Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Andre Bueno Oliveira
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Edson Rontani Junior
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Wabi-sabi


Ivana Maria França de Negri

            Minha gatinha Fiona, numa de suas estripulias, derrubou e quebrou um vaso que era de minha mãe. Claro que não fiquei brava com ela, afinal, gatos são como crianças, adoram brincar, e acabam fazendo suas “artes” sem querer, inocentemente.
            Pois bem, esse vaso, bem antigo, em forma de ânfora, é azul com nervuras douradas, creio que pintado à mão. O que fazer?...
            Ouço as pessoas dizerem : “quebrou, joga fora”! Mas é um vaso tão lindo! Não existem mais peças trabalhadas como essa. Lembrei que minha irmã comentou certa vez sobre a visão dos japoneses acerca de coisas quebradas, lascadas ou trincadas. Eles aceitam esses objetos como portadores de uma beleza ímpar, apesar das imperfeições adquiridas. Representam a vida e sua transitoriedade. Guardam marcas, como nós e nossas rugas, manchas e cicatrizes que acumulamos ao longo da vida.
            Essas cicatrizes fazem parte de nossa história e esses objetos, contam histórias também! Um dia minhas netas contarão sobre o vaso quebrado e colado que era da bisavó e foi derrubado por aquela gatinha rajada e arteira da vovó.
            O músico canadense Leonard Cohen frequentou por muito tempo um retiro budista. Por essa influência, a letra de uma de suas músicas diz que em tudo há fissuras e é por elas que entra a luz. Então, objetos trincados são iluminados!
            Sabendo dessas coisas, não joguei o vaso fora e resolvi restaurar, um trabalho um tanto difícil porque algumas lasquinhas se perderam. Colei o que deu e preenchi com massa os espaços. Fiz o acabamento com verniz azul o mais próximo possível da tonalidade original e refiz as nervuras com tinta dourada e pincel fino.
            Pronto! Não ficou perfeito, mas esse vaso tem mais uma história familiar para contar, já que abrigou flores diversas em ocasiões festivas, pois era comum as moças receberem ramalhetes de flores. Quantas flores eu e minhas irmãs recebemos e foram colocadas naquele vaso pelas mãos habilidosas de minha mãe.
            Esse conceito japonês chama-se Wabi-sabi e sua essência está também na Ikebana, no Jardim Zen, no Bonsai, nas cerâmicas e na cerimônia do chá. Uma mesa de madeira maciça, que foi utilizada por várias gerações, tem talhos, lascas, marcas e fica mais bela quanto mais usada for. Torna-se uma mesa venerável, com muita história.
            Quando eles restauram um objeto quebrado, enaltecem a área danificada preenchendo as fissuras com pó de ouro, assim fica mais bonito e mais resistente do que era antes. Dão nome de Kintsugi a essa arte que simboliza o poder de dar a volta por cima.
            O tempo provoca desgastes em tudo, comprovando a brevidade da vida. Essa arte de restaurar e enaltecer as imperfeições, é uma metáfora da importância de resistir frente às adversidades. Não somos perfeitos e nem infalíveis.
            Em tempos de descartáveis, e de pessoas que só almejam corpos perfeitos, poder, riqueza e sucesso - o que acaba levando à depressão e até ao suicídio - um simples vaso quebrado pode trazer muitas lições, afinal somos vulneráveis, quebramos e somos colados centenas de vezes ao longo da vida.
            Obrigada gatinha, por me induzir à reflexão...








2 comentários:

sylvia oliver disse...

Nossa, Ivana, gostei de saber do wabi-sabi, da reflexão a partir do vaso quebrado sob a ótica desse conceito. E os animais, sempre nos ajudando, q oportuno ! Tivemos o gato Guga de meu sobrinho passando férias em casa, derrubou quebrando um vaso lindo, presente de bodas de ouro de meus pais.

sylvia oliver disse...

Nossa, Ivana, gostei de saber do wabi-sabi, da reflexão a partir do vaso quebrado sob a ótica desse conceito. E os animais, sempre nos ajudando, q oportuno ! Tivemos o gato Guga de meu sobrinho passando férias em casa, derrubou quebrando um vaso lindo, presente de bodas de ouro de meus pais.

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra (in memoriam)
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11- Luciano Martins Verdade-Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz de Arruda Pinto
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Lídia Varela Sendin - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior (in memoriam)
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Carmelina de Toledo Piza - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35- Elisabete Jurema Bortolin - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz