Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Oratória e Retórica: você sabe a diferença?

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
O fato se passou há pouco mais de um ano, ocupou durante alguns dias páginas inteiras de jornais e marcou presença obrigatória em noticiários televisivos de todo o país, impressionando e apaixonando todo o público. Mas, na voragem vertiginosa da vida diária, esse fato tão espetacular parece já distante, sepultado nas brumas de um passado incerto e pouco definido. Refiro-me ao julgamento do pai e da madrasta da menina Isabella Nardoni, cruelmente assassinada em circunstâncias bem conhecidas.
Esse julgamento trouxe novamente à atenção o que constituía, no passado, uma das atrações da vida cultural brasileira: o enfrentamento, num tribunal, de dois grandes advogados, defendendo posições contrárias e esgrimindo argumentos jurídicos em eloquentes discursos bem planejados e ainda melhor proferidos.
Isso trouxe também à memória a velha distinção, que se fazia, entre Oratória e Retórica. Perguntei certa vez a uma grande professora de História Antiga, que usava muito as duas expressões, qual a diferença entre ambas.
Ela − Profa. Semíramis Corsi Silva − me respondeu que Oratória era a arte de falar bonito em público, enquanto Retórica era a técnica de convencer o público de determinada convicção. Oratória é, pois, sobretudo arte, enquanto na Retórica é a técnica que assume papel decisivo.
O orador deve, antes de tudo, agradar ao seu ouvinte. Deve também ser claro e ser capaz de comunicar-lhe sua íntima convicção.
Aplicam-se ao orador os três requisitos que Santo Agostinho apontava para o bom escritor: agradar, esclarecer e mover os seus leitores. Para agradar, o escritor deve escrever – e, acrescento, o orador deve falar – com beleza; ambos devem ser claros e não confusos nem obscuros, se querem esclarecer seu público, seja ele leitor, seja ouvinte; e, para mover eficazmente esse público, o escritor ou orador deve manifestar-se com calor, com entusiasmo, intimamente convencido daquilo que transmite.
Os gostos estéticos, no que diz respeito à Oratória, variaram muito no decorrer dos séculos. Enquanto os antigos apreciavam a linguagem elevada e solene, em tom claramente declamatório, e se entusiasmavam com belas figuras de linguagem, com antíteses bem ajustadas, com objurgatórias, com increpações e apóstrofes, nas últimas décadas se vem preferindo um estilo mais simples, mais coloquial, mais próximo da conversação corrente.
O bom orador, de acordo com os costumes de hoje, é aquele que fala para um auditório inteiro no tom de quem está conversando com cada um dos presentes em particular. Ele não pode tomar ar professoral (a menos que seja, de fato, professor e esteja se dirigindo a seus alunos), para não parecer pretensioso e antipático. Também não pode usar palavras difíceis demais, que escapem ao nível de conhecimento médio, ou até básico, dos presentes, para não parecer pedante. E sobretudo não pode – o que seria o maior dos erros ─ traduzir ou explicar demais algum termo mais difícil, porque seria passar, para todos os presentes, atestado de franca ignorância.
Quanto à Retórica, no passado muito se estudou e se teorizou sobre ela. Em Lógica Formal se estudavam as regras do silogismo, do raciocínio dedutivo e indutivo, reduzidas, se não me falha a memória, a oito possíveis estruturações de raciocínio correto. E se estudavam as inúmeras formas de paralogismos, ou falsos silogismos, decorrentes de não se respeitarem as estritas normas da Lógica Formal.
Os silogismos, havia que fazê-los sempre a partir de duas premissas, sendo uma maior e outra menor. Havia que tomar muito cuidado para evitar falsas premissas maiores, ou seja, proposições aparentemente (e até formalmente) gerais que, no entanto, embutiam uma restrição que as tornava menores; e havia que estar. igualmente atento para que, em ambas as premissas, termos idênticos fossem entendidos com idêntica extensão. Havia que evitar silogismos baseados em duas formulações negativas, a menos que uma delas fosse duplamente negativa, ou seja, tivesse sentido afirmativo.
Enfim, muitas eram as regras. Era uma teorização, ou pelo menos uma tentativa de teorização, do bom senso mais elementar em matéria de raciocínios humanos.
A Retórica se preocupava, também, em prever as reações do público. Um de seus recursos habituais eram as prolepses, ou seja, a previsão antecipada das objeções que pudessem estar surgindo no espírito dos ouvintes. Procurava, também, prevenir as distrações e esquecimentos dos ouvintes, fazendo, de tempos em tempos, oportunas recapitulações da matéria.
Quando se trata de um discurso feito em oposição a outro (como no caso dos tribunais de júri), é importante o orador saber predispor o público em favor da idéia que defende, assim como desqualificar (às vezes de modo sutil, outras vezes abertamente) a pessoa e os argumentos do opositor. Nessas horas, até a ironia ou o humor tem seu papel.
A mesma professora de História Antiga a que me referi no início deste artigo desenvolveu, em sua dissertação de mestrado, uma longa análise, do ponto de vista retórico, de um discurso judicial proferido em Roma, no século II d.C., por um famoso orador, Apuleio de Madaura. Ela demonstrou como Apuleio conhecia bem, e aplicou ponto por ponto, no seu discurso, todas as regras da retórica então aceitas e divulgadas nos tratados de Retórica.
Interessante é notar que, em linhas gerais, muito pouco mudaram as coisas desde os tempos de Apuleio até hoje... Fundamentalmente, as mesmas técnicas e artifícios usados por ele foram aquelas usadas pelo promotor que acusava, e pelo advogado que defendia, o casal acusado do bárbaro assassínio de Isabella.

Escrevo estas linhas em homenagem à memória do Acadêmico Antonio Henrique Carvalho Cocenza, grande advogado e grande amigo, que no início deste ano nos deixou. Ele foi, também, um mestre da Oratória e da Retórica.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz