Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

domingo, 25 de agosto de 2013

Com licença

 Marisa F. Bueloni
Cadeira no 32 - Patrono: Thales Castanho de Andrade
     
     Pensamentos não faltam, a esta altura da vida. E algumas reflexões, que aqui relato, pedindo licença, cheia de dedos. Certamente já ouviram esta expressão. “Cheio de dedos”. É quando vamos com cuidado, quando hesitamos e temos alguma insegurança.
     Creio que nem todos estão plenos de suas certezas. Li por aí que elas podem ser mais perigosas que nossas dúvidas. E agora, José?
     Em toda parte, damos com o mesmo lema: é preciso ser feliz. Há uma multidão em busca da felicidade. O sucesso é ser feliz, título de livro. Ninguém encontrará um lugar digno neste mundo de Deus, se não for por meio da  felicidade. É uma imposição quase brutal.
     Mas em nome desta pobre felicidade, o que se tem feito! O que é ser feliz? Proponho aqui a filosófica pergunta para que o leitor pense nela antes de dormir. Ou ao longo do dia, enquanto trabalha, dirige, almoça, toma banho e janta.
E o futuro? Seria um mero blefe? Cheguei à conclusão de que o futuro não existe. E se existir, terá, ao menos, uma poltrona boa, um banheiro cheiroso, uma rosa num jardim? Quando ouço a expressão “país do futuro”, tenho um treco.
As pessoas se matam de trabalhar, poupando para o futuro. E aí, ele demora que só vendo. Quase sempre, quem trabalhou uma vida inteira se aposenta e começa a passar por dificuldades. E até privações. Este é o futuro que espera os aposentados?
Não raro, quando se está quase lá, tocando o futuro sonhado, vem o enfarte e puft. O futuro tem um verbo de tempo perfeito, no infinitivo: morrer.
Ah, não. A vida deve ser bem mais que isso. A vida é bonita demais para acabar assim, num futuro qualquer. Há de haver, como canta o “Rei”, além do horizonte, um lugar bonito pra viver em paz.
Clarice Lispector dizia que estava habituada a uma vida difícil e que uma vida fácil a deixava desnorteada. Clarice escreveu numa carta: “Não pense que a pessoa tem tanta força assim, a ponto de levar qualquer espécie de vida e continuar a mesma. Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso: nunca se sabe qual é o defeito que sustenta o nosso edifício inteiro”.
     Sabe, se você quer chorar, chore. Se você tem motivos para rir, ria. Dizem que rir é o melhor remédio. Não faça como aquele jovem que, nos anos 70, criticou Hebe Camargo porque ela ria demais na tevê, num momento em que o mundo assistia ao drama da guerra no Vietnã. Hebe perguntou no ar: “Moço, se eu parar de rir a guerra acaba?”.
Aquecimento global. Emissões de carbono. Efeito estufa. As cúpulas discutem, enquanto a Terra treme, o fogo arde, o mar avança e os rios transbordam. Até mini-tornados passam pertinho de nós. Quem se dispõe a uma palavra de sabedoria e bom senso? Ah, se o mundo tivesse um síndico, daqueles bem enérgicos e insuportáveis...
Vi na tevê a entrevista com um renomado climatologista. Ele quase apostou que, em vez do propalado aquecimento, poderemos ter um futuro resfriamento da Terra. E que os próximos invernos serão bem rigorosos.
Agradeço a licença concedida, a permissão de perambular pelos temas, enxerida, pelos arremedos de ousadia, assim, meio sem jeito e arredia, como quem não quer nada. Obrigada.

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz