Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Como compreender a beleza literária da Bíblia

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
A Bíblia Sagrada, além de exprimir a Palavra de Deus e, enquanto tal, constituir uma obra de caráter eminentemente religioso, também é, sem dúvida, uma obra literária de grande beleza, com perfeições maravilhosas que o espírito humano pode indefinidamente ir aprofundando e sempre encontrará coisas novas.
No conjunto dos seus 73 Livros inspirados, a Bíblia se revela de beleza, profundidade e lógica impecáveis. Tem uma unidade extraordinária e, ao mesmo tempo oferece uma riquíssima variedade de temas e de estilos. Nela se encontram livros épicos, líricos, místicos, históricos, jurídicos, de provérbios e ditos curtos etc. Temos, nela, textos populares ao alcance de qualquer pessoa e temos tratados profundíssimos. E, tanto uns quanto outros, todos têm uma densidade que desafia os cérebros mais poderosos de todos os tempos, que sempre descobrem coisas novas e nunca conseguem chegar ao fundo de tanta riqueza escondida.
Para usar uma metáfora extraída da própria Bíblia, eu diria que sua leitura oferece nutrição e prazer sensorial similares ao do maná, o alimento milagroso que sustentou os hebreus durante sua longa caminhada pelo deserto, em demanda da Terra Prometida. O maná continha em si não somente todos os elementos nutritivos, mas também todos os sabores desejáveis ao pálato humano. Era, portanto, um alimento completo de todos os pontos de vista. Daí a liturgia católica aplicar analogicamente à Eucaristia, o Alimento da Vida, as passagens bíblicas que falam do maná, por ser este verdadeiramente uma prefigura simbólica da Eucaristia: o maná era o alimento que acompanhava os hebreus na sua jornada rumo à Terra Prometida, alimentando-os e sustentando-os; da mesma forma, a Eucaristia é o Pão Celestial que acompanha os fiéis durante a peregrinação neste mundo, nutrindo-os e dando-lhes forças, na peregrinação rumo à Vida Eterna – da qual a Terra Prometida dos judeus foi, também, uma prefigura.
Mesmo abstraindo de seus elementos religiosos, a Bíblia fornece abundantíssima (ou melhor, inesgotável) matéria para considerações de ordem literária. Uma coisa muito importante, entretanto, para bem entendermos isso, e para não nos perdermos em falsos dilemas que mais desnorteiam do que orientam, é ter presente que a Bíblia não deve ser lida com espírito matemático... Se houver algum matemático entre meus leitores, não me leve a mal, mas o próprio do espírito matemático é a lógica fechada do 2 e 2 são 4. Isso é verdade numa certa dimensão, não porém em outras, que admitem e requerem uma liberdade muito maior.
É preciso considerar, inicialmente, a diferença enorme que existe entre o espírito ocidental (que é o nosso, aquele em que formamos nosso espírito e ao qual estamos habituados) e o espírito oriental. Por exemplo, é preciso compreender bem uma coisa muito presente nas Escrituras: o midraxe.
O gênero midráshico é difícil de entender para nós, ocidentais, mas para um oriental ele é muito normal, muito natural. Uma vez perguntei ao cultíssimo beneditino D. Estevão Bettencourt qual seria a melhor tradução para o termo hebraico midrash. Ele respondeu que seria glosa. Quando se glosa alguma coisa, não se repete a coisa glosada pura e simplesmente, mas se desenvolve com liberdade, por analogias, por extensão, coisas que têm alguma ligação com ela. Essa abundância de sentidos analógicos desnorteia, por vezes, uma cabeça ocidental como a nossa...
Daí o extremo perigo de se analisar os textos bíblicos com nossas cabeças que, queiramos ou não, foram influenciadas pelo cartesianismo e, mais recentemente pelo positivismo.
Um exemplo, entre inúmeros outros: quando se lê, no início do evangelho de São Mateus, a genealogia de Jesus Cristo, desde Abraão, em 42 gerações, dividida em 3 séries de 14, temos, claramente, um recurso midráxico. Um ocidental, quando lê essa nominata de ancestrais do Messias, imediatamente se põe a fazer contas, a calcular o tempo, a verificar cartesianamente se aquela genealogia pode estar realmente correta. Se for um espírito crítico e racionalista, quererá apontar, possivelmente, erros na Bíblia, contradições com outros fatos da própria Bíblia etc. etc. Para um oriental, entretanto, a reação é completamente diferente. Ele contempla a beleza simbólica da tríplice série de ancestrais, ele se encanta com essa beleza, ele usa a divisão das três séries como recurso mnemônico, e nem sequer se incomoda fazendo contas...
É curiosa, sem dúvida, essa diferença profunda entre ocidentais e orientais, mas é inegável que ela existe... Ora, a Bíblia, inspirada por Deus, se destina, mediatamente, ao gênero humano em todos os tempos e lugares, mas direta e imediatamente foi escrita por orientais para orientais. Se não se tem isso em vista, é inevitável que nos percamos pelo caminho, interpretando quadradamente trechos que exigem compreensão muito mais matizada.
Esse é um cuidado elementar, que devemos ter para podermos apreciar a imensa beleza literária da Bíblia.

texto publicado no jornal A TRIBUNA PIRACICABANA

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)