Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Ivana Maria França de Negri
Segundo Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

A LUZ

Carlos Morais Júnior Cadeira n° 18 - Patrona: Madalena Salatti de Almeida
Saber enxergar a luz quando a escuridão toma conta de todo o redor, eis o que se precisa. Saber ver as coisas, não como elas são, mas como elas realmente são, eis o que se precisa. E a luz que se enxerga, não deve ser a mesma luz que aparece. Deve ser, sim. uma luz que vem de dentro, e da qual o brilho aquece, torna tudo o que era frio mais quente, tudo o que era desesperança em esperança; e tudo o que era descrença em fé.
É essa a luz que deve ser vista... Mas como? Cada pessoa a verá com a força que tiver em seu coração. Verá diferentemente, porque é diferente a maneira de sentir. Mas todos a verão como uma pequena coisa que brilha, lá na curva do horizonte. Quase se apagando, quase se apagando, quase se apagando... Saber enxergar. Poder ver a luz que os outros não conseguem ver, poder sentir-lhe o calor, quando os outros estão esfregando as mãos para se aquecer no meio do rígido inverno, eis o que se precisa...
Mesmo porque a luz está em todas as partes, mas bri¬lha somente àqueles que tem os olhos próprios para enxergá-la, àqueles que tem o coração propício para re¬cebê-la. Que luz é esta? Que re¬presenta? E por que brilha? Essas perguntas quem pode responder? Talvez, com mais propriedade, aqueles que já tiveram a oportunidade de ver a luz, pairando sobre o horizonte, dentro do seu próprio quarto, no es¬pelho do banheiro ou mesmo numa madrugada bem fria. Estes poderão dizer que a aparição fê-los felizes! E o sentimento que a luz tem o poder de transmitir é a feli¬cidade...
Sou louco? Devo ser... Mas não quero morrer an¬tes de enxergar a luz. Essa luz que todos dizem ter visto, mas que é tão difícil de descobrir no meio da treva. Não quero morrer an¬tes de dizer que eu sou um daqueles que tem os olhos preparados e o co¬ração aberto, antes de dizer que eu tive o poder de ver a luz... Não querer morrer sem enxergar a luz, eis o que é preciso. Não fechar os olhos sem ver esse sinaleiro, que no meio do oceano pisca in¬termitente, como um farol que indica o caminho que deve ser seguido.
E como nos parece pe¬quena, um foco luminoso no meio do oceano! Mas, as¬sim mesmo, vamos! Assim mesmo vamos ao encalço dela. Sabemos que o tur¬bilhão das ondas fará com que ela se afaste de nós. Mas temos denodo, temos força para chegar mais perto, cada vez mais perto.
Neste ponto, gritamos pragas ao vento, quando vemos que ela se afasta de novo. E quantas vezes não peguei o leme, e gritei pragas para o vento esperando que o espírito dos temporais fizes¬se a luz chegar mais perto, mais perto, mais perto... Brincamos de pegador com ela. Quando nos chega¬mos ela se afasta, quando nos afastamos ela se achega... E a vida passa para nós, nessa brincadeira in¬cessante. E somos meninos da vida, porque ela se apre¬senta para nós, também co-mo criança.
E como criança, a vida toma de nós, todas as vezes, aquilo que, como crianças que também somos, ardente¬mente desejamos! A vida nos toma a luz que parece estar, ao mesmo tempo, tão perto de nossas mãos, e tão longe delas... Sou louco? Devo ser... Mas não quero morrer an¬tes de pegar a luz...

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)