Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Eu gosto de você*


 Marisa F. Bueloni
Cadeira no 32 - Patrono: Thales Castanho de Andrade
    Bom dia! Caro leitor, estarei aqui às terças-feiras e meu esforço supremo será sempre encantar o seu coração. Portanto, quero perguntar o que é que você prefere encontrar aqui? Barack Obama, as enchentes pelo mundo, a crise do euro, o mensalão, as propriedades curativas da saliva do carrapato, ou uma crônica onde declaro meu amor por você?

     Eu gosto de você. Porque você existe, está aí do outro lado e me lê. Ma-ra-vi-lha!  E ainda manda uma mensagem para mim. Quando escrevo, penso em você, leitor. Não fique triste, leitora: convencionou-se usar o gênero masculino, para designar ambos os sexos. Você dirá que é um machismo jornalístico-literário? Concordo. E vamos pra briga.

Eu gosto das pessoas e não tenho medo de declarar meu amor por elas. De falar do meu amor para elas. Tipo assim: “Eu tenho tanto pra lhe falar/ mas com palavras não sei dizer/ como é grande o meu amor por você...”.  Todo mundo sabe a música de cor, todo brasileiro conhece esta canção maravilhosa. Sou apaixonada pelo rei Roberto e se um dia estiver frente a frente com ele, digo sem hesitar: “Eu gosto de você, bicho”.

     Quase não dizemos ao outro “eu gosto de você”, reparou? Vamos declarar nosso amor quando? À beira do caixão? Uma vez, num velório, vi uma cena tocante. O sogro passava a mão nos cabelos do genro morto e conversava com ele. Não parava de falar. “Eu  deixei de fazer alguma coisa  por você, hein?”. E o morto, ali, mortinho, sem poder responder.

     Alguém ia lá, tirava o sogro de perto do caixão, mas logo ele voltava. “Diga, o que foi que aconteceu? Eu posso fazer alguma coisa?”. E passava suavemente a mão na testa do morto. Era de cortar o coração. Presenciei isso e jamais me esqueci. Nunca soube o que possa ter havido entre os dois, mas, provavelmente, faltou um pedido de perdão, talvez alguma pendência bem dura, destas que, às vezes, nos mata de dor e arrependimento...

     Num dia dos pais, um amigo querido me escreveu este e-mail: “Quando meu pai morreu chorei uma semana. Com certeza, foi por arrependimento por não ter ficado mais tempo com ele, conversado mais com ele, abraçado-o mais, por não não ter tido a sensibilidade de lhe dar uma furadeira elétrica que tanto iria gostar. Vivia consertando coisas, e usava aquele velho arco de pua, com broca ruim, encostado no peito para fazer força. Por que não lhe dei uma serra elétrica manual, em vez daquele serrote enorme, que ele vivia afiando. Que m...! Um abraço".

     Eu gosto de você, meu amigo, por este e-mail tardio para o seu pai. Eu gosto de você. Diga para alguém, mesmo que o outro fique com cara de “sinhá Mariquinha, cadê o padre?”. Sim, porque isso assusta. Além de dizermos pouco que gostamos, quase não abraçamos as pessoas. Reparou? Tem pai que não consegue abraçar o filho e vice-versa. Membros da mesma família que jamais trocaram um único abraço. Irmão passa longe de irmão. Tem gente engessada,  paralisada, não sabe abraçar. Não pode, tem de abraçar. Tem de tocar.

O toque é mágico, é maravilhoso. O toque é divino. Tocar alguém com amor cria faíscas de luz num campo invisível e tudo pode acontecer ali. Tocar o outro abala os desertos, move os oceanos, muda o curso da história. Impor as mãos com fé sobre um doente pode curá-lo. Há pessoas ungidas que fazem isso e têm o poder de curar.

     Eu sei dizer “eu gosto de você”. Ah, sim, eu digo. Derreto-me pelos meus amados e pelas pessoas que estimo. Não tenho vergonha. Eu digo: Você é uma pessoa admirável. Digo às minhas duas filhas: Vocês são muito inteligentes, me dão orgulho. Escrevo para alguém especial: Você é um doce de coco, cara. Ou então: Você é uma flor de maracujá, linda. E também: Você é um pote de mel, fofa. Nós todos precisamos expressar nossos sentimentos. A vida precisa deste carinho, desta gentileza. Precisa de atitudes amorosas e delicadas, para amenizar a dor geral, a aspereza das coisas, a aridez destes dias trágicos, as decepções do nosso coração...

     Eu gosto de você. Diga isso a quem merece ouvir. Vá treinando. Mãe, sua comida é uma delícia! Você é uma filha muito talentosa e está se saindo muito bem no lugar do seu pai. Gosto de você, minha irmã querida, obrigada pela chave da sua casa, para eu ficar lá quando precisar. Eu gosto de você, cunhado, você é uma grande alma. Diga também para os seus amados, olhando nos olhos. Abrace-os, oh, abrace-os muito forte e apertado. Não espere pelo Natal. Ou pelo aniversário. Abrace em qualquer época do ano.

     Eu gosto de você: veja, é tão simples. Não arranca pedaço. Nem de você, nem do outro. É uma doçura ouvir. É uma bênção dizer. É uma carícia de que nossas almas necessitam o tempo todo. Uma vez, vi na tevê uma cena no fundo do mar. Um mergulhador fazia carinho num tubarão e o bicho como que se mostrava dengoso para ele.  Dava uma volta e retornava, parava a cabeça perto do homem, esperando ser acariciado. Ora, se um tubarão gosta de carinho, imagine um ser humano.

     Eu já vou terminar esta crônica, meu caro leitor. Mas não sem antes dizer que eu gosto muito, muito, muito de você. Até a próxima terça! 

*Marisa Filetti Bueloni escreve às terças-feiras no Jornal de Piracicaba

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz