Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Homenagem aos 110 anos de Carlos Drummond de Andrade



Um rapaz sem coração e uma pedra no meio do caminho
Homenagem aos 110 anos de Carlos Drummond de Andrade
  
Olivaldo Júnior

            Era um jovem que sonhava em ter amigos e viver a vida que todos tinham. Não conseguia ter mais que o sonho de ser igual a todos que ele via pelas ruas, pelas casas, nas calçadas, em que ele mesmo era inóspito. Estrangeiro não é só ser de outra pátria em terra estranha, mas ser estranho em própria terra. A terra era a casa em que Deus o pusera. Deus era o maior poeta que ele conhecia. Soube o que era poeta, na escola em que tentava estudar. Digo tentava, porque ele fazia os seus próprios conceitos de tudo o que via e que havia no mundo. Nada era aceitável sem que assim o fizesse. - Oh, rapaz!
            Aquele homem, como todos os outros, levava um coração que vivia contando o tempo no peito, onde guardava o mágico sentimento do mundo. Mas coração, principalmente o daquele jovem, era coisa frágil, bem fácil à quebra. Um dia, honrando a quadrilha que gira em sentido oposto ao que se quer, deixou cair seus olhos no abismo insólito de outro alguém e... zás! Era uma vez a rosa do povo, o coração de um ser poético! Tristeza, mágoa e rancor, pois nem mesmo as sete faces de um texto podem dar conta de expressar o rosto de um rapaz ao chão. A chama de um verso calhava no peito que o fazia sentir. A pedra no meio do caminho estava lá. Lançou-a no rio da infância, mas ela nem tchum, e, ao tchibum!, tratou de voltar à tona e, num passe de mágica, pôs-se no meio do caminho de um homem, como todos os outros, exposto ao impossível ter. Ter é trazer nas mãos as mãos daqueles que se amam. Amar de longe é sonhar. Amava.
            O jovem, por ter quebrado o coração, ficou sem tique-taque marcando o ritmo no peito inerte. Deu para a escrita, contando o passo dos sons da vida. Poesia é assim mesmo, sublima, sublinha, subterfoge pelas rimas, sem os rumos que amarram. Marca de estilo. Assim que viu a pedra, ele, que já não tinha coração, tratou de pegá-la logo, pois não era tão grande como se pensa. Num ingênuo pedrisco, pode-se arranhar e maltratar os pés. Pesa, pesa mais que a mão de uma criança esta pedra, este mundo, ó Drummond! Ele, o rapaz de nossa história, bem sabia disso que escrevo. Foi assim que, com a pedra nas mãos, tratou de ferir o dedo indicador num dos espinhos de uma rosa aberta no quintal da mãe. O sangue, a essência rubra de uma vida em xeque, tocou e penetrou na pedra que, no meio do caminho daquele jovem, só tivera feito cinza o mundo em cores. Corada, vermelha pelo sangue azul de um escritor de estirpe, a pedra foi sorvida, engolida pelo pobre rapaz que fazia versos. Versos são restos de vida em reciclagem. A mesma que o jovem fazia da vida, sempre insossa quando fora de estrofes. Viva as metáforas! Não, não fora deglutida a pedra em rubro que ele a um canto engoliu. Quando dentro, tomou seu rumo, ficou no peito, drummondiana, em paz.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz