Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Colaboração do Acadêmico João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira no 34 -Patrono: Adriano Nogueira


Prefácio a um poema


Parece estranho pretender-se prefaciar um Poema, principalmente quando se sabe que a Poesia é completa em si mesma, a dispensar qualquer outra espécie de manifestação que se intente fazer, ainda que à guisa de explicação.
A Poesia é, na verdade, o suprassumo da Arte Literária, visto ter o poder de condensar, através da síntese e da metáfora, todo o pensamento que move a sua construção, culminando por materializar no Poema não só o pensamento de seu criador, mas também sua visão de mundo e, principalmente, a inquietação de seu espírito, que parece ser a marca registrada do artista.
A Poesia de verdade quer a palavra certa e insubstituível, colocada na exata dimensão do pensamento criador, capaz de plantar a força e o colorido da imagem na seara fértil do compasso dos Versos. Não descreve a imagem, nem o pensamento, nem a intenção: trá-los prontos e vigorosos, envolvidos na musicalidade imperceptível da Estrofe.
Por isso a Poesia fala ao espírito de forma tão marcante e duradoura, justamente por conter na síntese da imagem e no encanto cadenciado do Verso, todo o universo da alma do artista, sempre encharcada de Sentimento.
Por isso deixa sempre vestígios no espírito dos que apenas a leem, e mais ainda no daqueles que procuram entendê-la. Por isso pode moldar caracteres. Por isso pode transformar universos. Por isso a Poesia não pode ser, sempre e, apenas, diletante. Impõe-se-lhe o compromisso e o envolvimento.
Há de ser universal, como universal é aquela inquietação que assola, diuturnamente, a alma do Poeta, que tem escancaradas as ja¬84 Revista da Academia Piracicabana de Letras
nelas de sua alma, como que para absorver não só a beleza do amor, das cores, dos sons, das alegrias da vida, transformando-os em cantos sublimes, mas também, e principalmente, para sentir as dores imensas e tantas do mundo e das coisas, as angústias das injustiças e os pesares da morte, e transformá-los em sentidas elegias, em gritos de guerra ou hinos de esperança.
Tal é o destino do Poeta. Tal é o ideal da Poesia. Por isso impende que o Poema seja, também
POEMA

I

Mais que um canto de doçura
É preciso que a poesia
seja o látego implacável
vergastando a hipocrisia
Mais que murmúrio suave
lembrando amores doridos
Melhor que a poesia seja
o hino dos excluídos
Mais que frases leves, soltas
em metáforas douradas
seja a poesia o retrato
das misérias disfarçadas
É preciso que a poesia
Seja nas ruas forjada
Que venha da massa informe
Eternamente enganada

II

É muito mais! É preciso
Seja a poesia a fornalha
onde possam consumir-se
o vil, o infame, o canalha
Onde caibam de mãos dadas
os traidores da raça
esses borrões que nodoam
a tela nobre da massa
Onde calcinem ao fogo
os mercadores do vício
os que corrompem valores
militando em torpe ofício
O mentiroso, o hipócrita
sejam também atirados
na mesma lava em que ardem
políticos alugados
Corruptores, corruptos
que se vendem a granel
sejam vertidos às chamas
purificando o labéu
Os que fazem de seus cargos
balcão p’ra vender favores
transformando esta nação
num circo enorme de horrores
Os que fazem do poder
um lupanar de desgraças
fabricando miseráveis
abandonados nas praças
Os que toldam seus mandatos
com o véu da impunidade
e barganham sua honra
pelos brilhos da vaidade
Para esses celerados
Estadistas de brinquedo
seja a poesia a vergasta
nas mãos do povo sem medo

III

Cada verso seja o raio
e o estridor da tempestade
sobre as cabeças caindo
o crime e a infâmia punindo
na fornalha da verdade
Cada estrofe seja a lança
nas mãos do poeta enristada
trazendo na aguda ponta
a dura e feroz afronta
ao perverso destinada
Cada rima leve ao torpe
angústia, remorso e dor
curvando-lhe a fronte impura
ao peso atroz da censura
da turba irada ao furor
Cada poema semeie
o joio da maldição
sobre o trigal das vaidades
onde medram nulidades
enterrando uma nação

IV

Que a poesia seja a espada
e a lava, e o fogo e o cinzel
moldando num tempo novo
nova história para um povo
novo mundo e novo céu.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz