Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

COMER DE MARMITA

Toshio Icizuca
Patrono: Elias de Melo Ayres
Cadeira no 38
Outro dia, ao ver uma pessoa comer de marmita, em vasilhas feitas de alumínio em formato retangular, os leitores não imaginam o que é que fui lembrar: fatos da minha infância em Londrina, na década de quarenta, quando morava no sítio e ajudava os meus pais no trabalho de campo.
Naquela época meus pais eram agricultores em pequena propriedade, a primeira  adquirida por eles depois de cumprir o contrato como colonos na região de Penápolis, no Estado de São Paulo. Na verdade, quando eles compraram era uma mata virgem, pois Londrina nem existia, no local havia um povoado que seria a futura cidade.
Ao ver aquela marmita, lembrei que todos os trabalhadores do campo, que seriam os boias-frias de hoje, levavam os almoços nas marmitas iguais a que vi, e ao chegar a hora da refeição, sentavam-se em qualquer canto, no troco de uma arvore caída, no monte de terra resultante de arruação, ou em sacos de algum produto colhido, como café, arroz, feijão etc..
A nossa família também almoçava no campo, ou na roça como era chamada. Mas, o almoço não vinha em marmitas separadas, a minha mãe trazia todas as tralhas necessárias e a comida dentro de panelas e travessas. Como ela conseguia trazer tudo aquilo nas mãos não tenho a menor ideia, pois quando ela nos chamava para o almoço, todos os pratos, talheres, canecas, e as comidas estavam  sobre enorme lençol estendida no solo. Olha, carregar o almoço para cinco pessoas e caminhar cerca de quatrocentos metros não é brincadeira, precisava ser uma supermulher! Ela foi uma heroína. Aliás, todas as imigrantes foram, visto esse tipo de trabalho recaia sobre os ombros das donas de casa. Ah..., preciso falar que almoçar sentado no chão em volta da toalha era gostoso, familiar e bucólico.  
O fato estranho é que, tudo que eu falei sobre o trabalho da minha mãe fui lembrar justo na hora que vi a pessoa comendo de marmita... Talvez naquela época de imenso sacrifício para todos, achasse que tudo que a minha mãe fazia era normal. Somente agora, depois de passados mais de sessenta anos, e sem a presença dela e nem do meu pai, pude reconhecer e agradecer o que eles fizeram para os seus filhos.
Toda vez que lembro fatos dessa natureza meus olhos não resistem, enchem-se de lágrimas de agradecimento aos meus pais.

* com esta crônica, Toshio Icizuca estreia na Folha de Londrina, na página 2, que tem 50,000 tiragens.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz