Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

sábado, 14 de outubro de 2017

A professora de Janaúba*

Arte de Marcus Penna

Ivana Maria França de Negri

Neste dia dos professores, eu poderia homenagear dezenas deles. Os que foram meus mestres maravilhosos e deixaram marcas indeléveis. Os que foram professores dos meus filhos e lhes ensinaram lições além do currículo escolar,  para a vida toda. Os  professores tão queridos das minhas netas. E também minha mãe, que foi professora,  minha sogra, que se aposentou como professora e está prestes a completar 105 anos de vida. Todos merecem homenagens, carinho e gratidão.
Mas a professora que vou homenagear, nem conheci pessoalmente. Uma anônima funcionária da creche de uma cidadezinha da qual eu nunca tinha ouvido falar até então: Janaúba, em Minas Gerais. Seu nome: Heley de Abreu Batista,  43 anos, casada, três filhos. E o que ela fez de tão extraordinário? Simplesmente deu a própria vida para salvar seus pequenos alunos.
Um insano, que trabalhava de vigia na própria escola, chegou carregando um balde com álcool, e na mente doentia, o plano já premeditado para consumar o ato demoníaco. Trancou todas as portas e começou a jogar o combustível nas crianças e incendiá-las. A professora, mesmo franzina, reuniu forças para entrar em luta corporal com o demente para salvar suas crianças. Incansável,  com o corpo em chamas, não pensou nela, só queria livrar as crianças das labaredas e foi retirando, por uma janela, quantas pôde até que suas forças foram minando. Segundo funcionários, ela ia e voltava, em seu desespero para salvar todas e ao mesmo tempo conter o louco que insistia em incendiar tudo. Por fim, sucumbiu, com o corpo queimado em quase sua totalidade.
Sua mãe, à porta do hospital, em lágrimas, dizia que ela foi o anjo das crianças e que Deus iria salvá-la. Mas ninguém compreende os desígnios do alto e ela partiu com nove das suas crianças, cujos corpinhos também não aguentaram as queimaduras e acabaram falecendo.
Foram nove crianças mortas, mais a professora e o assassino. Os pequenos mártires de quatro e cinco aninhos, que tinham uma vida toda pela frente. A tragédia só não foi muito maior pela atuação dessa heroína.
No velório, uma amiga de Heley contava que desde criança ela gostava de brincar de escolinha e ser a professora. O marido, inconsolável, disse que a esposa deve ter agido por instinto materno, pois amava as crianças como se fossem seus filhos. Era muito querida, alegre e sorridente, mesmo tendo passado por duros golpes na vida, como a perda do filho mais velho, afogado numa piscina aos 4 anos.
Em tempos de idolatria a tantos ídolos falsos, jogadores de futebol, artistas, políticos, essa moça sim, deve ser admirada e lembrada como heroína.
Essa tragédia aconteceu perto do dia das crianças e dos professores. E deixa uma lição. Apesar de tanta gente de má índole, que rouba, mata, engana, estupra, ainda existem pessoas maravilhosas, verdadeiros anjos de luz, que dão a vida por outras vidas, e por causa dessas benditas almas iluminadas, a humanidade ainda deve manter esperanças. Nem tudo está perdido, pois tenho certeza de que no Brasil existem milhares de Heleys anônimas que, mesmo com o salário minguado de professor, fazem da profissão uma missão sagrada com muito altruísmo e dedicação.

Esteja em paz, professora guerreira, amorosa, iluminada, heroína da pequena Janaúba e exemplo para todo o Brasil.

*Texto publicado na Gazeta de Piracicaba 14/10/2017

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)