Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Ivana Maria França de Negri
Segundo Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

domingo, 28 de junho de 2015

Protesto em nome da família brasileira

 Acadêmica Myria Machado Botelho
Cadeira n° 24 - Patrona: Maria Cecília Machado Bonachella


            Meio indecisa  quanto ao que vou dizer nestas” maltraçadas” , olho para o painel de fotos, bem à frente  de meus olhos, acima do computador.  Minha família ali está,  sorridente e serena, unida em dias festivos de comemorações, nas datas mais significativas de suas vidas. Aniversários, casamentos, nascimentos, as festas natalinas e os  “réveillons”, as apresentações dos pequenos nos eventos escolares e suas brincadeiras inocentes, enfim , um registro marcante de uma evolução familiar, apontando três gerações:  os papais, os jovens,   as crianças e os amigos .
Com  tristeza e preocupação maior, pergunto-me se  essa aparente segurança não está sendo estupidamente roubada pelos tsunamis de nossos tempos sombrios e avassaladores, e penso no futuro dessa geração. Os tempos  apocalípticos parecem reafirmar as profecias da “Grande Tribulação”.  Estaremos próximos do julgamento definitivo?  O Deus da Justiça e da  Verdade não dorme;  as ofensas, os desrespeitos, as profanações frontais ao Seu nome, aos símbolos sagrados que O representam, os crimes  e as aberrações  praticados  contra  Suas leis e Seus mandamentos, em violações que  agora atingem  crianças inocentes, induzindo-as a práticas e violações escabrosas ,como o que vimos na última  parada gay realizada em S. Paulo,  não ficarão sem resposta.  Será isto o princípio do fim?  Até onde querem chegar esses infelizes, com suas imposições e exposições grotescas e inadequadas, cujas opções sexuais não constituem a regra ? Para onde vamo, nesse festival de asneiras, distorções e inversões?
 Não me cabe o julgamento de ninguém, porém  me pertence o direito e o  dever de protestar contra o erro, em nome da família brasileira, e condenar o que me parece um atentado afrontoso e intolerável à dignidade humana em seus aspectos fundamentais, aquilo mesmo que diz respeito à genética e à antropologia, desde que o mundo é mundo, sem falar  no aspecto elementar da estruturação da família como núcleo de formação dos cidadãos no convívio social.
  O que se evidenciou nessa Parada foi a prostituição, em manifestações realizadas à sombra de uma luta por direitos que promovem a promiscuidade, a distorção, o desvio  comportamental, o mau exemplo, a exibição sexual indecente e clamorosa, onde o que é certo passou a ser  errado, onde a baderna quer substituir a ordem , a segurança, a serenidade, e sobretudo como agravo maior, onde as ideologias nefastas querem desmontar os princípios básicos e fundamentais que norteiam as sociedades. Não admira que, em meio a tanto descalabro e banalização da sexualidade, o índice de violência atinja os limites do insuportável e a criminalidade sexual já tenha derivado para os estupros coletivos e recentes, como  no Piauí, onde quatro jovens, entre 15  e 17 anos foram atacadas e amarradas brutalmente, estupradas e  atiradas de um penhasco de 8 metros de altura, sendo que uma das vítimas morreu.  Essas ocorrências estão a exigir um repúdio coletivo clamoroso de toda a população brasileira, de todos os pais de família.  É urgente um cuidado maior em relação aos filhos, àquilo que se propaga nos meios de comunicação, através de programas e novelas irresponsáveis, e  redes eletrônicas a serviço  de uma contracultura nefasta e perniciosa .E isto que os defensores do “vale tudo” chamam de caretice seria apenas uma reação muito válida e necessária a uma realidade  insuportável e destrutiva.

E o que dizer da chamada ideologia de gênero que se pretende introduzir nos planos municipais de educação? Sabe o leitor do que se trata? Em poucas palavras e,  resumidamente, tentarei  explicar. O nome pomposo, criado pelo Forum Nacional de Educação, pressupõe o esvaziamento do conceito de homem e de mulher, masculino e feminino, menino e menina.  É tudo neutro e comum. A identidade sexual e de gênero, segundo os “luminares autores”, deve ser fruto de uma opção, de uma vontade subjetiva de cada pessoa. Ela é quem deve escolher o sexo a que deseja pertencer. E esta escolha, é preciso frisar,   deverá ser fruto de uma experiência sexual precoce e promiscua em vista da formação do próprio gênero. Os fundamentos antropológicos objetivos da sexualidade humana, a corporeidade em todas suas dimensões, a natureza  biológica do ser, nada disso  conta, e a autoridade dos pais se esfacela nos quesitos de moral e de sexualidade, já que todas as crianças estarão submetidas à influência dessa ideologia. Bonito, totalitário e acaciano conceito, não é mesmo?  E viva a confusão, a desordem, o dedo perverso  do autor da mentira - o diabo, “ o Hermógenes, o dronho desumano- nos cabelões da barba”( do genial Guimarães Rosa), cujo intento maior  é  bestializar  homens e mulheres, no propósito final de dinamitar o mundo!!!

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)