Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sábado, 20 de outubro de 2012

CRÔNICAS

Lino Vitti Cadeira n° 37 - Patrono: Sebastião Ferraz                                       

             Estabilizadas as andanças do destino à cata de um oásis onde repousar das preocupações da vida, depois da busca do meu lugar ao sol, passei a sonhar em termos de jornalismo, dentro da qual esperava dar vazão aos pruridos escrevinhantes cultivados dentro de mim como coisa inata e apenas dependentes para vir a lume, desse formidável meio de comunicação humana como são os jornais diários.
À época floresciam o “Jornal de Piracicaba” e “O Diário de Piracicaba”, um e outro trazendo em seu âmago as explosões articulísticas, editorialísticas, poéticas, cronísticas, literárias, de pináculos redatoriais da nata intelectual da terra, o que despertava em mim doses compactas de santa inveja. Inveja santa que me levou a procurar um cantinho, uma brechinha, para poder integrar tão magnífica legião de tão ilustres penas jornalísticas.
Abriu-me a brecha desejada o saudoso amigo Acari de Oliveira Mendes, encaminhando-me ao Diretor Losso Neto que, não só aprovou a idéia do Secretário do Jornal , mas festejou o acontecimento com alegria e feliz por poder escancarar-me as portas do Jornal, para lá dentro escrever em prosa e verso tudo quanto à cuca me viesse. E aí, no horário noturno que às vezes alcançava meia-noite prá mais, redigi, poetei, croniquei, invadindo não raro o campo dos artigos e editoriais, aliás reservado para Losso a Acari, e para muitos cobras que manejavam com maestria a lança da imprensa.
E lá se foram 25 ou 30 anos, martelando as velhas máquinas da redação (algumas tipo martelinho mesmo: lembra, Zé ABC?) escrevendo de tudo. Ficou-me na lembrança mais profundamente foi mesmo a crônica “O Prato do Dia”, criada e mantida pelo Tuca e por mim continuada, depois dele, por cerca de seis a oito anos.
Crônica é um pedacinho do jornal onde algum afoito redator escreve sobre tudo, sobre a gente e os fatos da cidade, sobre coisas da roça, sobre as mutações das horas da natureza, sobre os sonhos que superlotam as cabeças humanas, sobre as realidades e irrealidades da vida, sobre intimidades, preocupações, opiniões, críticas e louvores que sempre andam a povoar a imaginação dos cronistas.
Crônica é o que estou escrevendo (assunto que nada tem a ver com inflação, governo, poderes públicos, etc.) de maneira irresponsávelmente poética, pois tem a crônica, como especial finalidade, agradar aos cérebros leitores, sem forçar, sem exigir, sem falar mal do que e de quem quer que seja. Crônica é o que escreve aí na segunda página o Cecílio, como eu tentando colocar para fora, de uma forma sublimada, idéias estranhas e discordantes, pensamentos gostosos, com sabor de uva, para que o leitor, se for bom mesmo, vá tirando da sua leitura o delicioso vinho dos tropos literários, das metáforas, das antíteses, dos contrastes, das comparações, das sínteses, dos pleonasmos, da invocação, etc., chegando ao final da tirada cronística de cabeça aliviada, alegria e aprovação por haver o cronista conseguido arrebatá-lo, por um pouquinho, do chão da vida, para o céu do sonho e da fantasia.
Vocês repararam como os cronistas escrevem muito de si? Por que será? Que coisas têm eles tanto no seu íntimo forçando uma saída, através dessa maneira de arte, para  ir provocar sentimentos, de aprovação às vezes, de discordância, outras, num ou em muitos leitores em geral desconhecidos, de cultura desconhecida, de idade desconhecida? Quem lhes deu esse direito de mexer com a alma dos outros, provocar reações diferentes, gostar ou não gostar, aprovar ou rejeitar o que as linhas da crônica vão desfilando aos milhares de olhos leitores, para que saibam, por exemplo, que Lino Vitti é um eterno roceiro, que Cecílio é um perpétuo ponto de interrogação?
Isto são as crônicas, isto são os cronistas.
Obrigado, leitor, por tudo quanto supuseres ou lá no teu íntimo engendrares, sobre crônicas e sobre cronistas.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz