Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Ivana Maria França de Negri
Segundo Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

A Queda – as últimas horas de Hitler

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
                                      
Assisti duas vezes a esse filme, a primeira vez quando foi colocado nas locadoras e, depois, para fazer uma análise mais acurada dele. Foi dirigido por Oliver Hirschbiegel, figurando como Hitler o ator suíço Bruno Ganz e lançado ao público em 1995. Recebeu várias indicações para o Oscar. É um filme sinistro, pavoroso, faz mal ao expectador. Mas precisa ser visto e analisado.
Trata-se de uma recomposição das últimas horas do bunker berlinense de Hitler.
A Guerra já estava de há muito perdida pela Alemanha (no meu modo de entender, desde 1941, quando do fracasso da missão Rudolf Hess na Escócia). Os russos já estavam dentro da cidade, disputando terreno com os últimos focos de resistência dos alemães. O ambiente psicológico daquela fase é muito bem apresentado no filme.
A loucura paranoica e o total alheiamento da realidade, por parte de Hitler; os contrastes e paradoxos de sua "criminal mind", ao mesmo tempo capaz de manifestações de frieza e crueldade e de momentos episódicos de ternura quase lírica; o desconcerto dos oficiais de seu estado maior, que viam as loucuras do Führer, mas achavam-se presos pelo juramento de fidelidade incondicional a ele; o contraste entre o ambiente de aparente normalidade, das refeições e festinhas ocorridas no bunker, com as cenas de fim-de-guerra externas; o poder hipnótico e fanatizante que Hitler exercia sobre as pessoas, levando-as a atitudes desatinadas; o fanatismo de muitas pessoas que, contra toda a evidência, ainda criam em Hitler e preferiam morrer com ele a deixá-lo; o oportunismo, a politicagem e as rivalidades que envolviam pessoas da entourage do líder todo-poderoso - tudo isso fica muito claro no filme.
É um filme com enredo pobre; é mais bem um documentário. Mas é um filme a que assistimos com interesse crescente, sem nos desviarmos um minuto do fio.
A cena mais impressionante e perturbadora é, sem dúvida, a da Sra. Goebbels matando um a um seus seis filhos, antes de se suicidar juntamente com o marido. É algo, realmente, assustador.
O ator suíço Bruno Ganz, que fez o papel de Hitler, é magistral no seu desempenho. Mereceria, sem dúvida, um Oscar. O filme foi muito criticado porque, segundo alguns, mostraria um lado humano e carinhoso de Hitler, o que seria propagandístico para sua odiada figura. Sinceramente, não julgo procedente essa crítica. A meu ver, as episódicas cenas de "ternura quase lírica", como escrevi acima, só realçam, por força do contraste, a monstruosidade satânica do personagem. Acredito que tenha sido por causa dessas críticas que o filme não levou o Oscar, a meu ver injustamente.

Repito: é filme perturbador e sinistro, mas precisa ser visto.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)