Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

domingo, 17 de março de 2013

A GRANDE MISSÃO DA MULHER

                          Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira no3 - Patrono: Luiz de Queiroz

            Mesmo passado o Dia da Mulher que é comemorado todo ano em oito de março, não passa despercebida toda a importância deste ser gerador da vida, criatura de Deus a espalhar pela terra seu amor irrestrito, incondicional e incalculável. Mulher que é Mãe por natureza, acima de todas as qualidades e dos defeitos, que é força, doação, benefício e benquerença, coragem e perseverança inabalável na continuidade das gerações que caminharão até o fim dos séculos. Daí, sua grande missão de assumir suas obrigações e deveres com respeito e responsabilidade, delicadeza, dedicação e dignidade sem esforços vãos ou imposições, com a ternura e naturalidade de quem já conhece os caminhos e lutas, e se empenha com alegria e satisfação vendo os dias passarem, tantas vezes com as preocupações e sofrimentos que a vida impõe, tendo sua fé e sua esperança como únicas armas para ultrapassar dificuldades e ansiedades trazidas no cotidiano. No entanto, sua missão não é desanimar ou se deixar abater! Sua missão é ser útil nobre e altruísta. Sua missão é quebrar barreiras, superar desafios, e seguir adiante, a fim de encontrar lá na frente, a colheita de um futuro que ela crê está nas mãos de uma força maior do que ela, que cuida e que não desampara. Sua missão está em “deixar rastros”! Quantas vezes acontecem que ela também titubeia e tenta duvidar das “coisas do alto”, cujas respostas parecem demorar tanto! Isso é humano sem ser insano, porém, e ela retorna apesar de seu cansaço e suas desilusões, ao seu ponto de firmeza e crença no que sabe que realmente vale a pena eleger, cultivar e cultuar. Não vamos falar aqui da mulher desrespeitada ou mal amada (assunto tão extenso e tão abordado com soluções tanto a desejar...), nem das necessidades de atenção, carinho e amor de que tantas vezes necessita e padece. Melhor lembrar-se de Cora Coralina quando escreveu: “Eu sou aquela que passou a vida “escalando montanhas removendo pedras e plantando flores”, ou como a doce Cecília Meireles que “aprendeu com as primaveras a se deixar cortar para depois voltar inteira...” ou ser muito eficiente como Margareth Thatcher, a grande estadista, quando afirmou: “Quando precisar que algo seja dito chame um homem, mas quando precisar que algo seja feito, chame uma mulher”. Mulheres que cumpriram sua missão aqui na Terra e deixaram exemplos que perpetuarão além dos anos, sendo vencedoras em sua missão. Foram fortes e guerreiras! Não viveram em vão valorizaram seu tempo, mesmo porque viver é uma arte que pode engrandecer enobrecer ou amesquinhar e o mundo está aí repleto de esforços, descobrimentos e trabalhos para o aperfeiçoamento do amanhã, e, a Mulher, possui um cabedal de virtudes e talentos incrivelmente maravilhosos!
            Santa Terezinha quando notava tristeza em alguém dizia: “Vamos! Corra a fazer alguma obra de caridade!” Em muitos casos não é essa uma grande oportunidade de, fazendo algo pelo outro estar fazendo algo muito melhor para si mesmo?  Helen Keller que nasceu cega, surda e muda, uma capacidade em superação, notável inteligência, educadora, advogada e escritora afirmou: “Quando uma porta da felicidade se fecha, outra se abre”. “Muitas vezes ficamos tanto tempo olhando para a porta fechada que não vemos a outra que se abriu”. Tudo está em nossas escolhas e em nosso ânimo, para cumprir com galhardia nossa “Missão”.
            Que saibamos cumpri-la!

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz