Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Declaração de amor aos livros

 Gustavo Jacques Dias Alvim Cadeira n° 29 
 Patrona: Laudelina Cotrim de Castro

Desde minha tenra idade, o mundo das letras, palavras e frases fascina-me. Fui apresentado a esse empolgante universo pela minha mãe, inicialmente no lar, por meios lúdicos, folheando livros e revistas, fazendo desenhos, recortes e pinturas, e, depois, aos sete anos, por ela mesma, no Grupo Escolar “Castro Alves”, em Vera Cruz, pequena cidade paulista, onde nasci, e no qual tive a alegria de tê-la como professora do primeiro ano primário. Foi, portanto, a minha querida e saudosa genitora quem me alfabetizou, usando a “Cartilha Ativa”, cujo método era o sintético, responsável pela leitura rápida que adquiri.
A partir daí, apaixonei-me pela leitura. Estimulado pelos meus pais, também leitores contumazes, tornei-me grande amigo de livros, revistas e tudo o que fosse material impresso.  Ainda cursando o primário, pude ler os livros mais importantes para crianças então publicados. Devorei, dentre outras, as famosas obras de Monteiro Lobato, com as suas inesquecíveis personagens: Narizinho, Dona Benta, Visconde de Sabugosa, bem como “Os doze trabalhos de Hércules” correspondendo a uma dúzia de volumes, e vários outros livros de história, dos quais me lembro de: “Reinações de Narizinho”, “Caçadas de Pedrinho”, “O Pica-pau Amarelo”, “Jeca Tatu”, “A Ilha do Tesouro”, “Viagens de Gulliver”, dentre muitos outros. Além disso, minha família assinava revistas infantis, famosas e de grande circulação, que esperávamos mensalmente, vindas pelo correio, como o “Tico-tico” (com histórias do Zé Macaco e Faustina; Chiquinho; Reco-reco, Bolão e Azeitona), “Globo Juvenil”, “Gibi” e muitas outras de cunho moral, cívico, religioso ou de simples entretenimento. 
Lembro-me, também, que meu pai era assinante da “Folha da Manhã” (atualmente, “Folha de São Paulo”), jornal diário que chegava da capital paulista pelo trem do final da tarde, com notícias do dia anterior, que era lido avidamente por ele, e igualmente da” Voz de Vera Cruz”, este de circulação dominical, do qual meu progenitor era colaborador.  Eu gostava de dar uma olhada nos dois jornais e ler neles o que me parecia interessante. Foi esse contato prematuro e despretensioso com os periódicos que me propiciou o único vício: ler jornais diariamente.  Quando não posso fazê-lo parece-me que está faltando algo. Se não posso lê-los, guardo-os para dar uma repassada em outro momento, antes de me desfazer deles. Antigamente, quando a tinta dos jornais tinha um cheiro mais forte, eu dizia que era esse odor o que me atraía. Posso dizer que leio jornais desde meus dez anos de idade.
Outro fato interessante, que confirma o meu amor pela leitura e que me faz também voltar à pré-adolescência, foi a transformação da minha incipiente biblioteca, para torná-la um espaço público. Minha família havia se mudado para Piracicaba, onde, inicialmente, moramos numa casa antiga, espaçosa, com garage, grande quintal, pomar, horta, galinheiro, quartinho para despejo e pátio cimentado para jogar bola, andar de bicicleta etc. Havia também, construídos separadamente da casa, mais quatro cômodos, três dos quais usados para instalar o consultório médico do meu pai, destinando-se o que sobrava para ser o local dos brinquedos, onde jogávamos, principalmente, futebol de botão, com participação de vários amigos, meninos vizinhos de quarteirão. Nesse quarto, cujo pé-direito era bastante alto, numa estante com várias prateleiras espaçosas, que iam até o teto, a gente guardava os livros. Os meus amigos, que iam para minha casa disputar os campeonatos de futebol de botão, não resistiam ao desejo de folhear ou de ler aquelas publicações, atraentes, às quais muitos deles não tinham acesso por falta de condições econômico-financeiras. Não era incomum um ou outro pedir emprestado para levar para suas casas algum volume. Isso me deu a idéia de organizar uma biblioteca. Com a ajuda de meu irmão, encapamos todos os livros com papel pardo, numeramos os livros e revistas, colando nela algarismos recortados de outros impressos para identificá-los, fizemos o cadastro das obras, bem como dos consulentes. Para ter o direito de retirar o livro e levá-lo para casa, por prazo determinado, o interessado tinha de se associar à biblioteca e pagar uma pequena taxa mensal, que era integralmente revertida para a ampliação do acervo. A iniciativa foi um sucesso e, indubitavelmente, serviu para difundir o gosto pela leitura.
É sabido que a leitura é imprescindível e primordial na formação de um escritor. Para escrever bem é preciso ler muito; não ter preguiça de consultar dicionário, nem de reescrever muitas vezes o mesmo texto. Porque eu comecei a ler muito cedo, também iniciei meus textos poéticos aos onze anos de idade. Fiz poesia na infância e na adolescência e somente nesse período. Escrevi para jornaizinhos escolares e tive o meu primeiro trabalho impresso publicado no “Diário de Piracicaba”, aos 16 anos, por ter obtido uma menção honrosa num concurso de contos de Natal, promovido por esse jornal já extinto.
Nunca mais parei de escrever. Com 20 anos, morando e estudando em São Paulo, fui contratado como revisor de uma revista; dois anos depois eu era o seu diretor-redator. Por onde passei, escolas, empresas, igreja, eventos, clubes, eu semeei jornais. Fui fundador e sócio-proprietário de “A Província”, juntamente com Cecílio Elias Netto. Escrevi livros. Fiz a edição de muitos outros. Para onde eu vou, levo comigo algo para ler. Estimulo pessoas a lerem. Vibro quando vejo meu neto e minha neta lendo seus livros, juntando dinheiro para comprá-los ou indo ao dentista com um deles sob o braço.
Amo meus livros, adoro a minha modesta biblioteca! O mundo das letras é o meu mundo!

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz