Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

segunda-feira, 12 de março de 2012

Radioamadorismo de gloriosa tradição

Elias Salum
Cadeira n° 5 - Patrono: Leandro Guerrini
O Radioamadorismo, no passado, teve uma brilhante e significativa atuação na vida do ser humano, numa época em que a comunicação era pobre e limitada. Hoje, podemos afirmar que nas áreas social, cultural, comunitária e humanitária, muito contribuiu para os primeiros passos da técnica da comunicação. Do isolamento resultam costumes rígidos. O contato, por outro lado, traz mudança cultural, libertando o espírito das restrições dos costumes, criando uma situação em que é possível o florescimento da inteligência e da invenção.
Duas forças fundamentais da vida social são o isolamento e o contato. É distinto o papel que essas duas forças exercem na experiência de todos os povos. Cada força leva ao desenvolvimento de um tipo de cultura, que contrasta marcadamente com o tipo desenvolvido pela outra. Assim, o isolamento tende a produzir o que certos sociólogos e antropólogos denominam "cultura de folk" ao passo que o contato produz o que chamamos, em linguagem técnica, "civilização".
O desenvolvimento das ciências naturais vem exercendo profundas consequências sobre a nossa vida cotidiana. Desde que Galileu, Brahe, Copérnico e seus contemporâneos começaram a lançar as bases da ciência moderna, gradualmente se foi constituindo um acervo de conhecimentos físicos, químicos e biológicos, cuja aplicação aos problemas práticos enriqueceu imensamente a existência humana. Assim, muitas coisas outrora consideradas milagrosas são hoje comuns: a eletricidade, o telefone celular, o raio-X, a fotografia, a televisão, o computador com seus recursos. Sobressaindo, de forma espantosa, o rádio, pelos inestimáveis e relevantes serviços que presta à coletividade, como é o caso do radioamadorismo, hoje, praticamente substituído pelo e-mail e pelos celulares.

Conheça um pouco do radioamadorismo

O radioamadorismo foi e é um hobby científico, uma maneira de ganhar habilidade e penetrar no fascinante campo da eletrônica, bem como o ensejo de comunicar-se, através das ondas curtas, com qualquer dos radioamadores espalhados por todos os recantos do globo.
São Paulo e Rio de Janeiro foram os primeiros Estados do Brasil a possuírem radioamadores, seguidos do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Pernambuco e Pará. Pela pesquisa feita, o primeiro radioamador brasileiro foi Lívio Moreira, em l909.
As leis internacionais definem o radioamador como um cidadão que, sem interesse pecuniário, como verdadeiro amador, procura treinar-se em comunicações e técnica de rádio, investigando, trocando idéias, aprendendo, observando e cooperando para o desenvolvimento dessa maravilha que é a eletrônica.
Com as transmissões nos seus primórdios, há mais de 100 anos, já havia centenas de radioamadores. Já ao fim da Primeira Guerra Mundial muitos milhares se agruparam, formando ligas, estabelecendo princípios e criando o verdadeiro radioamadorismo. Conseguiram assim, em 1921, o primeiro contato através do Atlântico. Os resultados foram as comunicações ao redor do mundo, alcançadas pela primeira vez em 1924. O número de radioamadores subia, as descobertas continuavam e eram entregues ao uso público.
Dispondo dessa imensa cadeia de estações espalhadas pelo mundo, é incontável o número de serviços que o radioamadorismo prestou no campo humanitário. Veja-se, por exemplo, o serviço que ele prestava à nação em caso de guerra, principalmente como rádio-escuta, em países que se estendiam por milhões de quilômetros quadrados, o que dificultava qualquer outro meio de comunicação. Decorria daí o aproveitamento do radioamador pela sua rapidez e extraordinária penetração. Assim também nas cidades atingidas por enchentes, ou castigadas por tufões, lá estava o radioamador como um timoneiro, sendo o último a abandonar o seu posto, numa demonstração eloquente de sua extraordinária utilidade.
Socialmente falando, é de se destacar a coesão existente entre os radioamadores nacionais ou internacionais, que, quando identificados, em cidades estranhas, pelos colegas é-lhes prestada toda a cortesia, atenção e apoio que se faz necessário. É, enfim, um visitante oficial e por isso é cumulado de toda gentileza possível, numa demonstração evidente do seu alto cunho social na aproximação dos homens no incompreendido mundo de hoje.
Na década de 60, criou-se em Piracicaba "A RÁDIO ESCUTA PERMANENTE", velho anseio da classe dos radioamadores, que viu concretizada a ideia, graças à iniciativa arrojada do "macanudo" PY2-CCN, Com. Arnaldo Ricciari, que ostentou um dos galardões pela criação desta nova e prestante utilidade pública
Em 1835, o pintor norte-americano Samuel Finley Morse inventou um código de sinais que hoje é conhecido como "Código Morse". É o CW, sigla do inglês “continuous” (ondas curtas), que significa "telegrafia". Modalidade e conhecimento aplicáveis aos radioamadores graduados na classe "A" .

CÓDIGO MORSE - USADO INTERNACIONALMENTE

A ..- F ..-. K.-. P.- -. U..-
B -... G - -. L.-.. Q- -.- V...-
C -.-. H .... M - - R -.- W .- -
D -.. I .. N -. S ... X -..- E . J .- - - O - - - T - Y -.- Z - -..

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz