Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Aos amigos aposentados

 Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara

O texto abaixo foi lido no jantar de encontro com os funcionários aposentados da ESALQ em 2012, um encontro muito agradável no Restaurante Le Gourmet do Hotel Bristol, no último dia 23 de novembro, cerca de 80 amigos lá estiveram.

Aos amigos aposentados:
boa noite! Para os que não me conhecem, meu nome é Carmen Pilotto, funcionária aposentada, mas ainda em exercício na diretoria da Esalq.
É um gr
ande prazer estar aqui com vocês aprendendo um pouco mais em como encontrar paz e harmonia após a opção de finalizar a atividade profissional. Sou uma eterna observadora, e noto que se há algo que nossa geração gosta muito é de ouvir os ditados populares. Já notaram que todos eles têm uma aplicação em nossas vidas?
Assim, vou tentar usar alguns nesta pequena troca de ideias: já repararam como “a grama do vizinho é sempre mais verde?” Ou melhor, “a galinha do vizinho é sempre mais gorda que a nossa”. Acredito que esses ditados só têm sentido quando somos jovens, a partir de um determinado momento passamos a curtir tudo o que temos, não nos atrai mais o carro último tipo ou mesmo as roupas mais sofisticadas. Nossas alegrias vêm das coisas simples que observamos: o fuxico que fazemos com um lindo retalho, o carinho do netinho em um beijinho estralado, o sorriso de um estranho ao nos dizer bom dia, a pequena violeta que soltou lindas flores, a vitória naquela partida do jogo de truco no quintal e coisas do gênero.
Hoje, têm muito mais valor os ditados: “enquanto há vida, há esperança; muito alcança quem não cansa” e o “famoso devagar se vai ao longe”. Tudo porque a maturidade traz uma noção de tempo mais ponderada, sem a urgência da juventude. Nada de marcar dez compromissos no mesmo dia, é necessário curtir cada momento em seu tempo devido. Se demorar a acontecer algum fato, “antes tarde do que nunca”, afinal “a morte não escolhe idade”, mesmo porque “deus dá o frio conforme o cobertor”.
“como águas passadas não movem moinhos”, aguardamos com serenidade nossas manhãs ensolaradas ou chuvosas, mesmo porque “não há nada como um dia depois do outro”.
E vamos tocando a vida porque “não há rosas sem espinhos e o futuro a deus pertence”. Devemos encarar tudo com otimismo e fé lembrando que “a consciência tranquila é o melhor remédio contra insônia”.
Assim amigo, cultive bons hábitos: seja aberto aos novos tempos porque somente “envelhecemos quando deixamos de lutar!” Não seja radical, abra seu coração para os novos tempos, afinal “há males que vem para o bem”. E pensando bem, “não corrigir nossas faltas é o mesmo que cometer novos erros”.
Seja positivo, reze, cuide de seu corpo, pondere, “ajuda-te que deus te ajudará!”

FINALIZANDO, QUERO DESEJAR UM FELIZ 2013 PARA TODOS, REMEMORANDO A MADRE TEREZA DE CALCUTÁ, EM SUAS SÁBIAS PALAVRAS:

"Enquanto estiver vivo, sinta-se vivo.
Se sentir saudades do que fazia, volte a fazê-lo.
Não viva de fotografias amareladas...
Continue, quando todos esperam que desistas.
Não deixe que enferruje o ferro que existe em você.
Faça com que em vez de pena, tenham respeito por você.
Quando não conseguir correr através dos anos, trote.
Quando não conseguir trotar, caminhe.
Quando não conseguir caminhar, use uma bengala.”

Carmen Pilotto, 23/11/12
Obs: Todas as frase entre aspas (“”) são ditados populares e o último verso é da admirável Madre Teresa de Calcutá.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz