Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Ivana Maria França de Negri
Segundo Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

sábado, 6 de julho de 2013

A voz das ruas

 Marisa F. Bueloni
Cadeira no 32 - Patrono: Thales Castanho de Andrade
    Peço licença para expressar uma palavra a respeito do que o país está vivendo nestes últimos dias. Organizaram-se os protestos também aqui em nossa cidade e as pessoas saíram às ruas, para marchar e pedir mudanças. Lamentamos os atos de vandalismo, uma vez que as manifestações são legítimas e justas. Infelizmente, oportunistas e vândalos se infiltram no movimento e agem de modo reprovável.
     Sim, entendemos que o país precisa mudar. É preciso uma nova mentalidade para governar. Trocar o velho pelo novo. Buscar caminhos pelos quais a social-democracia se faça de modo a atender os anseios da população.
     É justa e honrosa esta mobilização reivindicando melhores condições de saúde, educação, moradia, transporte. De repente, como se diz em toda parte, o povo “acordou”. A nação passou a ter uma só voz e, em uníssono, cantou o canto político mais belo e mais comovente. Entendeu-se que se há dinheiro de sobra para construir faraônicos estádios de futebol, há de haver para melhorar as condições de vida do nosso povo.
     Esta consciência ilumina os corações, arde nas palavras de ordem, nos cartazes de frases inflamadas, pontuando aqui e ali fatos da vida brasileira, num pleno exercício de cidadania e de civismo.
     É bonito ver a juventude reagindo. Desculpe, não acreditávamos nessa nova geração, grudada demais nos eletrônicos da vida, “criando” um português suspeito, parecendo não prestar atenção a sua volta. Pois foi por meio das redes sociais que tudo começou. Uma tecnologia inesperadamente a serviço da luta pela ética, pelos direitos do cidadão? É promissor.
     Vejo com entusiasmo esse mar de cabeças e cartazes, onde se lê: “Queremos hospitais no padrão FIFA”. De fato, não são apenas os famosos vinte centavos. Ainda que Galvão Bueno atribua os protestos apenas ao aumento da tarifa. Não, meu amigo da Rede Globo. São os bilhões de dinheiro público desviado do seu verdadeiro destino: hospitais, escolas, moradia, transporte decente, segurança.
     A nação acordou e o povo não é bobo, deixou de ser a “massa de manobra” inocente e ignorante. Não é preciso muita escolaridade para enxergar o óbvio. E as obviedades se tornaram dolorosamente claras, num rompante que levou milhões às ruas, em todo o país.
     Em meio aos fatos, a poderosa Rede Globo é posta em cheque. No movimento das “Diretas Já”, os funcionários da emissora a obrigaram a revelar a verdade das ruas. Os cinegrafistas filmavam, gravavam e ela se recusava a divulgar. Até que se rebelaram e exigiram que as imagens fossem ao ar. Eles venceram.
Ronaldo teve a infelicidade de dizer que “uma copa não se faz com hospitais e sim com estádios”... Pelé, que segundo Romário, “de boca fechada é um poeta”, quer colocar a bola em primeiro plano... Galvão Bueno tenta minimizar a situação. Mas o povo sabe o que se passa, porque está presente nas ruas. A população antipatiza com a emissora, porque vê a informação sendo manipulada. Na verdade, aquele "padrão de qualidade" acaba pasteurizando até as notícias.
     Aguardemos o desfecho desta bela cena nacional. Seja digno e escrito com honra e paz nas cores da nossa bandeira verde-amarela tão amada!  

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)