Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

sábado, 23 de julho de 2011

Desobstrução arterial

 Antonio Carlos Neder
Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra


Muitas vezes nossas artérias lembram canos velhos de metal, que enferrujam com o tempo e acumulam resíduos até entupirem por completo. Por analogia é mais ou menos o que ocorre nas doenças que danificam os vasos sanguíneos.
A arteriosclerose é associada a dezessete milhões de morte no mundo por ano. Marcada pela formação de placas de gordura que impedem a passagem do sangue, a arteriosclerose em geral é fatal, quando afeta as artérias do coração, ou do cérebro, órgãos que resistem apenas poucos minutos sem oxigênio.
Parece paradoxal, mas pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul descobriram que um tipo de hormônio produzido pelo organismo, com estrutura similar à das gorduras, as prostaglandinas, que pode auxiliar no tratamento e até na prevenção do problema.
Utilizando-se prostaglandinas, a equipe do bioquímico Paulo Ivo Homem de Bittencourt Júnior produziu um composto que, em experimento com camundongos, mostrou-se capaz de dissolver placas de gordura que acumulam nas artérias − os ateromas, como dizem os médicos. Essa formulação, que recebeu o nome provisório de Lipocardium, também impediu a formação de placas, consequência do consumo de alimentos gordurosos, do tabagismo e do sedentarismo.
Caso se demonstre a segurança e eficácia desse composto, nos futuros testes com coelhos, cães e seres humanos, é possível que em até dez anos chegue às farmácias um medicamento novo para evitar a formação de placas que impedem a circulação normal do sangue.
Fabricadas em pequenas quantidades no interior das células, as prostaglandinas formam uma vasta família de moléculas pequenas – cada uma delas com ações distintas nas diferentes partes do corpo, que vão desde o controle da pressão arterial até a ativação do centro cerebral da dor.
Como resultado, os lipossomos mergulhados no sangue se enroscam nas moléculas de adesão ao passarem pelo ferimento e, como o cavalo recheado de guerreiros que os gregos ofertaram aos troianos, são absorvidos pelas células avariadas. Assim, as prostaglandinas atuam apenas no ponto desejado sem gerar efeitos indesejáveis. Eis a principal diferença entre o composto desenvolvido pelos pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e os outros medicamentos usados no combate à arteriosclerose − as estatinas, por exemplo, que atuam de outra forma e reduzem o risco da arteriosclerose porque inibem a produção de colesterol, em especial no fígado. “Além de usado para tratar a arteriosclerose, o composto à base de prostaglandina talvez possa prevenir a formação de ateromas nos casos em que há histórico familiar de colesterol alto” – diz Homem de Bittencourt, que já obteve o registro da patente da nova formulação no INPI – Instituto Nacional de Patentes Industriais.
Enquanto essa nova medicação não entra no mercado, devemos nos resguardar, visitando periodicamente o consultório médico e, por certo, sairemos de lá com pedidos de exame-controle, visando o colesterol, a glicemia, os trigliceres, além do hemograma completo.
Para completar esses cuidados, haverá sempre, independente dos resultados dos exames laboratoriais, atenção especial com a alimentação gordurosa, tabagismo, alcoolismo, dieta de sal e açúcar, além de evitarmos o estresse e o sedentarismo.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)