Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

sábado, 21 de janeiro de 2012

Entrevista no site Cultural Diário do Engenho por Alexandre Bragion - Ivana Negri em Prosa e Verso


entrevista concedida para o


Premiada em diversos concursos literários nacionais, a escritora Ivana Negri é uma árdua defensora dos animais. Dedicada também à literatura voltada às crianças, Ivana preocupa-se com a formação do leitor piracicabano - sendo uma incasável colaboradora dos jornais impressos locais.

Solícita, a escritora gentilmente conversou com o Diário do Engenho - batendo um bapo delicioso, que você confere agora. Com vocês, a escritora piracicabana Ivana Negri!

[D.E]: Olá, Ivana! Em primeiro lugar, quero agradecer a você – em nome do Diário do Engenho – pela gentileza em bater este papo com a gente. Obrigado! Como você é uma colaboradora do nosso site, então começo perguntando se você tem o costume de ler jornais na internet. O que você acha desse universo multimídia?

Acho apaixonante esse leque de opções que a internet nos oferece. Muitas notícias que são sonegadas aos leitores do jornal impresso, são exploradas na mídia virtual. Blogs, sites, redes sociais, jornais virtuais, são a imprensa livre que não gasta papel. Talvez num futuro nem tão distante, o jornal impresso seja extinto. Nem teremos tantas florestas para derrubar a fim de transformá-las em papel.

[D.E]: Você colabora também com os jornais impressos de nossa cidade. Há quanto tempo você escreve para esses jornais? Já faz um bom tempo, não é? Que frutos você já colheu dessa experiência?

Sou colaboradora de vários jornais impressos, não só em Piracicaba, mas em outras cidades também. Sou colaboradora, como articulista, da GAZETA de Piracicaba. Também escrevo artigos para a TRIBUNA PIRACICABANA, além de coordenar uma página literária semanal há 12 anos em parceria com o escritor Ludovico da Silva. No JORNAL DE PIRACICABA, colaborei por 15 anos, mantive uma coluninha educativa infantil no Jornalzinho por dez anos e, também, por quase 5 anos, dei continuidade à coluna literária que a poetisa Maria Cecília Bonachella coordenou por 27 anos.

[D.E]: No ano passado, em 2011, você deixou de comandar uma página importante em um conhecido jornal impresso aqui de Piracicaba. Isso te afetou de alguma forma? Você acha que os jornais estão perdendo o interesse em autores locais?

Naturalmente, a literatura veiculada por um jornal impresso repercute mais porque grande parte da população de Piracicaba ainda não está habituada a utilizar mídia digital. A luta da cultura é árdua, e é preciso ocupar todos os espaços oferecidos para que mais pessoas possam ter acesso a textos de qualidade e que não visam comércio e sim retorno cultural.

Ciclos se encerram, páginas são viradas, mas sempre fica a experiência que será utilizada em novos projetos. Uma porta se fecha, outra se abre, nada permanece para sempre. Comandar uma página literária sempre acrescenta e eu sai enriquecida. Um jornal tem que dar espaço aos escritores locais para não perder a identidade.

[D.E]: Na Tribuna Piracicabana – um dos mais tradicionais da cidade – você felizmente coordena a página “Prosa & Verso.” Você poderia comentar um pouco sobre essa página e sobre a Tribuna?

A TRIBUNA abre um espaço importante para a divulgação da produção literária local. Penso que os leitores são ávidos para saber o que acontece aqui na terrinha, e tem muita coisa acontecendo! A Prosa & Verso, uma página inteira a serviço da literatura, é publicada há 12 anos.

[D.E]: Evaldo Vicente e Erich Vallim Vicente – o editor da Tribuna – sempre garantiram um espaço para os cronistas piracicabanos, não é? Isso faz da TRIBUNA um jornal mais piracicabano?

Certamente! Quem escreve quer ser lido e as crônicas de autores piracicabanos versam sobre os acontecimentos locais. A TRIBUNA é um jornal-família onde pai, mãe, filhos, netos, todos participam das edições e existe diálogo direto com leitores, colaboradores e escritores que são a voz da sociedade.

[D.E]: E sobre os seus escritos? Quais as novidades e projetos para 2012? Algum livro em andamento?

Muitas novidades! Recebemos – eu, Carmen Pilotto e Leda Coletti – um importante apoio da FEALQ (Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz) para a edição em Braille de nosso livro infantil, um sonho antigo nosso e da Maria Emília, escritora que faleceu precocemente, mas consta no livro. E Carmen e eu estamos finalizando mais um livro para crianças, desta vez bilingue. Hoje em dia, conhecer mais de uma língua é fundamental. E as crianças têm muita facilidade para aprender outras línguas.

[D.E]: De onde você tira ou onde você busca motivos e “inspiração” para seus escritos?

Tudo pode ser um bom motivo para escrever. A inspiração chega quando menos se espera. A alegria inspira, a tristeza inspira, a natureza inspira, até a política pode gerar bons temas para serem desenvolvidos.

[D.E]: Você tem algum hábito mais rígido na hora de escrever? Você tem alguma rotina de escrita?

Não, depende muito do momento. Um texto pode surgir numa fugaz e arrebatadora inspiração. Mas, muitas vezes, é a indignação ante os acontecimentos que gera os artigos mais eloquentes.

[D.E]: Você acompanha os autores contemporâneos nacionais? Que tipo de leitura você gosta? Há algum autor que seja o seu preferido?

Não tenho um autor preferido, gosto de passear pelos temas, pelos assuntos, pelos autores antigos e atuais, para ter uma visão ampla e global.

[D.E]: Que sugestão você daria aos professores que tem de lidar com a questão da leitura em sala de aula? Você acha que há como incentivar o hábito de ler – de forma a formarmos leitores mais produtivos e ativos?

Sim, a leitura é fundamental! Melhora o vocabulário, a escrita, e aumenta o conhecimento de forma geral. Quem não lê não tem espírito crítico. E é na infância que se criam os hábitos. Hoje em dia os professores têm que ser bastante criativos para incentivar a leitura, até porque, as crianças estão plugadas na internet mais do que os adultos, pois já nasceram na era da informática e das redes sociais.

[D.E]: Abraço para você! E o obrigado pela entrevista!

Sou eu quem tem de agradecer a oportunidade de estrelar no Diário do Engenho. Obrigada!

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)