Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Linguagem oral e linguagem escrita

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado

Tanto o texto oral quando o escrito são produções verbais e, pelo menos em princípio, devem ser organizados de modo coerente, fazendo sentido e exprimindo determinada ideia, transmitindo determinada mensagem.
Na linguagem oral, o emitente dispõe de maior liberdade, ajudado que é, na transmissão da sua mensagem, por numerosos fatores coadjuvantes: o timbre da voz, a maior ou menor ênfase com que fala, a línguagem corporal, a mímica, a entoação, o jogo dos olhares, tudo isso acrescenta, ao que está sendo dito, elementos significativos. Admitem-se, na linguagem oral, anacolutos, quebras sintáticas, aporias, hesitações, expletivos, interjeições, repetições etc. - recursos esses que, na linguagem escrita só podem figurar, quando podem, com parcimônia e “sense de mesure”.
Já na linguagem escrita, em que habitualmente se requer uma formalidade maior e uma correção gramatical e estilística mais estrita, não intervêm esses fatores coadjuvantes, cabendo unicamente a quem escreve, se for talentoso, suprir a falta deles. Como pode fazê-lo? Numerosos são os recursos estilísticos à disposição do bom redator para, de acordo com os gostos e costumes de sua época e da cultura em que se insere, conseguir atrair e prender a atenção de quem o lê.
Pessoalmente, gosto muito do estilo de linguagem escrita que vai se desenvolvendo dialogicamente, numa como que interlocução com um imaginário leitor. Esse estilo, largamente utilizado por eminentes escritores do passado, como por exemplo Machado de Assis e Eça de Queiroz (não em todas, mas em algumas de suas obras principais), e também, de modo maravilhoso, por Guimarães Rosa, é sempre atual e, pela experiência que possuo de 36 anos de prática jornalística, costuma ser bem sucedido.
Nesse estilo, quem escreve vai acompanhando passo a passo o leitor, como quem está junto dele e vai, também passo a passo, observando suas reações, suas dúvidas, suas objeções, seu maior ou menor interesse, suas distrações. Importantes, nesse estilo, são as prolepses, por meio das quais o emitente prevê e responde a imaginárias objeções ou dificuldades do hipotético leitor/interlocutor. Importante também é que, nos trechos mais difíceis ou mais áridos, o emitente saiba temperar o texto com alguma nota particularmente atraente, com algo de novidade, de inesperado, até mesmo, se necessário, de chocante, ou acrescente uma nota de ironia ou humor. Tudo para manter continuamente a empatia, a ligação quase umbilical que o bom escritor deve manter com quem o lê. Entremear as exposições mais teóricas e esquemáticas com a apresentação de exemplos concretos em linguagem narrativa é, também, um recurso muito útil.
Curiosamente, à medida que um bom escritor desenvolve um estilo desses, até mesmo no modo de falar ele conserva essas características. Ele saberá, ao expor oralmente uma tese, prender a atenção dos ouvintes de modo análogo à forma como prende a atenção dos leitores que leem seus textos. O resultado, que pode parecer paradoxal, é que, ao fim e ao cabo, tanto a linguagem oral quando a escrita se aproximam bastante, sendo o modus loquendi bem próximo do modus scribendi.
Nada mais natural. Afinal, tudo é comunicação humana, tudo é texto, tudo é linguagem...

2 comentários:

Beatriz Carolina Pimentel disse...

Olá,
Sou estudante da ESALQ e estou realizando um projeto sobre os aspectos históricos e culturais dos hábitos alimentares de Piracicaba.
Vocês poderiam me passar o contato de alguns membros que são e já foram da Academia?!
Grata.

Ivana Maria França de Negri disse...

Olá Beatriz

Entre em contato com a historiadora
Marly Therezinha Germano Perecin que é acadêmica da APL e poderá passar as informações que necessita.

abrs

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz