Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

segunda-feira, 25 de março de 2013

O ESCREVER E O LER

Elda Nympha Cobra Silveira
Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior

Quem lê abre lugares vagos em sua mente e se deslumbra em juntar letrinhas, formar frases e textos dos mais diversos. Mas o que o escritor deseja a interligação dos pensamentos com as suas emoções e conceitos de vida com o espírito ávido do leitor, para que eles pactuem e aflorem na leitura.
Os escritores nos levam a singrar mares “nunca dantes navegados,” e nos descrevem cenários que jamais teríamos oportunidade de imaginar. O romancista nos leva ao delírio com suas pungentes histórias, que nos dão um parâmetro sobre usos e costumes de países  muito distantes e diferentes do nosso. Com sua pena somos levados pela imaginação para lugares orientais e situações próprias dos lugares e épocas retratados, e da mesma forma, concretizamos os cenários, porque no nosso imaginário está plasmada a idéia do escritor ao nos transmitir seu pensamento. O que um escritor almeja é a cumplicidade com os seus pensamentos, para que o leitor entre no seu mundo fictício, através de um compartilhamento sutil nas entrelinhas. Nas poesias, o sentimento mais delicado, mais etéreo aflora toda sensibilidade de tão pouco valor e camuflada pela violência da realidade nua e crua dos tempos modernos, quem sabe por que é uma transição evolutiva da humanidade.
Sempre queremos usar um termo mais benevolente para tanto abuso da violência que grassa por toda humanidade, por sentir vergonha em fazer parte dessa humanidade!
Um povo sem leitura é manipulado e dependente da informação, correta ou não. Um povo que lê não se deixa levar por idéias que enveredam para a tirania, porque ele sabe ser crítico, inquieto, tem maior tirocínio, porque aprendeu a pensar é engajado, não alienado, vivendo à mercê de manipulações literárias com o intuito de liderar, mistificando conceitos e impondo ideias que sabotam a liberdade do individuo.
Quem é instruído, tem uso da leitura de jornais e livros e por saber, tem o poder de decisão, não é facilmente enganado.
 Durante séculos muitas idéias foram impostas como verídicas, mas às vezes são simples teorias ditadas pela falta de informação e pela religião dominante da época. Muitas vezes nos sentimos solitários, abrindo uma porta para a entrada de pensamentos negativos e depressivos e nos esquecemos de que basta começar a ler um livro para nos sentirmos acompanhados. Como diz Mario Quintana: “Dupla delicia: o livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado”.
Às vezes o que falta para quem não gosta de ler, é falta da alma em sintonia. Às vezes imaginam que estão perdendo tempo. Quando o tempo é questão de preferência.
A leitura vai descortinando um mundo que com a leitura chega aos nossos olhos e vai direto ao coração. Quem lê se emociona ou se instrui porque a leitura é como um fogo lento que vai abrasando e aquecendo nosso interesse a cada página virada e nos frustra quando chegamos ao fim do livro, fazendo-nos sentir órfãos daquela empatia que tivemos no relacionamento com seus personagens, naquele espaço de tempo trocado com seus protagonistas. Saudosos daquela companhia, muitas vezes relemos o livro para continuar aqueles momentos de compartilhamento.
O livro nos dá o ensejo de participar de outro mundo paralelo provocado pela simbiose da mente do escritor para o do leitor. Quem não lê perde a oportunidade de ter momentos de felicidade.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)