 da Academia Piracicabana de Letras

Apresentação

É com gosto que, a pedido do meu amigo Acadêmico Armando Alexandre dos Santos, vice-presidente da Academia Piracicabana de Letras e coordenador da sua revista, escrevo algumas palavras para a abertura deste primeiro número de sua nova fase.
Fundada em 1972 por João Chiarini, a APL conheceu, no passado, seus dias de esplendor. Depois da morte de seu fundador, conheceu um prolongado período de sobrevida, mantida pelo idealismo e pela dedicação de algumas pessoas de escol que nunca deixaram o facho apagar, nunca deixaram o ideal perecer.
A entrada em vigor do novo Código Civil forçou a adaptação da antiga Academia a novas exigências legais. Adaptação similar precisou ser feita, em todo o Brasil, por muitas centenas, quiçá milhares, de entidades análogas, Academias, Institutos Históricos, Centros Culturais etc.
As exigências do novo CC forçaram, por exemplo, a que certas assembléias gerais se realizem com maioria absoluta, ou até de dois terços, da totalidade dos associados. O sistema anteriormente vigente permitia que uma entidade tivesse associados dispersos pelo país. Mas agora, se não for possível reunir uma porcentagem elevada desses associados para assembléias gerais, tornam-se impossíveis reformas estatutárias e, mesmo, eleições regulares de diretoria. O que, obviamente, na prática inviabiliza a existência de tais associações.
A solução adotada pela APL foi a mesma de incontáveis outras associações do gênero. Orientada por juristas especializados em Direito Associativo, reformou seus estatutos, fixou em 40 o número de cadeiras efetivas, reservadas somente a pessoas residentes em Piracicaba. Os antigos membros da Academia, que eram algumas centenas, dispersos pelo Brasil, conservam individualmente, ad honorem, o título de Acadêmicos Eméritos, não tendo, entretanto, obrigações de nenhuma espécie em relação à Academia.
A reforma dos estatutos e a eleição dos 40 acadêmicos (todos residentes em Piracicaba), processada sob a orientação de competentes juristas e na observância de todos os requisitos legais, deu-se nos últimos anos. Os registros legais, muito rigorosos, foram todos realizados regularmente. Agradecemos, de modo muito especial, o apoio e a orientação que, a esse
respeito, nos deu a nossa boa Amiga Dra. Rosângela Risolo Camolese, Secretária da Ação Cultural de Piracicaba. Agradecemos também, de modo muito especial, aos acadêmicos que com dedicação e sacrifício realizaram, num esforço prolongado, toda a tarefa de readaptação da Academia. São eles Antonio Henrique Carvalho Cocenza, Elias Salum, Antonio Carlos Fusatto, Felisbino de Almeida Leme, Marly Therezinha Germano Perecin, Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme e Waldemar Romano sem esquecer a memória saudosa de Haldumont Nobre Ferraz.
Foi assim que a nossa velha Academia Piracicabana de Letras, da qual sou co-fundadora, renasceu, qual nova fênix, em 2009.
Logo no dia da sua festiva reinstalação, o titular da cadeira no. 1, Acadêmico Erasmo Prestes de Souza, gentilmente ofereceu realizar na sua gráfica-editora, sem qualquer custo, a diagramação e a impressão do primeiro número da nossa revista.
Pedimos ao nosso vice-presidente, Acadêmico Armando Alexandre dos Santos, que tem grande experiência na área, por ser jornalista profissional e por já ter sido diretor da Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, que assumisse a responsabilidade pela nova revista.
Com a ajuda de Deus e a boa vontade dos Acadêmicos, chegamos afinal ao presente volume. Nem todos, infelizmente, puderam mandar a tempo suas colaborações. Para o próximo número, se Deus quiser, não faltará nenhum nome.
Maria Helena Corazza
Presidente

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz