Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Andre Bueno Oliveira
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Edson Rontani Junior
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

terça-feira, 26 de março de 2019

QUAL SERÁ A IDADE IDEAL?



Elda Nympha Cobra Silveira

Falam tanto sobre idade que até chega a ser um tabu para certas mulheres, pelo menos.
Quando somos crianças não vemos a  hora de crescermos, para podermos usar as roupas de adultos, falar e viver como eles. Qual é a menina que não arrastou por todo lado da casa os sapatos altos da mãe, enormes para seus pezinhos e ainda  gostando de ouvir o barulho feito por eles? Quem não colocou xales, chapéus, roupas da mãe, batom e blusch brincando de desfile de modas, fazendo trejeitos, caras e bocas para a “ platéia”familiar e amiguinhos, ou então para galinhas, patos, vacas e cabras se o palco fosse uma chácara? Qual é a menina que não brincou de cirquinho, pelo menos naquela época ?
Os anos passam celeremente e a menina se transforma numa linda moça e quando ela se dá conta a sua juventude está fugindo dela.Nessa fase que parecia não chegar nunca começa lhe vir a angustia, pensando qual será seu futuro tanto profissional quanto amoroso.E começam a  pesar os anos alcançados quando ela chega aos trinta e ainda não se casou. Anos atrás as moças se preocupavam bem antes dessa idade, com medo de “ficar para titia.”
As mães começavam a providenciar o enxoval para suas filhas desde que ainda eram pequenas. O material de cama, mesa e banho eram confeccionados por eximias costureiras e bordadeiras e tudo era guardado num baú ou canastra especial para a noiva, se possível embrulhados e arrematados com fitas de cetim.
Muitas noivas levavam um tailleur escuro, próprio para sua nova vida de casada, compatível com seu novo estado civil,  pois daí para frente seria uma senhora.
Como vê ela já se assumia na posição de uma pessoa mais velha. Com a vinda dos filhos então ela vivia para o lar , seu marido e seus filhos e se realizava como a Rainha do lar.
Com quarenta ou cinquenta anos nem pensaria em ir a um cinema sozinha, sair a tarde com as amigas solteiras, a não ser para ir ao chá do Clube da Lady que estava se iniciando e era  no salão da parte de cima do Clube Coronel Barbosa.Também poderia ir a algum aniversário de amigas ou parentes ou levar seus filhos para algum aniversário de amiguinhos ou colegas de classe.
O relacionamento familiar era preponderante e vigente.Os filhos visitando seus pais no período da tarde no horário  escolar dos filhos, ou todos juntos sempre a noite na casa dos avós.
Nos domingos após a missa, todos se dirigiam à residência dos pais e avós para almoçarem e passarem o dia todos juntos, só voltando à noite para suas casas. Era mesmo uma curtição familiar.
Será que essa fase de idade não é a melhor? Mas e a luta do casal para ter estabilidade financeira, tempo para dar atenção aos filhos pequenos e com quem deixá-los para ir trabalhar? É uma fase desgastante para o casal consciente de seus deveres.
Mas chega um dia os filhos  também crescem e saem para estudar fora de sua cidade.Os pais se assombram pois não pensavam em ficar sozinhos tão cedo e eles percebem  quanto estiveram afastados um do outro na tarefa de criar seus filhos, delegando para um plano secundário aquele namoro que tiveram, aquela cumplicidade, o olho no olho, romance enfim..
A casa parece vazia sem eles, os filhos, que tanto preencheram ou até encheram demais em certas horas de preocupação constante.O casal então percebe que ainda têm muito a investir naquele casamento e naquele lar calmo e tranqüilo mas turbulento nos fins de semana com a chegada dos filhos,  porque  volta tudo a ficar como todos gostam.
Um dia seus filhos também se casam e saem de uma  vez para seu próprio ninho.
E os anos vão passando e chega-se a meia idade e depois a velhice
.Qual será a melhor época da vida? Infância ou juventude? Meia idade ou velhice?
Depende da valorização de cada pessoa.Quem viveu o Agora não se angustia com a nostalgia, nem com o medo do  futuro, porque cada hora é bem saboreada e bem vivida.
Se quisermos ser felizes, precisamos sempre construir pensamentos que nos agrade, precisamos saber conviver conosco porque nós somos nossas próprias companhias.Cultive só o melhor para si próprio, envolva-se em dar e receber amor.
O Ontem já passou o Amanhã ainda não chegou vamos viver o Agora.


Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra (in memoriam)
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11- Luciano Martins Verdade-Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz de Arruda Pinto
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Lídia Varela Sendin - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior (in memoriam)
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Carmelina de Toledo Piza - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35- Elisabete Jurema Bortolin - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz