Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sexta-feira, 17 de março de 2017

Somos todos Nhô Lica


Ivana Maria França de Negri

Quem já ouviu falar do Nhô Lica? Os mais antigos devem se recordar desse personagem pra lá de curioso, mas os mais jovens não têm ideia de como surgiu essa figura lendária e folclórica que viveu em Piracicaba.
O escritor e poeta, Francisco de Assis Ferraz de Mello, o nosso querido Chico Mello, por ter algum parentesco com Nhô Lica, escreveu um livro contando a vida desse homem incomum, que por um tempo morou com sua família. Seu nome de batismo era Felix do Amaral Mello Bonilha. Dizem que nasceu normal, e viveu normalmente até um raio cair sobre sua cabeça e ele ficar com um certo desequilíbrio mental. Passou para a história como o sonhador que garimpava pedras preciosas, que nada mais eram do que pedregulhos, mas se considerava o homem mais rico do mundo!
Quem de nós nunca colecionou “preciosidades” que só têm valor para nós mesmos? Minha irmã Fernanda coleciona canecas e objetos de gatinhos -  eu também tenho esse tipo de coleção, pois amo gatos. Minha amiga Carmen coleciona xícaras, de várias épocas e países, uma mais linda do que a outra.
Existem colecionadores das peças mais bizarras e inusitadas. Tem gente que coleciona selos, tampinhas de garrafas, latinhas, sacolas, bonecos, moedas, adesivos, ímãs de geladeira, enfim, tudo pode ser colecionado e isso acaba virando um hobby e às vezes, uma obsessão! Tem até quem colecione esposas ou maridos...
Pois bem, o Nhô Lica colecionava pedras preciosas. Só que eram pedregulhos comuns, que recolhia das ruas e da beira do rio, mas que para ele, eram valiosíssimos. E os levava ao banco para que o gerente os guardasse. E o gerente, com todo respeito, aceitava e depois, certamente, dava um fim. Ele costumava doar as pedras “preciosas” para a igreja também, achando que estava contribuindo com a paróquia. Dizem que o Monsenhor Rosa as guardava. Um dia essas pedras foram colocadas no alicerce da construção da catedral, como um tributo ao sonhador Nhô Lica que faleceu em 1954.
 Na lápide de seu túmulo, no cemitério da Saudade, está escrito: “Milionário de Ilusões”. Em seu livro, “O lendário Capitão Nhô Lica”, Chico Mello diz: “E assim o homem, que pela vida sonhou com brilhantes, após a morte repousa sob a maior de todas as suas pedras. E para sempre. E em paz. Foi construído por uma ação entre amigos. O grande milionário não teria dinheiro para adquirir uma só das pedras.”
Confesso que também tenho minhas preciosidades. Uma azeitona que colhi de  uma oliveira numa praça de Verona, um figo que veio da Turquia, que “roubei” de uma figueira de um sítio arqueológico, uma folha de plátano do Central Park de Nova Iorque, um raminho de lavanda de Gramado, uma pinha da Ilha da Madeira, uma amarula da África do Sul, conchinhas das praias que frequentei na infância, e por aí... As frutinhas se mumificaram, mas quando as pego, parece que adquirem vida, relembro onde as capturei, o local, sinto até os perfumes e emoções do momento!
Tenho uma pasta só com desenhos dos meus filhos quando crianças e os cartões que me ofertaram. Sei que essas coisas só têm valor para mim. Um dia quando eu não mais estiver por aqui, serão jogadas fora, pois ninguém vai imaginar que se tratam de preciosidades, de valor inestimável!
Por essas e outras é que afirmo, somos todos Nhô Lica, com nossos sonhos, nossas verdades, nosso mundo de quimeras, nossos tesouros,  e nossas pequenas (ou grandes) loucuras...

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz