Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Rio + 20 e a palavra mágica *

Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33
Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Neste momento histórico, a palavra mágica que parece ter o dom de resolver todos os problemas do planeta, quer ambientais, econômicos, sociais ou políticos, é o termo “sustentável”.
Ser sustentável, segundo os entendidos, é agir ecologicamente, ser economicamente viável e politicamente correto. Há alguns anos ninguém saberia explicar o que é ser sustentável.
Os antigos sabiam o que era prover o próprio sustento, manter uma família, a esposa, os filhos e havia até um termo engraçado “teúda e manteúda” que era a amante, a amásia, aquela que alguns homens às vezes sustentavam por fora.
Cientificamente, a raiz sustenta o caule, que sustenta os galhos, que por sua vez sustentam as folhas, flores e frutos. O tronco humano sustenta o pescoço e a cabeça. O alicerce ou fundação, é a estrutura de ferro ou de concreto colocada sob a terra e que sustentará todo o edifício.
Sustentável, hoje em dia, ganhou novo significado. Segundo o Google e os dicionários, seria aquilo que satisfaz as necessidades da geração atual sem comprometer as necessidades das próximas gerações, um desenvolvimento que não esgota todos os recursos atuais, deixando uma parte deles para o futuro.
Mas será que isso funciona na prática? Ou é só enganação e tudo não passa de mais um teatro montado para impressionar o povo? Será que as pessoas são razoáveis, éticas e sensíveis quando a meta é o poder e a riqueza? Tenho cá minhas dúvidas...
Certa vez perguntaram a Mahatma Gandhi se depois da independência, a Índia seguiria os moldes de vida britânicos e ele respondeu: “a Grã Bretanha precisou de metade dos recursos do planeta para alcançar sua prosperidade. Quantos planetas seriam necessários para que um país como a Índia alcançasse o mesmo patamar?”. Em sua sabedoria, Gandhi mostrou que estava na hora de mudar os modelos de desenvolvimento, que era preciso levar em consideração o meio ambiente e o legado às gerações futuras.
Tomara que a Rio+20 abra um leque de ideias aplicáveis e não seja apenas mais um mega evento midiático de muito discurso e pouca ação. Muito se falará em novas fontes de energia limpa, coleta seletiva, reciclagem, reuso de materiais poluentes, adaptação às irreversíveis mudanças climáticas e tudo verde, muito verde, pois essa é outra palavra muito utilizada pelas empresas que querem se autopromover. Muita prosa, muita pose e pouca ação.  
Talvez outras palavrinhas mágicas tenham que ser resgatadas: ética, responsabilidade, consciência, generosidade, harmonia, cooperação, entre outras. É necessário promover ações que diminuam a pegada ecológica do homem sobre a Terra. Penso que tudo o que for falado, mostrado e decidido, será de pouca importância se as pessoas não se conscientizarem que fazem parte da natureza como todos os outros seres que exploram. E a natureza não foi criada para ser abusada pelo homem. Que o documento final dessa conferência seja como uma bíblia para os povos e as ideias nele contidas sejam postas em prática o mais rapidamente possível..
Os índios tinham toda a razão ao afirmarem que o homem pertence à Terra, mas a Terra não pertence ao Homem.
E que nosso amado e maltratado planeta, qual a lendária Fênix, consiga  renascer das próprias cinzas.

*texto publicado nos jornais A Gazeta de Piracicaba e A Tribuna Piracicabana (20/06/2012)
Blog SOS Rios do Brasil

Um comentário:

Clarice Villac disse...

Excelente artigo, Ivana !
Parabéns !

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz