Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

domingo, 1 de janeiro de 2012

CINEMA EM SALAS DE AULAS

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Participei de um fórum fascinante, juntamente com amigos e colegas, sobre a possibilidade de utilização do cinema como recurso pedagógico, em salas de aula. A certa altura, tivemos que responder por escrito a três perguntas. Aqui vão elas transcritas, juntamente com as respostas que dei. Acredito que possam ser de utilidade para algum leitor cinéfilo.

a) O que o cinema significa para você?
O cinema, enquanto arte, tem enorme significado para mim. Assisti a incontáveis filmes na infância e na adolescência. Aprecio, sobretudo, alguns gêneros de filmes: 1) os históricos, que apresentam retratos de épocas passadas; 2) os que contêm problemas filosóficos, psicológicos ou existenciais profundos; 3) os que envolvem discussões em tribunais de júri, debates entre advogados etc.; e 4) aqueles que retratam a história de um grupo familiar, num recorte de larga duração, abarcando várias gerações. Não me agradam os filmes chamados “de ação”, policiais, com tiroteios, perseguições malucas de automóveis, ou de ficção científica. De modo geral, aprecio mais os filmes europeus (italianos e franceses, sobretudo) do que os filmes norte-americanos.

b) Tente se lembrar de sua adolescência e infância, como o cinema influenciava sua vida?
O cinema, assim como a leitura, marcarou muito a minha infância e adolescência. Fui leitor voraz, a ponto de, aos 13 anos de idade, ter relacionado por escrito, de memória, todos os livros, de todos os gêneros, que até então havia lido. O número chegou a 300. Também via muitos filmes, geralmente quatro por semana, sempre que a programação do cinema perto de casa (onde eu tinha entrada gratuita, já que o gerente era meio parente meu) permitisse a presença de meninos da minha idade. Para mim, os livros e o cinema constituíam meios alternativos para emergir no passado, numa outra dimensão que me parecia incomparavelmente mais fascinante do que o presente. Como nasci em 1954, ainda assisti a incontáveis filmes em branco e preto e testemunhei a chegada dos primeiros coloridos. Na infância e na adolescência, como eu ainda não tinha maturidade para entender filmes de conteúdo mais filosófico, o que mais me atraía eram os filmes históricos sobre a Antiguidade Greco-Romana. Eu ficava, entretanto, furioso porque via que, frequentemente, os filmes modificavam os fatos que eu já tinha lido, alteravam-nos à vontade para favorecer um enredo hollywoodiano. Eu era muito criança, mas acho que foi naquela fase que começou meu senso crítico que só aumentou com a idade. É claro que, naquela jovem idade, não tinha condições de compreender, nem de longe, todo o alcance filosófico das duas epopéias de Homero ou a ele atribuídas. Isso, só com a idade fui alcançando compreender. Bem mais tarde, em contato com os textos originais de Homero (em traduções, claro!) e, recentemente, lendo outros livros que me marcaram muito (especialmente "A cidade antiga", de Fustel de Coulanges) e vendo ─ ou revendo ─ filmes novos ou antigos sobre a época (Tróia, Alexandre, Os 300 de Esparta etc.) é que me dou conta de como, sem sentir, aquelas leituras da infância me marcaram. De fato, compreendo agora que a Ilíada e a Odisséia significaram muito na minha vida, como podem significar na vida de quaisquer outras pessoas.

c) Que filmes (possivelmente) marcaram sua vida?
É um pouco difícil relacionar. Apenas para recordar alguns, destaco, entre os de cunho histórico, El-Cid, Coração Valente, Patriota, Ben-Hur, O Leopardo; entre os que apresentam problemas filosóficos ou psicológicos, Doze Homens e uma Sentença, O Mistério do Rosário Negro etc.; entre os que mostram o histórico de várias gerações de uma família, O Poderoso Chefão.

Artigo publicado na TRIBUNA PIRACICABANA

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz