Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Colaboração da Acadêmica Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira no 2 Patrono: Jaçanã Althair Pereira Guerrini

A Piracicaba que Prudente conheceu (1860-1902)

Piracicaba (Vila da Constituição), que Prudente José de Moraes Barros escolheu para advogar, construir a carreira política e a vida familiar, no início da década dos anos sessenta, ainda ostentava vestígios coloniais e costumes arcaicos. Nas bicas ajuntavam-se os excluídos da sociedade de ordens: mulatas quituteiras, negras picando fumo, moleques de ganho, escravos aguadeiros, caboclas la¬vadeiras, homens a jornal.
As áreas públicas mais conhecidas ficavam no Pátio da Forca, transformado em Largo de Santa Cruz; no Pátio de Santo Antônio, centro da cidade; no Largo da Matriz, repleto de animais pastando; no Largo de São Benedito, ponto de concentração de escravos e onde eram montados os circos. A atividade econômica aparecia nas casinhas (o primeiro mercado, junto ao Teatro) e nas vendas de secos e molhados, armarinhos, botequins, situados na rua de Santo Antônio (Comércio, depois Governador), na rua Direita ou do Picadão de Mato Grosso ou do Sem Fim (Moraes Barros). O casa¬rio barroco aparecia nas ruas da Quitanda (XV de Novembro), dos Ourives (Rangel Pestana), da Glória (Benjamin Constant), de Santo Antônio, da Boa Vista (Alferes José Caetano) e das Flores (13 de Maio). Quebrando a monotonia da Vila, apenas o vaivém das tropas, dos carros de bois e dos cavaleiros.
Na década dos anos setenta, Piracicaba ampliava os seus es¬paços socioculturais, adequando-se aos tempos e ao adensamento demográfico. A economia baseava-se no café e na cana, nos engenhos e nos alambiques, nos gêneros alimentícios e na pecuária. As ruas da Praia (ou do Porto) e do Sabão (Cap. Antônio Corrêa Barbosa), permaneciam ligadas às atividades do rio e do sertão, dotadas 106 Revista da Academia Piracicabana de Letras
de rica comunidade folclórica. O progresso se materializava na te¬celagem Santa Francisca, de Luiz Vicente de Souza Queiroz (1874), no Gabinete de Leitura (1876), na Ferrovia Ytuana (1877), no Colégio Piracicabano (1881), na Gazeta de Piracicaba (1882), no Serviço D’Água (1887), na Praça do Mercado (1888), conquanto rondassem as febres, as bexigas e a lepra. Os espaços políticos partilhavam-se pelas grandes famílias do Oeste, os Souza Queiroz, os Moraes Bar¬ros, os Arruda Botelho e os Ferraz. Em 1885, a população do município era de 22.150 habitantes. Em 1887, contava na área urbana com 7.000 habitantes e 1.600 casas de morada, havendo 5.000 escra¬vos matriculados na Coletoria.
Nas duas últimas décadas da Monarquia, Piracicaba agitara-se pela competição das elites, monarquistas e republicanos - estes construindo um novo poder no Oeste Paulista - e pela tensão gera¬da em torno da organização do mercado livre de trabalho, havendo por chegar ao 13 de Maio com significativa reserva de mão-de-obra escrava. A República veio em complemento às transformações estruturais. Foi durante a primeira década republicana que Piracicaba adquiriu grande prestígio no Oeste Paulista, em virtude do seu progresso e da grande presença da Educação ministrada nas escolas públicas e confessionais. O café e a cana continuavam as suas principais riquezas, além da tecelagem Arethusina e dos dois Engenhos Centrais, das oficinas, das fábricas de produtos alimentícios e de bebidas, do comércio, da iluminação por energia elétrica (1893).
Em 1890, a cidade possuía 2.252 edifícios e 14.000 habitantes urbanos, assistindo à virada do século convulsionada pela construção da rede de esgotos de que dependia o saneamento. Em 1900, ti-nha a oferecer a primeira turma de professores formados pela Escola Normal e no ano seguinte (2° semestre de 1901), a primeira turma de alunos da Escola Agrícola Prática “Luiz de Queiroz”. Não obstante, ressentia-se do isolamento no Oeste Paulista, ao qual tinha acesso pela Ferrovia Ytuana.
A planta de 1901 apontava os rumos da urbanização futura. A Leste, seguia os contornos do Itapeva e da ferrovia, detendo-se nos bairros Alto e dos Alemães, junto às chácaras, entre a rua de Santa Cruz e a Fazenda São João da Montanha. A Oeste, chegava ao bairro da Boa Morte, sucedendo-se as chácaras Nazaré e Morato, as estradas que conduziam a Tietê, bairro do Enxofre e Ferrovia Ytuana, que liga a Itu, Jundiaí e São Paulo. A Sul, parava no Parque dos cemitérios (católico e protestante), no Hospital de Lázaros e no reservatório de água. A Norte e Nordeste, atingia o rio Piracicaba, no bairro do Porto, e o atravessava, junto às terras do Barão de Rezende, em seu loteamento; buscava a estrada do Areão, hoje avenida Rui Barbosa, nascente o bairro de Vila Rezende, de onde partiam três estradas, a de Rio Claro e Limeira, a do Meio e a de São Pedro. Oferecia um perímetro urbano contornável, a pé, compreendendo-se porque os habitantes conheciam-se pelos nomes próprios e apelidos.
Piracicaba adentrou o século XX como cidade paisagística e romântica, dadas as suas belezas naturais, culta e civilizada, em razão da sua escolaridade e saneamento, fazendo jus às observações dos viajantes mais ilustres. Conserva até hoje o pitoresco do seu visual ribeirinho, das praças arborizadas e a hospitalidade das antigas cidades paulistas.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz