Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sábado, 28 de maio de 2016

Dona Maria I – o caso de Tiradentes

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado


Recordei, no meu último artigo, alguns traços muito sumários do reinado de D. Maria I, que reinou efetivamente de 1777 até 1792 e, depois de adoecer, permaneceu como rainha titular até falecer no Rio de Janeiro, em 1816. A memória dessa soberana foi recordada em lindíssima Missa, celebrada em São Paulo, no último dia 8 de abril, na Igreja de Nossa Senhora do Brasil.
Citei, nesse artigo, a obra clássica de Caetano Beirão, D. Maria I – Subsídios para a revisão da história do seu reinado (4ª. ed., Lisboa, 1944). É, como disse, obra solidíssima, baseada em documentação exaustiva. Transcrevo um parágrafo do capítulo em que o autor, após ter analisado minuciosamente todos os aspectos do reinado de D. Maria, resume quanto acabara de expor:
Era excecionalmente favorável, se não brilhante, a situação de Portugal, ao atingir seu termo [em 1792] o reinado efetivo de D. Maria I. Enquanto convulsões internas, ameaças de guerra, dificuldades econômicas e políticas flagelavam outros países, aqui, na pequena casa lusitana, a vida decorria suavemente, alegremente, como numa grande família, em que todos, desde o chefe ao último dos filhos, trabalhassem para o bem comum. País nenhum precisava menos do que o nosso dos solavancos perigosos duma revolução. Progredia-se em todos os ramos da atividade coletiva. Lançavam-se os fundamentos das grandes escolas modernas, empreendiam-se múltiplas viagens de exploração e de estudo aos nossos domínios ultramarinos e ao estrangeiro, procurava-se disseminar o ensino e levá-lo às classes humildes da sociedade, abriam-se estradas, melhorava-se o serviço dos correios, protegiam-se as indústrias nacionais, inauguravam-se fábricas, aperfeiçoavam-se os serviços hospitalares e, justamente no ano em que a Rainha deixou de governar dava-se começo às obras do teatro de S. Carlos, belo monumento a atestar o grau de cultura de uma época... A par destes progressos de vária ordem, procurava o governo de D. Maria I facilitar o viver das camadas populares, não se limitando a ir ao encontro das suas necessidades materiais, mas elevando-as e dignificando-as no campo propriamente social” (op. cit., pp. 399-400).
Cabe agora esclarecer um ponto, particularmente sensível no Brasil: o caso de Tiradentes.
D. Maria respeitava, sempre, a autonomia dos juízes, que deviam julgar de acordo com a legislação vigente. Essa era a obrigação deles. Não existia, na época, esse verdadeiro delírio de “ativismo judiciário” que existe hoje, até no STF, de julgadores pretenderem alterar e corrigir, a seu talante, o que está escrito de modo muito claro na lei.
O que a Rainha quase sempre fazia era, no caso de execuções capitais, exercer seu direito de suspender a aplicação das penas. Era o chamado “direito de graça”. A vida do condenado era salva, sendo-lhe aplicada a pena (geralmente de degredo) imediatamente seguinte, na ordem das penalidades previstas nas Ordenações Filipinas que continuavam em pleno vigor, em tudo quanto não haviam sido alteradas pela “legislação extravagante”. A pena de degredo era bastante branda, pois no local para o qual havia sido designado o degredado não ficava preso, mas vivia solto, podendo exercer livremente sua profissão. Só não podia afastar-se do local, durante o tempo do degredo. “Degredado em África” significava poder transitar livremente pelos imensos domínios da África Portuguesa”.
Era bem conhecido o costume da rainha. Preso condenado à morte era, quase sempre, indultado. No caso concreto da Inconfidência Mineira, a rainha, pouco informada das particularidades da administração colonial, preferiu se antecipar ao juízo e, antes mesmo de exarada a sentença, já fez saber aos julgadores qual era o seu desejo: que nem mesmo os chefes da conjura fossem mortos. Mas deixou o caso, como de praxe, a critério dos julgadores. Estes, influenciados pela manifestação da bondade de D. Maria, condenaram 11 réus à morte e já indultaram a 10; Tiradentes somente foi executado, por decisão dos julgadores, que diante da situação concreta do Brasil, julgaram indispensável que houvesse, para prevenir futuras sedições, pelo menos uma execução.
“Constituiu-se a alçada para os julgar, no Rio de Janeiro. Por acórdão de 18 de abril de 1792, onze dos conspiradores foram condenados a pena capital, Mas, com data de 15 de outubro de 1790, havia a bondosa Maria I expedido uma carta régia dirigida ao chanceler, juiz da alçada, na qual  se ordenava que aos próprios chefes da conjura a pena fosse reduzida a degredo, exceto quando tal se tornasse absolutamente impossível. Em face do que, só o Tiradentes padeceu morte na forca; os outros culpados foram degredados para África”. (op. cit., p. 352).

Costuma-se dizer, aqui, que Tiradentes foi executado “por ordem de D. Maria I”. A realidade é um pouco diferente. Ele foi executado “em nome da D. Maria I”, mas contrariamente à vontade e ao desejo dela.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz