Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

terça-feira, 23 de julho de 2013

In memoriam de Samuel Pfromm Netto (1932-2012)

                 



Com muita saudade, aqui homenageamos a memória querida do
Acadêmico Emérito Samuel Pfromm Netto,
membro do Conselho Editorial desta Revista, publicando
uma poesia inédita de sua lavra – que nos foi enviada por D. Olga C. Pfromm –
e reproduzindo o texto de entrevista que concedeu em março de 2002
ao jornal paulistano “São Paulo em foco”:

As quatro estações
(ouvindo Vivaldi – 1993)


A primavera termina.
Flores murchas pelos campos.
Há paz e recolhimento.
As aves silenciaram.
Mas no pensamento
E no coração
É sempre primavera!

Verão. Calor intenso.
Ar pesado. Abafadiço,
Me sufoca. Não há brisa.
Mas no pensamento
E no coração
É sempre primavera!

Outono. Folhas secas
Espalhadas pelo chão.
Cai a chuva. Ensopa a terra.
Mas no pensamento
E no coração
É sempre primavera!

Inverno. Noite densa.
O frio gela nas pernas.
Lá fora, gemidos do vento.
Mas no pensamento
E no coração
É sempre primavera!



Criança, TV e violência – a influência
da televisão no psiquismo infantil
(entrevista)


O Prof. Dr. Samuel Pfromm Netto é psicólogo e pedagogo, professor titular de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Licenciado e doutor pela Universidade de São Paulo, onde lecionou por muitos anos, realizou estudos e estágios de pós-doutorado em universidades do País e do Exterior. Presidiu o Conselho Regional de Psicologia de São Paulo e é membro titular de várias entidades, como a Academia Paulista de Psicologia, a Academia Paulista de Educação, o Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, o Pen Centre de São Paulo, o Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta, a Société de Médecine de Paris e outras.
É autor de mais de uma centena de pesquisas, estudos teóricos e conferências publicadas em revistas especializadas do País e do Exterior, e dirige a revista “Estudos de Psicologia”. Tem mais de 25 livros publicados nas áreas de psicologia, comunicação de massa, mídia educativa, tecnologia do ensino e pedagogia.
A seguir, o texto da entrevista exclusiva que concedeu ao jornalista Armando Alexandre dos Santos, de “São Paulo em foco”:


São Paulo em foco - Há quanto tempo o Sr. estuda a influência da televisão e dos meios de comunicação social sobre as crianças?
Samuel Pfromm Netto - Em 2003, completarei 50 anos de atividade como pesquisador. Um pesquisador sempre voltado, desde aqueles longínquos meados do século passado, para o trinômio criança, mídia e agressão. Minha primeira contribuição à literatura científica intitulou-se “A criança e o cinema” e mesclava psicologia, pedagogia e comunicação de massa.

SPEF - Nesses 50 anos houve mudanças nessa área, ou no fundo tudo ficou na mesma?
SPN - Durante estas quase cinco décadas, muita coisa aconteceu nesse domínio, alternando substancialmente o quadro que nos era familiar naqueles anos em que o ex-ditador Vargas retornava ao poder pelo voto popular, era criada a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, surgia em São Paulo a Cia. Cinematográfica Vera Cruz, a revista “O Cruzeiro” era a leitura semanal obrigatória dos brasileiros mais cultos, o Brasil sagrava-se campeão de futebol na Copa América, Victor Civita fundava a editora Abril e lançava “O Pato Donald” como revista em quadrinhos, e em 1950 ia ao ar a TV Tupi de São Paulo, primeira estação brasileira de televisão, captada apenas por algumas dezenas de receptores existentes na capital paulista. Quanta, quanta coisa mudou, meu Deus, para melhor ou para pior, nesse meio século!

SPEF - E como o Sr. via, naquele tempo, o problema?
SPN - O pesquisador neófito que eu era no início dos anos 50 já se preocupava com os possíveis efeitos dos filmes cinematográficos na mente e no comportamento das crianças, seguindo, assim, o caminho iniciado entre nós por Lourenço Filho na década de 1920, com uma pesquisa empírica de psicologia denominada “A moral no teatro, principalmente no cinematógrafo” (1928). Mal podíamos imaginar que as apreensões de Lourenço Filho e as minhas, quanto à influência do cinema mostrado às crianças, ganhariam tintas muito mais sombrias com o que veio depois: a televisão que se expandia extraordinariamente nas décadas seguintes, o surgimento e a expansão do videocassete, os videogames, a Internet no computador, os videodiscos digitais...

SPEF - Mas sem dúvida essas invenções podem ser muito úteis para a cultura das massas...
SPN - É claro que esses prodígios tecnológicos em larga medida podem (e devem) contribuir para a difusão de conhecimentos e notícias confiáveis, entretenimento sadio, formação responsável de opinião, educação de gosto e estímulo aos comportamentos construtivos, positivos ou altruístas. Mas, se conduzidos com inconsciência, irresponsabilidade, inépcia e avidez de lucros a qualquer preço, à semelhança daqueles que mercadejam tóxicos, prostituição, jogatina e outras formas de câncer social, podem ser postos a serviço do que possa haver de pior na natureza humana. Pior ainda: como certos gazes mortíferos que, no entanto, são inodoros e dificilmente detectáveis, podem envenenar nossos filhos pouco a pouco, no recesso dos nossos lares.

SPEF - O Sr. não receia que o achem um pouco pessimista nesses prognósticos?
SPN - Sei que corro o risco de ser tachado de apocalíptico, ao reiterar aqui o que venho afirmando ao longo do meio século de estudos, palestras, artigos, livros, pronunciamentos e congressos e na mídia em geral. Costumo responder aos que assim me acusam que há dois tipos de discursos a respeito dos efeitos da mídia, e, particularmente, da televisão nas pessoas. O primeiro tipo de discurso, que eu respeito mas não adoto, é o de caráter opinativo, que resulta de elucubrações de caráter moralista, filosófico, religioso ou de qualquer outra natureza, que argumenta com lógica e convicção sobre os males que poderão resultar da exposição das crianças a influências malsãs, mascarada ou disfarçadamente lesivas aos seus sentimentos, à sua personalidade, ao seu desenvolvimento moral, à formação do seu caráter, à cidadania responsável e ao bem-estar comum. Alguns dos mais notáveis pensadores de todos os tempos manifestaram preocupação nesse sentido, desde a Antiguidade Clássica até nossos dias.
Reitero que se trata de um discurso pelo qual nutro a maior simpatia, mas não é o tipo de discurso que nestes cinquenta anos venho usando, a respeito dos efeitos da comunicação de massa nas pessoas.

SPEF - Qual é, então, especificamente o tipo de discurso que o Sr. adota na análise do problema?
SPN ­- Meu tipo preferido de discurso é outro, como psicólogo e pedagogo, ou cientista por formação e convicção, que prefere o arrazoado fundamentado em evidências de pesquisas científicas escorreitas, em fatos empiricamente constatados, nos experimentos, nas investigações em laboratório, em levantamentos rigorosos, em estudos correlacionais, em experimentos de campo, em laboriosas pesquisas longitudinais como as de Lefkowitz, Eron, Walder e Huesmann desde os anos 60, em trabalho de meta-análise etc. É, pois, com base nessa grande massa de evidência acumuladas nos últimos quarenta anos que acredito que devamos argumentar a respeito da nocividade de exposição da criança à má televisão.

SPEF - Existe literatura específica sobre isso, a nível de divulgação ao grande público?
SPN - Existe, felizmente, em nosso idioma um livro magnífico, que tive a honra de prefaciar e que reúne a mais cerrada e sólida argumentação de base científica sobre os efeitos da televisão. Seu autor é Guilherme Maurício Acosta-Orjuela e seu título é “15 motivos para ‘ficar de olho’ na televisão”, editado em Campinas pela Alínea em fins de 1999. São 182 páginas densas, escritas com objetividade e rigor científico exemplares, cuja leitura aconselho com a maior urgência aos pais, aos professores, às autoridades governamentais, aos políticos, para que abram os olhos. Para que enxerguem o que a maioria não vê ou finge não ver...
Eu próprio estou finalizando um livro para ser publicado em 2002, igualmente pela editora Alínea, e que se intitula “A caixa eletrônica de Pandora”. Nele, tal como Acosta-Orjuela, com apoio nas minhas próprias pesquisas e na fundamentação empírica acumulada no exterior desde os tempos em que o cinema e depois a TV deram seus primeiros vagidos até os dias atuais, procuro não só mostrar que o rei chamado TV está nu, como pior ainda: está envenenando em escala planetária a nossa espécie, e – o que é mais grave – envenenando em especial as mentes infantis.
Há um aspecto que desejo ressaltar aqui, quanto ao conjunto de influências comprovadamente deletérias que a televisão pode ter na vida da criança, tanto mais preocupante quanto maior é o número de horas durante as quais ela assiste à TV, quanto mais violenta, cínica e boçal é a programação a que se expõe, quanto menor é a carga de ideias, sentimentos, valores, carinho, cuidados e atenção que ela recebe de adultos que têm importância para ela, quanto mais pobres são os modelos de pensamento, ação e convivência adultas a que ela está exposta no dia-a-dia da sua vida. O aspecto que se impõe como extremamente sério, em relação à análise dos efeitos da má TV na criança, é o da violência.

SPEF - Esse tema é muito estudado, no Brasil e no Exterior?
SPN - Agressão e violência são palavras que ganharam, nas últimas décadas, espaço cada vez maior no âmbito das pesquisas dos psicólogos. Pena que isto não tenha ocorrido no Brasil. Contam-se nos dedos, e nem sempre têm conta tudo quanto se sabe a respeito desta problemática não com base em palpitologia, mas em pesquisa séria, as contribuições brasileiras neste domínio. Venho estudando a agressão humana desde os anos 60 e creio que fui o primeiro a ministrar uma disciplina, “Psicologia da agressão”, em nível de pós-graduação em Psicologia. Isto aconteceu no Instituto de Psicologia da USP, em que lecionei, orientei teses e dissertações e fiz pesquisas neste âmbito, nas décadas de 1970 e 80. Algumas dessas teses e dissertações tratam especificamente dos efeitos da televisão nas pessoas, como, por exemplo, as de Lurdes Ferreira Coutinho (1972), Sílvia Cristina Grunauer (1990), Carla Witter e outras. Ao longo desse tempo, elaborei um modelo psicológico a respeito da agressão, que foi objeto de várias publicações, entre as quais “Psicologia da agressão” (1981) e, há quatro anos, “Frankenstein no laboratório mental: a psicologia da violência” (1997). Não pretendo, nem os limites desta entrevista o permitem, fazer aqui uma análise do vasto conjunto de conhecimentos seguros acumulados até agora a respeito deste tema; valer-me-ei, no entanto, de uma imagem familiar a todos, a do monstro criado pelo doutor Frankenstein, que está nas páginas da obra de Mary Shelley. A autora faleceu há mais de150 anos, em 1851, mas a ficção magistral que criou permanece conosco mais viva que nunca.

SPEF - Como o Sr. relaciona Frankenstein com o caso concreto da influência da televisão sobre as crianças?
SPN - Lá chegaremos. Vali-me da figura sinistra do monstro criado pelo dr. Frankenstein como um modelo ou paradigma útil para concatenar uma extraordinária e complexa massa de resultados de teorização e pesquisa psicológicas que, em sua maioria, datam da segunda metade do século vinte, a propósito de comportamentos violentos e agressivos, desde manifestações sutis, disfarçadas, relativamente inofensivas, até atos de extrema crueldade e brutalidade. Desde, portanto, a agressão verbal, o beliscão, o tapinha de reprimenda, até o assassínio mais monstruoso – individual, em série ou em massa.
Violência, em termos psicológicos, tem a ver com as áreas de psicopatia, patologia social, psicologia do crime, delinquência juvenil, distúrbios de personalidade, cuidados no desenvolvimento infantil e influência de modelos no comportamento humano. Tem a ver particularmente com a psicologia do desenvolvimento moral, da resistência à tentação e da transgressão de normas. Como já disse antes, não vou sequer esboçar aqui esse meu modelo ou paradigma da violência que é fundamentado, além de outros fatores, no processamento inadequado ou defeituoso de informação na mente humana por desarranjo na “função executiva”, de autorregulação ou autocontrole, de que somos todos providos, envolvido na auto-inibição do comportamento para o qual as regiões pré-frontais do cérebro humano parecem ser especializadas. O descontrole dessa função executiva, em que a inibição deixa de ocorrer ou se dá qualquer outro tipo de alteração, é como se o monstro de Frankenstein assumisse o comando do laboratório mental do indivíduo.

SPEF - Quer dizer, então, que estamos criando monstrinhos e não nos damos conta disso?
SPF - É precisamente isso. Indo mais além no uso dessa metáfora, estou mais e mais inclinado a crer que, nestas últimas décadas, a sociedade acabou por engendrar influências, condições e situações que estão criando à larga pequenos Frankensteins. Já em 1961 Daniel Boorstin, em “The image”, advertia que, se a TV continuasse a trilhar o descaminho que se esboçava naqueles anos 60 iniciais, em breve o botequim imundo, com sua boçalidade, suas brigas violentas e sua desfaçatez, e o prostíbulo, com o sexo aviltado e seu cortejo de misérias e indecências, estariam dentro da sala de estar das nossas casas perante os olhos da família. Não é preciso mais do que percorrer alguns dos canais de TV nos dias de hoje, nos chamados “horários nobres”, para concluir, como previa Boorstin, que a tasca nauseabunda e o bordel passaram a fazer parte do dia-a-dia dos lares brasileiros. A verdade é que estamos fabricando, assim, os Frankensteins de amanhã, em meio à indiferença, à inconsciência, à irresponsabilidade e à amoralidade de boa parcela de anunciantes, dirigentes e pessoal da mídia, cegos e surdos à escalada da insensatez, violência e indecência na TV.

SPEF - Que recomendações concretas o Sr. dá aos pais e aos educadores?
SPN - Há um bom número de recomendações sensatas e praticáveis a esse respeito, no livro de Acosta-Orjuela. Lembro aqui, para finalizar, algumas medidas capazes de atenuar o problema das crianças que são vítimas da “babá-eletrônica”:
1. Reduzir sensivelmente o tempo de exposição das crianças (e dos adultos) à TV e itens associados (videocassete, videogame etc), após reconsiderar em família o modo pelo qual as pessoas usam a TV em casa.
2. Proporcionar alternativas de atividades dentro e fora de casa, que afastem a criança da TV.
3. Estar atento à programação assistida pelos filhos e monitorar tanto o tempo de TV como o conteúdo do que a criança vê.
4. Trocar experiências e discutir o problema da influência da TV no lar, na escola, junto aos amigos.
5. Discutir os programas vistos com os filhos.
6. Modificar seus próprios hábitos de ver TV, sendo mais seletivo, refinado, moderado e consciente.
7. Fazer com que as crianças vejam os pais lendo livros, jornais e revistas de boa qualidade, ao invés de ver TV.
8. Conversar mais com os filhos, ouvi-los, orientá-los, dar-lhes atenção, carinho e apoio.
Essas e outras medidas apontam conjuntamente para o reconhecimento de que precisamos fortalecer, orientar e prestigiar a instituição familiar – opondo-nos vigorosamente à atual corrosão da unidade familiar e aos efeitos perversos que decorrem do enfraquecimento da família no desenvolvimento de seus filhos.

SPEF - É um fato geralmente reconhecido que a TV mudou muito, no Brasil, durante este meio século. Mudou para melhor ou para pior? Acha que isto tem alguma relação com a temática da violência nos nossos dias?
SPN - Mudou, sim, mudou demais. Os avanços tecnológicos, os bons programas, o refinamento em matéria de imagem e som, a busca de novos caminhos fazem parte do lado positivo. O que alarma é o lado sombrio – a multiplicação de baixaria, a escalada da brutalidade, a hipertrofia da licenciosidade e do deboche, a tônica do “quanto pior, melhor”, para garantir mais pontos (e, portanto, aumentar os lucros) em pesquisa de audiência. Peço licença para sublinhar que sempre estive ligado profissionalmente à mídia: primeiro no jornalismo, no rádio, no cinema, e depois na TV e no vídeo. Fui responsável por muitos programas educativos da TV Cultura nos anos 70, participei com Nydia Lícia e Wilson Aguiar da coordenação do inesquecível Vila Sésamo, presidi a Funtevê do MEC no Rio, fui, no passado, conselheiro da Fundação Padre Anchieta... Sinto-me, pois, à vontade para dizer que conheço muito bem a TV no Brasil e no mundo, no passado e no presente. E não escondo a minha desolação e o meu repúdio a essa TV de achincalhe, de pornoviolência, de sensacionalismo primário, a funcionar como uma escola que ensina o que possa haver de mais degradante e destrutivo – uma escola de desrespeito à vida, ao próximo, a nós mesmos. Compare o que se via na programação típica da TV nos anos 50 ou 60, com o que se vê agora. E atente, como repetidamente tenho dito e escrito, para os resultados de pesquisas científicas sérias, sobre os efeitos deletérios da violência, exibida às catadupas na TV, sobre a personalidade e o comportamento, principalmente no caso das crianças e dos jovens. Será que as emissoras e seus anunciantes (que financiam, com a publicidade, essas TVs) ignoram isto?



                         [Transcrição de “São Paulo em foco”, ano II, n° 15, março de 2002]


Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz