Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Colaboração do Acadêmico Erasmo Prestes de Souza - cadeira no 1 - Patrono: João Chiarini


Quatro perguntas clássicas

Sempre o homem interrogou, buscando respostas às suas grandes perguntas, as quais podem ser reduzidas às quatro clássi¬cas:
QUEM SOU? - um homem ou um animal?
ONDE ESTOU? - é este o único mundo habitado?
DE ONDE VIM? - é a pergunta do advento; como surgiu o homem?
PARA ONDE VOU? - é o problema máximo de todas as épocas: o problema da morte.
Deus é o criador do homem e este é um cidadão de dois mundos: finito, recebe o corpo; e infinito, recebe a alma.
Eis algumas teorias a respeito do homem: para Comte, Epicuro e Spencer “as ideias são sinais de impulsos que o homem é, um animal que cria idiomas; um animal que cria instrumentos para as atividades econômicas; um animal cerebral, porque o homem comparado com os outros animais, consome maior soma de energias no trabalho do cérebro”. Outros ainda atualizam os instintos de reprodução, de poder e a intuição; temos então a concepção econômica na história, procurando explicar os fatos humanos como causados pelo fator econômico, tornando o homem tão somente um produto da natureza. Por seu turno, os racistas valorizam o homem, pelos choques de raças. Dentro desta concepção temos então, o “poder” de Maquiavel, a “vontade” de potência de Krause, Adler e outros. Há os que afirmam que o homem é um desertor da vida. Para esta teoria, o homem é um ser pretensioso, que pensa porque não pode e não sabe para onde ir; e escolhe, racionalmente, porque não sabe agir instintivamente. É astuto, mas fraco e débil fisiologicamente.
O homem é, então, perante a história, apenas um efeito ou uma causa? Em outras palavras: ou somos um produto da história ou a história é um produto do homem; ou somos determinados ou os determinamos, ou ainda, o homem é dirigido para a história ou o homem a dirige.
Qualquer das duas concepções, pelo seu unilateralismo, é abstratista.
Não é possível formar o homem sem ter uma idéia da sua natureza e de seu destino. Não é possível prepará-lo para a vida sem conhecer as razões supremas do viver. Resolver o problema do homem; dar um ideal à vida, à beleza de sua perfeição e à grandeza de suas responsabilidades, que outra coisa é se não entrar em cheio na solução religiosa da existência humana?
Quem sou? - Sou um eleito de Deus, “...criado à sua imagem e semelhança”(1).
Onde estou? - No mundo, para servir aos propósitos de Deus, amá-lO e gozá-lO para sempre. “Porque assim diz o Senhor, que tem criado os céus, o Deus que formou a terra: Ele a estabeleceu, não a criou vazia, a formou para que fosse habitada”(2).
De onde vim? - O meu corpo veio do barro, feito poder de Deus. “E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, na banda do oriente; e pôs ali o homem, que tinha formado...”(3).
Para onde vou? - Para Deus, que me elegeu. A árvore da vida, que Adão perdeu com a transgressão(4) será restaurada por Cristo. O acesso a essa árvore, constitui uma promessa feita aos vencedores(5). O dar ela doze frutos(6), sendo uma nova espécie cada mês, sugere uma razão porque, na nova terra, toda carne estará perante Deus para adorá-lO, como está escrito em Isaías -(7).
O mundo está aí a exigir uma resposta às quatro perguntas clássicas.
E qual tem sido a sua resposta?
1 Gn 1.26
2 Is 45.18
3 Gn 2.8
4 Gn 2.9
5 Ap 2.7
6 Ap 22.2
7 Is 66.22,2359

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)