Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Aprendendo com o Voinho - Geraldo Victorino de França - Cadeira 27

Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
(verbetes extraídos do livro Aprendendo com o Voinho volume 3)

CONHECENDO OS DRAGÕES
Os dragões são monstros fabulosos, presentes em várias mitologias, geralmente maléficos, concebidos como um grande lagarto ou serpente, alado,que lança fogo pela boca. A palavra dragão é originária do grego " drakón ", usado para definir grandes serpentes.
A variedade de dragões descritos em lendas e mitos é enorme, abrangendo criaturas bem diversificadas, podendo ser fontes sobrenaturais de sabedoria e força, como na China, ou simplesmente feras destruidoras, como na maioria das mitologias.
No Egito antigo, os dragões geralmente eram associados com serpentes e relacionados com a ideia do mal. Na Mesopotâmia também havia essa associação de dragões com o mal e o caos. Na Grécia e em Roma, embora fosse mais comum a idéia de dragão maléfico, por vezes tinham poderes benéficos. Na cultura cristã , o dragão tornou-se um símbolo do pecado e do paganismo. Os dragões dos mitos pagãos do Oriente tomaram novas formas nas lendas das vitórias de São Miguel e São Jorge sobre dragões. Aliás, o extermínio desses monstros é o feito maior de muitos heróis, como Perseu.


CONHECENDO O MITO DE CLEÓPATRA
Cleópatra foi a última rainha do antigo Egito. Subiu ao trono aos 17 anos, juntamente com seu irmão Ptolomeu XIII, com quem, segundo o costume egípcio, deveria se casar. Alguns anos mais tarde, privada de qualquer autoridade real, exilou-se na Síria, de onde começou a se preparar para reaver seus direitos pela força das armas. Nesta altura, Júlio Cesar, que seguira Pompeu até o Egito, foi seduzido pelos encantos de Cleópatra, lutando a seu favor na guerra civil que se seguiu. Ptolomeu foi derrotado e morto , sendo Cleópatra reconduzida ao trono, com seu irmão menor, Ptolomeu XIV, então com 11 anos de idade. Não houve relacionamento sexual nesse casamento.
Três anos mais tarde, quando Ptolomeu reclamou sua parcela de autoridade, foi envenenado por sua irmã, que levou ao trono Cesarion, filho de seus amores com Cesar. Dizem que Cleópatra testava a eficiência de seus venenos dando-os aos seus escravos.
Cleópatra viajou para Roma, onde foi recebida por Cesar, com quem viveu até o assassinato dele. Decidiu então voltar para o Egito, tornando-se amante de Marco Antonio, de quem recebeu vastos territórios, como a Judéia e a Arábia. Sua ligação com Marco Antonio e as doações que recebeu a tornaram impopular em Roma, do que se aproveitou Otávio para declarar guerra contra ela. A esquadra egípcia foi destroçada e Cleópatra fugiu para Alexandria, onde Otávio foi encontrá-la. Por proposta de Otávio, aceitou assassinar Antonio e convidou-o a com ela se encontrar em um mausoléu, para que pudessem morrer juntos. Marco Antonio suicidou-se na errônea suposição de que Cleópatra faria o mesmo, o que não aconteceu.
Otávio resistiu às seduções de Cleópatra, que então se matou fazendo-se picar por uma víbora, evitando assim o vexame de entrar em Roma como prisioneira de Otávio. Com ela findou a dinastia dos Ptolomeus e o Egito passou a ser província romana.
Cleópatra era considerada especialista na arte do amor. Teve seu primeiro amante aos 12 anos. Dizem que chegou a levar 100 homens para a cama em uma única noite.


CONHECENDO A LENDA DO UNICÓRNIO
O unicórnio é uma criatura do folclore medieval. É descrito como um cavalo branco com barba de bode e um chifre no meio da testa, capaz de feitos mágicos. O chifre é dourado ou prateado e espiralado.
Supõe-se que a lenda do unicórnio tenha se originado dos primeiros relatos a respeito do rinoceronte. Eles foram mencionados pela primeira vez em 400 a. C. pelo grego Cresias, que afirmou que esses seres com um chifre na testa viviam na Índia e possuíam atributos mágicos.
Há duas lendas medievais sobre o unicórnio. Uma delas diz que seu chifre possui poderes mágicos, Conta-se que certa vez os animais de uma floresta reuniram-se ao redor de um lago que estava envenenado e não conseguiam beber daquela água. Então apareceu o unicórnio, tocou a água com o seu chifre mágico e a água tornou-se potável novamente.
Outra lenda conta que somente uma virgem seria capaz de montar um unicórnio, tamanha era a sua pureza.

CONHECENDO A HISTÓRIA DE CONFÚCIO
Confúcio é um personagem da mitologia chinesa, considerado o fundador do Confucionismo. Foi um dos grandes mestres do Oriente, conhecido como Mestre Supremo. Seu nome é a latinização de três palavras chinesas: Kung Fu-Tzu ( mestre Kong ).
Nasceu numa pequena cidade no estado de Lu, hoje Shantung. Esse estado é chamado " terra santa " pelos chineses. Seu pai, Shu-Liang Ho, magistrado e guerreiro de certa fama, tinha 70 anos quando casou com a mãe de Confúcio, uma jovem de 15 anos chamada Yen Chang Tsai. Dos 11 filhos, Cofúcio era o mais novo. Seu pai morreu quando ele tinha 3 anos de idade, o que o obrigou a trabalhar desde muito jovem para ajudar no sustento da família.
Aos 15 anos, Confúcio resolveu dedicar-se à busca do aprendizado. Aos 19 anos casou-se com uma jovem chamada Chi-Kuan, mas se divorciou alguns anos depois. Aos 22 anos começou a ensinar, segundo dizia, a maneira de viver com sabedoria e ser feliz.
Não criou nenhum sistema filosófico. O conceito fundamental da ética confuciana é " jen ", que se tem traduzido por benevolência, humanidade, bondade, amor, etc. Por isso, seus ensinamentos parecem os de um chefe religioso.
Os discursos e ensinamentos de Confúcio foram compilados após sua morte e compõem o Analetos, um dos 11 textos clássicos do Confucionismo.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz