Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

terça-feira, 10 de março de 2015

Nesta longa estrada da vida...

 Marisa F. Bueloni
Cadeira no 32 - Patrono: Thales Castanho de Andrade


         
            Na semana passada, a música sertaneja perdeu seu grande ícone, José Rico. Acredito que uma das mais bonitas homenagens foi feita no programa do Ratinho, na noite de quarta-feira, dia 4 de março, quando músicos e duplas sertanejas se reuniram para celebrar o grande ídolo.
            Quem assistiu ao programa, comprovou também que, de fato, Ratinho é um grande apreciador do gênero e que sua amizade com os cantores e artistas sertanejos é algo verdadeiro. O apresentador transbordava amizade, carinho e admiração aos que ali se apresentaram, dando chance para que todos mostrassem sua arte, seu talento.
            No final apoteótico, os artistas cantaram uma das mais conhecidas músicas da dupla, “Estrada da vida”, um hino sertanejo, gravado por Milionário e José Rico. Todos conheciam a letra de cor e cantavam com o coração. É nestas horas que se pode ver quão amada e admirada era a pessoa, quando os amigos lhe prestam um memorial digno e pleno de emoção.
            José Rico tinha um visual bastante polêmico, com seus cabelos longos e desgrenhados, barbudo, ostentando grossas correntes de ouro, anéis, adereços dourados que lhe davam uma aparência que alguns chamam de “brega”. Óculos escuros, a mão direita sempre tapando o ouvido direito, enquanto cantava. Como se diz, uma figura.
            Consta que era um sujeito simples, com grande facilidade para compor. Um dos versos de “Estrada da vida” diz: “Nós devemos ser o que somos / Ter aquilo que bem merecer”. Filosofia simples, pequena, primitiva. Ser autêntico, verdadeiro, sem disfarces diante do próximo ou de nós mesmos. Mas, sobretudo, tendo o que pudemos conquistar e merecer.  Filosofia de sertanejo, do homem que canta com sua viola, seu instrumento de apoio à voz. Do cantor que vê a vida sem sofisticação, pois ela se resume numa longa estrada...
            Nesta longa estrada da vida, o compositor tem a “esperança de ser campeão/ alcançando o primeiro lugar”. Esta frase musical incendeia qualquer coração, também para os que não são fãs do gênero sertanejo. Todos nós temos a esperança de ser campeões em alguma coisa. Lutamos e nos esforçamos para realizar algo que nos dê alguma notoriedade, enfim, sobretudo se gostamos do que fazemos e se nisso colocamos toda a nossa alma.
            A esperança de ser campeão, alcançando o primeiro lugar! Na corrida diária, nem todos atingem este patamar. Poucos sobem no pódio para receber a taça, o troféu, a medalha sonhada. Só mesmo os verdadeiros campeões, os merecedores da glória. No dia-a-dia de nossas existências, escondem-se campeões anônimos, que estão se consumindo, gastando suas vidas no serviço ao próximo, à sociedade, a uma causa bela e justa. Também estes são vencedores, mas ninguém os vê alcançando o primeiro lugar.
            Sempre achei muito espirituoso o nome da dupla, “Milionário e José Rico”. E agora, “Milionário” está pobre, pois perdeu seu grande companheiro. O tempo cercou a estrada de José Rico, o cansaço o dominou, suas vistas se escureceram e o final desta vida chegou...


     

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz