Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sexta-feira, 26 de abril de 2013

VOLUNTARIADO COM ESPIRITUALIDADE

                          Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira no3 - Patrono: Luiz de Queiroz

            A emergência atual, consciente, adulta, generosa e sem limites, com certeza está não somente em oferecer ajuda no momento da tristeza que continua a se manifestar neste vale de lágrimas em que sobrevivemos como nos “sensibilizar” ante o problema do próximo e semear a “organização da vida” dele, quando está no limite de sua carência física, material, moral ou espiritual. Como conseguir isso? Sem ser repetitiva, mas muitas vezes repetindo para chamar a atenção ante o despropósito de tamanha diferença social, pela ganância de mentes mesquinhas, desumanas, acomodadas e inconsequentes, que saem pisoteando em tudo, só admitindo seu próprio umbigo e conforto. 
            O Papa Francisco em boa hora anda alertando sobre a atuação definitiva do ser humano em direção aos “pobres”. Mario Vargas Llosa, escritor peruano e ganhador do Prêmio Nobel de Literatura assinou dia desses um belíssimo artigo onde cita um sacerdote italiano, padre Ugo de Censi que chegou a Chacas em 1976 “uma das cidades mais pobres do Peru e a transformou (apenas com voluntários), em um mundo de paz e trabalho, de solidariedade humana e criatividade artística”. O artigo é lindo e longo e não daria para ser publicado dentro desta crônica infelizmente, mas suas ideias deixariam até os superiores de sua ordem salesiana, os hierarcas da Igreja, os economistas e sociólogos, muito nervosos... Padre Censi detesta a cobiça, o egoísmo e o lucro, e prega que a “pobreza deve ser combatida a partir dela, vivendo-a junto com os pobres e atraindo os jovens para a religião e para Deus, propondo-lhes a viver a “espiritualidade como uma aventura” (as quais o mundo atual tende a separá-los), entregando seu tempo, seus conhecimentos e braços a fim de lutar contra o sofrimento e as grandes injustiças de que são vítimas tantos milhões de seres humanos”. E, entre suas ideias miraculosas sem vaidade alguma, este padre, um homem de ação e de uma força incrível realizou sem ajuda de um centavo do Estado ou do governo (apenas com “voluntários”, repetimos), uma verdadeira revolução econômica e social com tudo imaginável, como centrais elétricas, luz, água, vários colégios, clinicas, incentivos à arte, muitos “eteceteras”, mais uma Universidade que estará sendo inaugurada também. 
           Como foi possível tudo isso e muito mais que não dá para detalhar aqui? “Apenas olhando para o lado dos que precisam e não desviando o olhar para o outro lado...” afirmou o sacerdote. “Caridade” é sua a palavra chave e a “ação”, não só do padre Censi como de todos os voluntários. Citando como exemplo aqui em nossa cidade, a atuação de voluntários da Campanha do Agasalho, do empenho de diretores e funcionários entre outras dezenas de instituições nossas, da Casa do Bom Menino, do livro em Braille (entre outros), dessas mulheres maravilhosas, Ivana, Leda e Carmen (e, essa Marly, nossa linda historiadora, com Valdiza “preservando” nossa terra, e as outras e outros que escrevem...), Aracy, sempre prestativa em tudo, o Lions sempre atento a boas causas, e o Rotary irmanado em extirpar a “poliomielite” no mundo, e, querendo ser justa, a uma gama de senhoras e homens beneméritos de todas as idades, que se envolvem e sofrem por não conseguir ajudar ainda mais!  
                O “Projeto Ilumina”, a criar luz em tantos corações amargurados, os Chás beneficentes da cidade e os do Clube da Lady, com Marlene e outras queridas, as reuniões e jantares, as “pizzas” e as rifas, as “Ongs”, a Festa das Nações que vem vindo aí!!! Ufa, meu Deus, tudo isso é “espiritualidade no voluntariado”, que é feita com continuidade, conhecimento de causa, perseverança, alma e coração, a desejar “arrumar” um pouco que seja este mundo desarrumado, mas, cujas mentes crescem no dia a dia e se aperfeiçoam a cada gesto doado, trabalhando com suas próprias forças, a mostrar que existe neste mundo ainda, muito mais gente querendo fazer o bem por si, elegendo a “caridade e o amor” como aliados, conseguindo com isso, a autoafirmação e realização de suas próprias vidas!

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz