Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Andre Bueno Oliveira
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Edson Rontani Junior
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

sábado, 4 de novembro de 2017

Gramaticídio *


Ivana Maria França de Negri

            De quando em quando aparecem palavras não usuais que caem no gosto popular  e viram modismo. E são pronunciadas em todas as bocas, nas rodas de conversas, grupos, mídias e redes sociais, que acham o máximo usar esses neologismos.
 Algumas dessas palavras até constam nos dicionários, mas outras, sequer figuram neles. Muitas, já quase mortas, renascem com sentido diferente de seu significado original.
            Pois bem, a bola da vez agora é a palavra “desconstruir”. No Aurélio: causar destruição, desfazer, destruir, desfazer para voltar a construir. 
Eu, particularmente, acho horrível desconstruir alguma coisa. Construir sempre! A não ser que seja algo muito maléfico que deva ser extirpado pela raiz.
Assisti a uma entrevista na TV apresentando uma pseudo poeta que dizia que era preciso desconstruir a poesia clássica e todo seu aparato de regras, composições, rimas e formas fixas para dar espaço à poesia de rua, do povo, de versos sem compromisso algum com métricas e rimas. E a apresentadora aplaudia e vibrava!
Talvez elas não saibam, mas a poesia de versos livres, que não precisa seguir padrões, sempre existiu, assim como os poemas de forma fixa, com todas as suas rígidas normas. Não é preciso desconstruir um para exaltar o outro.
 E eu fiquei pensando com meus botões... Como “desconstruir” a maravilha que é um soneto? Ou uma trova bem feita, um rondó, uma balada de métrica perfeita? E as rimas ricas? Que orgulho quando conseguimos encaixar várias delas num mesmo poema! Se essa “desconstrução” ocorresse, como sugeriu a moça, seria uma tragédia, mais uma chacina nas artes.
Outra palavra pouco simpática que vemos em todas as mídias e utilizada erroneamente é “empoderamento”. Em certos contextos deveria ser substituída por emancipação, autonomia, pois poder, nos dicionários, é literalmente a faculdade de exercer a autoridade ou a posse de domínio, influência, através da força ou dinheiro. A sociologia define poder como a habilidade de impor a sua vontade sobre os outros, mesmo que eles resistam. Estão vendendo a ilusão de que todos devem “empoderar-se”, ganhar poder, e subentendido, subjugar outras pessoas.
O termo “feminicídio” também está sendo largamente empregado quando uma mulher é assassinada. Homicídio significa matar um ser humano, o Homo Sapiens. Mas desde que a presidenta (?) não querendo usar um termo que  achou machista,  inventou a pérola “Mulher Sapiens”, esses neologismos começaram a ser disseminados.
Nos discursos em solenidades de eventos culturais e sociais, a redundância  “boa noite a todos e a todas”, virou febre. Estão confundindo gênero gramatical com gênero sexual! Todos é um pronome indefinido genérico.
Concluímos que o que está ocorrendo, não é apenas o mau emprego  de neologismos e sim o gramaticídio, que nada mais é do que o assassinato da gramática da nossa última flor do Lácio,  inculta e bela...

*Texto publicado na Gazeta de Piracicaba

Comentário da escritora Myria Botelho na Gazeta de Piracicaba

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra (in memoriam)
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11- Luciano Martins Verdade-Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz de Arruda Pinto
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Lídia Varela Sendin - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior (in memoriam)
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Carmelina de Toledo Piza - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35- Elisabete Jurema Bortolin - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz