Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sábado, 4 de janeiro de 2014

É a vida...

 Marisa F. Bueloni
Cadeira no 32 - Patrono: Thales Castanho de Andrade

     É a vida, e é bonita e é bonita. Assim, diz uma canção popular cheia de esperança, onde se canta também que “ninguém quer a morte; só saúde e sorte”.
     Pois é. Contudo, nos deparamos com os imprevistos, os infortúnios, as vicissitudes, as perdas e dores. Assim é a vida. O que importa, em toda situação dolorosa, é nosso espírito bravio, nossa disposição de seguir adiante, passando por cada obstáculo, buscando forças onde forças não havia.
     A vida terá nos reservado uma bela e indescritível fatia, aquela que ainda não vislumbramos, porque é cedo demais. Ou porque teremos de merecê-la.
     Vejo que nossa caminhada neste mundo nos confere algo de muito oportuno e enriquecedor, se soubermos aproveitar cada nova lição. O sofrimento e a dor existem para todos. Para jovens e velhos, ricos e pobres. O imponderável e o inesperado nos aguardam a todos, democraticamente.
     Um dia, embarcamos nesta nave chamada “vida”, construímos algumas certezas hoje, que serão derrubadas amanhã, porque mudamos de pensamento e isso é natural. Conceitos e dogmas que são a base de nossa fé e de nossa crença podem ser imutáveis, mas há pensamentos universais que abraçamos depois de alguma longa e profunda reflexão.
     Penso sempre na infinitude das coisas que duram. E que permanecem conosco por longos anos. Uma xícara predileta para ao chá, um cobertor amado, um casaco de lã, um anel, uma alicate de unha. Mas existem outras espécies de coisas que são infinitas porque nosso coração assim o deseja.
     Há objetos que nos pertencem a tanto tempo, que não sabemos mais viver sem eles. Há verdadeiras preciosidades a nossa volta e, distraídos que somos, perdemos o pôr de sol mais lindo do mundo, a música que toca em algum lugar da nossa alma, a inaudível beleza do silêncio.
     É a vida, em toda a sua rica textura. Sons, gestos, rumor de gente chegando e partindo, tristeza e alegria misturadas à exaustão.
     É a vida, apresentando uma coleção completa de ofertas. Cada um tem suas preferências e junto com estas, algumas certezas. Aquelas, que, mais tarde, acabaremos por questionar.
     Penso que viver ainda é o mais belo exercício. Diz um ditado chinês que “uma caminhada de mil passos começa com o primeiro”. É justamente este primeiro passo o mais difícil, o mais crucial, o que mais exige de nós. Trata-se de uma decisão a tomar e que terá suas consequências.
     Este exercício de decisões inclui algumas derrapadas pelo caminho, porque a vida não é em linha reta. Há curvas perigosas e nem sempre há placas de aviso. Somos pegos de surpresa num declive súbito e não há como frear. Mais à frente, uma montanha a transpor, subida íngreme, dura, penosa.
     Mas é bonita, a danada da vida. Ela nos bate quando quer. Temos de nos defender com as armas que conhecemos. E uma de minhas preferidas é a oração. Quando pressinto a aflição pela frente, começo a rezar. Ou seja, a rezar mais, porque venho rezando sempre.
     Orar faz um bem imenso para o espírito! Ter um pensamento amoroso para o mundo e para todas as pessoas faz da vida algo com mais sentido.


Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz