Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sábado, 14 de outubro de 2017

A professora de Janaúba*

Arte de Marcus Penna

Ivana Maria França de Negri

Neste dia dos professores, eu poderia homenagear dezenas deles. Os que foram meus mestres maravilhosos e deixaram marcas indeléveis. Os que foram professores dos meus filhos e lhes ensinaram lições além do currículo escolar,  para a vida toda. Os  professores tão queridos das minhas netas. E também minha mãe, que foi professora,  minha sogra, que se aposentou como professora e está prestes a completar 105 anos de vida. Todos merecem homenagens, carinho e gratidão.
Mas a professora que vou homenagear, nem conheci pessoalmente. Uma anônima funcionária da creche de uma cidadezinha da qual eu nunca tinha ouvido falar até então: Janaúba, em Minas Gerais. Seu nome: Heley de Abreu Batista,  43 anos, casada, três filhos. E o que ela fez de tão extraordinário? Simplesmente deu a própria vida para salvar seus pequenos alunos.
Um insano, que trabalhava de vigia na própria escola, chegou carregando um balde com álcool, e na mente doentia, o plano já premeditado para consumar o ato demoníaco. Trancou todas as portas e começou a jogar o combustível nas crianças e incendiá-las. A professora, mesmo franzina, reuniu forças para entrar em luta corporal com o demente para salvar suas crianças. Incansável,  com o corpo em chamas, não pensou nela, só queria livrar as crianças das labaredas e foi retirando, por uma janela, quantas pôde até que suas forças foram minando. Segundo funcionários, ela ia e voltava, em seu desespero para salvar todas e ao mesmo tempo conter o louco que insistia em incendiar tudo. Por fim, sucumbiu, com o corpo queimado em quase sua totalidade.
Sua mãe, à porta do hospital, em lágrimas, dizia que ela foi o anjo das crianças e que Deus iria salvá-la. Mas ninguém compreende os desígnios do alto e ela partiu com nove das suas crianças, cujos corpinhos também não aguentaram as queimaduras e acabaram falecendo.
Foram nove crianças mortas, mais a professora e o assassino. Os pequenos mártires de quatro e cinco aninhos, que tinham uma vida toda pela frente. A tragédia só não foi muito maior pela atuação dessa heroína.
No velório, uma amiga de Heley contava que desde criança ela gostava de brincar de escolinha e ser a professora. O marido, inconsolável, disse que a esposa deve ter agido por instinto materno, pois amava as crianças como se fossem seus filhos. Era muito querida, alegre e sorridente, mesmo tendo passado por duros golpes na vida, como a perda do filho mais velho, afogado numa piscina aos 4 anos.
Em tempos de idolatria a tantos ídolos falsos, jogadores de futebol, artistas, políticos, essa moça sim, deve ser admirada e lembrada como heroína.
Essa tragédia aconteceu perto do dia das crianças e dos professores. E deixa uma lição. Apesar de tanta gente de má índole, que rouba, mata, engana, estupra, ainda existem pessoas maravilhosas, verdadeiros anjos de luz, que dão a vida por outras vidas, e por causa dessas benditas almas iluminadas, a humanidade ainda deve manter esperanças. Nem tudo está perdido, pois tenho certeza de que no Brasil existem milhares de Heleys anônimas que, mesmo com o salário minguado de professor, fazem da profissão uma missão sagrada com muito altruísmo e dedicação.

Esteja em paz, professora guerreira, amorosa, iluminada, heroína da pequena Janaúba e exemplo para todo o Brasil.

*Texto publicado na Gazeta de Piracicaba 14/10/2017

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz