Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Curial e Guelfa: obra em português lançada na Califórnia

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado


A Editora eHumanista, da Universidade da California, nos Estados Unidos (www.ehumanista.ucsb.edu), acaba de lançar a primeira tradução feita para a língua portuguesa de “Curial e Guelfa”, romance de cavalaria escrito por um autor anônimo, em idioma catalão, na segunda metade do século XV.
Dessa obra existe apenas um único manuscrito, encontrado em um arquivo espanhol e que está sendo revalorizado nos últimos anos, com cuidadosas traduções, para os principais idiomas modernos, realizadas por especialistas de vários países europeus. No Brasil, ela ainda é praticamente desconhecida nos meios universitários, podendo abrir campos novos de pesquisa e aprofundamento para estudiosos de História e de Literatura.
A tradução, do catalão medieval para o português atual era tarefa que apresentava inúmeras dificuldades linguísticas e metodológicas. Foi levada a bom termo pelo meu mestre e amigo Prof. Ricardo da Costa (www.ricardocosta.com), medievalista da Universidade Federal do Espírito Santo, acadêmico correspondente no exterior da Real Academia de Belas Letras de Barcelona e membro do IVITRA (Instituto Virtual Internacional de Tradução – Universidade de Alicante). O tradutor enriqueceu o trabalho com centenas de notas explicativas, indispensáveis para o leitor moderno poder compreender e saborear devidamente o texto, que manteve rigorosa fidelidade em relação ao original catalão.
A tradução de Ricardo da Costa foi lançada nos Estados Unidos em um volume com 512 páginas. Os leitores interessados podem solicitá-la à IVITRA, responsável por sua distribuição. E-mail para os pedidos: ivitra@ua.es

                                                       * * *
Foi num contexto singular que tomei contato com Curial e sua amada Guelfa. Desconhecia completamente a existência de ambos, quando o Prof. Ricardo me contou que estava traduzindo uma novela de cavalaria escrita cem anos antes do Dom Quixote e pediu-me que o ajudasse, na revisão do português.
Passei então a conviver com os dois amantes da literatura catalã durante meses que foram, para mim, muito prazerosos e instrutivos. A obra apresenta, por trás do romance de amor entre os dois personagens do título, uma rica descrição da sociedade cavalheiresca de sua época, mostrando bem a passagem da Idade Média para o Renascimento. Ela explora um tema recorrente desde a Antiguidade até às novelas de TV que o público feminino brasileiro acompanha com tanto interesse em nossos dias: o amor entre pessoas separadas por diferenças de classe ou por inimizades familiares.
Esse tema é constante, na literatura de todos os tempos e povos. Basta lembrar os amores de Píramo e Tisbe, na Babilônia, durante o reinado da formosa e legendária Semíramis; e, mais recentemente, Romeu e Julieta, os dois amantes de Verona, tão celebrizados que até acabaram dando seu nome à deliciosa e brasileiríssima combinação de queijo-mineiro e goiabada-cascão... Isso sem falar no lendário romance dos ingleses Robert Machin e Ana de Arfet, que em plena Idade Média teriam ido aportar à linda Iha que mais tarde se denominou da Madeira.
Guelfa pertencia à alta nobreza, era irmã de um marquês soberano do Império e, sendo viúva, só poderia recasar-se com um fidalgo do seu nível, mas apaixonou-se por Curial, um jovem escudeiro de origem modesta, favorecendo-o e transformando-o no primeiro cavaleiro da Cristandade. Mesmo assim, ainda foram enormes as dificuldades enfrentadas até o happy end, lá pela 500ª. página do livro, quando afinal se casaram. Em torno do romance, inúmeras aventuras, duelos, batalhas, minuciosas descrições de banquetes, cortes e intrigas políticas, com uma participação surpreendentemente preponderante do elemento feminino na trama do romance, um retrato fascinante da Catalunha, da Itália e da França daquela época, sonhos, naufrágios, um longo cativeiro no Norte da África - tudo isso entremeando elementos cristãos com forte influência mitológica grega.
Fiquei realmente fascinado pela história dos dois personagens e sobretudo pela descrição do ambiente e da época em que figuram. É de uma riqueza impressionante. Acredito que, no Brasil, numerosos estudos e aprofundamentos ainda serão feitos nos meios acadêmicos a partir de “Curial e Guelfa”. Amostra significativa desse potencial tive em Vitória, no ano passado, quando participei de um Encontro Internacional de Filosofia Medieval no qual cinco jovens orientandos do Prof. Ricardo, ainda cursando a graduação regular em História, na UFES, apresentaram a um público altamente especializado seus trabalhos de iniciação científica, todos baseados na análise de aspectos diversos de “Curial e Guelfa”.
Quanto à qualidade excepcional da tradução de Ricardo da Costa, nem tenho palavras para exaltá-la. Só me resta recomendar a obra aos leitores. Encomendem-na à Editora. O preço é muito acessível. Custa apenas 22 dólares o exemplar. Garanto que vale muito a pena.

(Anônimo do século XV. Curial e Guelfa. Primeira tradução para o português e notas: Ricardo da Costa. Revisão: Armando Alexandre dos Santos. Estudo introdutório e edição de base: Antoni Ferrando. Foreword: Antonio Cortijo Ocaña. Textos introdutórios de Ricardo da Costa e Armando Alexandre dos Santos. Santa Bárbara: Publications of eHumanista, 2011.)

Texto publicado na

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)