Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Andre Bueno Oliveira
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Edson Rontani Junior
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Resiliência



Ivana Maria França de Negri

            Resiliência é a capacidade de enfrentar as piores situações, lidar com elas, e adaptar-se às mudanças que se seguem. Resiliência é perseverança, superação, é o popular “levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima”.
            Ser otimista ajuda bastante, e manter acesa a chama da esperança é fundamental.
Resiliência é a habilidade de se manter sereno diante de uma situação estressante, ter autocontrole, não se desesperar. Falar sobre resiliência parece fácil, mas vivenciar é outra coisa.
            Lembro-me de um desenho animado onde os personagens principais eram um leão otimista e uma hiena pessimista e depressiva. Eram amigos, mas completamente opostos um do outro. Enquanto o leão via a beleza e sentia o perfume das flores, a hiena só enxergava os espinhos. A hiena vivia a dizer: “Eu sei que não vai dar certo... Oh, dia, oh, céus, oh, azar..., eu sei que não sairemos vivos daqui”...E o leão: “Calma, no final,  tudo vai dar certo!”
            Quando vemos certas pessoas passarem por traumas, tragédias, catástrofes, logo pensamos: “se fosse eu, não suportaria”. Só que quando um evento traumático acontece com a gente, não temos escolha: enfrentar ou sucumbir. E sempre optamos por lutar, enfrentar e tentar superar as dificuldades.
            Não é uma tarefa fácil. Numa guerra, por exemplo, vemos pessoas perdendo tudo: entes queridos, a casa, pertences, emprego, perdem até a dignidade, pois têm que esmolar, depender da ajuda dos outros. Muitos têm que recomeçar do zero.  E ter vontade e forças para recomeçar, depois de ver tudo o que alcançaram na vida desmoronar-se em segundos,  é ter resiliência!
            No famoso romance “E o vento levou”, que fez muito sucesso no cinema, a personagem principal, Scarlett O’Hara, interpretada pela bela atriz Vivien Leigh, era filha de um rico proprietário de terras, escravagista, que vivia suntuosamente, mas quando o Norte avança contra os sulistas com ideais de liberdade contra a escravidão, é que começa a história. E em meio à guerra civil que é deflagrada, Scarlett se apaixona platonicamente por Ashley, mas quem aparece em sua vida para ajudá-la realmente, é Rhett Butler.
            O filme é bastante longo, mostra dramas e conflitos intensos e como o curso da vida pode ser totalmente modificado em situações de guerra. Scarlett perde os pais, a casa, a riqueza, perde até a única filhinha que teve com Rhett, num acidente. De personalidade forte, mimada, egoísta e manipuladora, acaba ficando sozinha. Até o marido que a amava, não suportou conviver com ela. Na cena final, consegue administrar todas as emoções e resolve seguir em frente, mesmo sem nada e só. Pega um punhado de terra da fazenda Tara, outrora exuberante e luxuosa,  que pertenceu aos pais, lugar onde nasceu. No cenário, tudo seco, descampado, só escombros. Diz para si mesma: “eu vou sobreviver a tudo isso e nunca mais passarei fome!”
            É o momento crucial do filme, sob um céu alaranjado e com o fundo musical maravilhoso que todos conhecemos. A resiliência de uma mulher sofrida,  sobrevivente de uma longa guerra, que passou por todas as privações possíveis. Quando se joga ao chão, seu corpo se confunde com a terra de Tara. Inesquecível!
            E todos saíam das salas dos cinemas com olhos marejados e a certeza de que vale a pena ser resiliente e lutar pela vida. Sempre!

* Texto publicado na Gazeta de Piracicaba

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra (in memoriam)
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11- Luciano Martins Verdade-Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz de Arruda Pinto
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Lídia Varela Sendin - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior (in memoriam)
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Carmelina de Toledo Piza - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35- Elisabete Jurema Bortolin - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz