Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Ivana Maria França de Negri
Segundo Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

domingo, 18 de janeiro de 2015

“Surto do bem”

 Marisa F. Bueloni
Cadeira no 32 - Patrono: Thales Castanho de Andrade

Não sei se tenho o que se poderia chamar de “melhores textos”. Às vezes, noto que alguns são melhores que outros, pela reação dos leitores. Aí vejo que peguei a turma na veia. Os e-mails me dão uma medida do que escrevo.
Bom, a gente não pode ter essa presunção, que pode ser tola, pedante. Ou que pode ser humilde e sincera. Apenas um auto-reconhecimento (tem hífen?) de que talvez tenhamos produzido algo que valeu a pena.
Enfim, dou sempre uma volta para chegar onde quero. É o meu jeito simples de ser, de viver. Que mania essa de sempre ter de me explicar. Alguém explica? Nem Freud explicou direito. Ficaram algumas lacunas, não?
Bom, meus “melhores textos”, se os tenho, foram escritos em um surto que eu chamo “do bem” (ui!). Sim, aquele. É uma maravilha quando se tem consciência e controle sobre ele. Alguém perguntou que febre me ataca em certas crônicas. É o surto amigo que me assalta e o teclado todo não é suficiente para meus dez dedos ágeis, pois digito com os dez, fiz datilografia aos 12 anos, pratiquei em máquina de escrever até o surgimento do computador e tive uma Olivetti Lettera 32, cor-de–rosa, companheira e cúmplice. Se eu fosse pra cadeia um dia, levava ela comigo.
E quase fui. Sim, nos anos 80, fui processada pela Lei de Imprensa. Por um ponto de exclamação, acredite. O diretor do jornal, juntamente com o editor da página de recadinhos que fazíamos aos domingos e eu. Os três mosqueteiros. Um por todos, todos por um!
Numa contenda com o prefeito, o diretor de um jornal onde eu colaborava  publicara uma frase considerada tendenciosa, por causa do ponto de exclamação no final. Foi processado pelo ponto exclamativo. O editor da página dos recadinhos e eu, solidários, entramos na onda, brincamos com o assunto e acabamos arrolados no processo.
Concluindo: “tocamos piano”, comparecemos à audiência no Fórum, fomos defendidos pelo presidente do Sindicato dos Jornalistas, que veio de São Paulo para nossa honra, e fomos todos absolvidos. Glória das glórias.
Mas meus “surtos do bem” é que são maravilhosos. Eles me levam a fazer coisas que eu não faria sem esta pequena e deliciosa alteração mental. Eles me salvam em momentos incríveis e, na minha sanidade, me dão uma noção de quão vasto e louco é este nosso mundo.
     Quando o “surto do bem” ataca, podemos ficar ousados e valentes, falamos muito, mais que o normal, e temos um poder imenso. Sim, nos achamos o máximo, somos capazes de proezas inimagináveis, sentimos uma força extraordinária, exterior e interior. Mas com o exato domínio e controle de tudo.
Este fenômeno deve vir do fundo dos neurônios, fruto de um processo químico e emocional que se auto-interage e cria um impulso elétrico formidável e fenomenal dentro da gente. Lá, lá. No cérebro nosso amado de cada dia. Santo cérebro, padre Otto!
Faz tempo que não sinto a maravilha desta natureza. Ando muito cautelosa com tudo e a realidade me faz pisar no freio. Ai, ai, ai... Melhor surtar?


------------------------------------------------------

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)