Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

domingo, 13 de março de 2011

Sessenta anos de Poesia


Lino Vitti

Caros súditos, poetas e poetisas, caros leitores e leitoras dos jornais matutinos e ou semanários, amigos e intelectuais de Piracicaba, são sessenta anos ou mais que me coloquei a serviço da cultura lítero-poética desta terra, quer escrevendo meus poemas e sonetos nas suas páginas acolhedoras e divulgadoras da arte escrita, quer reunindo sonetos e poemas em 7 livros, graciosamente distribuídos aos que apreciam ainda rimas e estrofes, tropos e cadências, metáforas e sínteses, métrica e versos brancos, quer ainda locupletando gavetas cúmplices ou pastas sonolentas, onde soem repousar papéis inéditos ou esquecidos . São mais de sessenta anos, repito, ou seja uma quase vida inteira brigando com os sonhos, com as esperanças, com o impulso de repassar aos outros aquela coceira incurável da alma dos poetas.
Ser poeta é fácil. Umas pitadas de sentimentos, umas migalhas de observação, umas moedas de estudo, umas gotas de vontade, umas toneladas de amor à vida, aos semelhantes, à natureza, tudo misturado como se faz na cozinha da vida, e pronto, o saboroso bola da Poesia aí está, para ser distribuído em homeopáticas fatias a quem quer que seja, a maioria degustando-o com prazer e conhecimento, outros poucos lançando-se à aventura infeliz de não gostar dele e criticar os míseros amigos e amigas das musas, como pura perda de tempo, de papel, de tinta,agora, de teclas e cliques. Só que o bolo da Poesia é imortal, E quanto mais fatias os seus trabalhadores (poetas) distribuem, mais aumenta o bolo, mais saboroso fica, pois o fermento que o expande vem das profundezas do espírito humano, onde moram o Belo, os Sonhos, o Encanto, o Amor, a Deus e aos semelhantes.
Mais de sessenta anos!!! Teria valido a pena? Teria compensado o afã incessante do poeta na busca de transmitir a imortalidade da Poesia? Tantos versos, tantas rimas, tantas estrofes, tantos sonetos, tantas baladas, tantos poemas enfim, teriam deixado para traz alguma luz de encanto, algum aplauso, algum seguidor, algum substituto, algum guerreiro da pena e do teclado disposto a dar continuidade ao feliz manejar dessa Arte cujos primeiros luzores se perdem na voragem dos tempos, cujo ocaso é imprevisível e impossível, porque, repetimos, a Poesia é imortal como a alma de onde brota e se expande no turbilhão da vida.
Estou convencido de que valeu a pena, sim. O povo não diz, mas lê jornais, lê livros, lê revistas, lê, lê sempre. E sei que lê poesia, lê crônicas, lê artigos, lê editoriais, lê notícias... Em minha vida de redator de jornais, fui testemunha de um fato curioso que comprova a afirmativa acima. Mantive eu por muito tempo uma coluna chamada “Prato do Dia”, num dos jornais piracicabanos. Durou bastante tempo. Um dia foi extinta. Entretanto, depois de decorridos mais de 15 anos, era surpreendido por velhos leitores com a pergunta: “Seu Vitti, por que não tem mais Prato do Dia?”. Ou “Como eu gostava daquela coluna Prato do Dia”.
Valeu a pena, pois tenho certeza de que milhares de leitores, leram meus poemas e lerão os poemas de todos aqueles que se entregam ao feliz metier de poetar. E recebi, como prêmio de meus tantos e longos anos de Poesia, o honroso e significativo título de “Príncipe dos Poetas Piracicabanos”, fazendo companhia ao imenso Olavo Bilac, príncipe da Poesia do Brasil, e Guilherme de Almeida , Príncipe dos Poetas Paulistas.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz