Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

sábado, 10 de agosto de 2013

Leitura e entendimento de um texto

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado

                           
            Objetivamente falando, entendemos um texto quando somos capazes de reproduzi-lo “ipsis litteris”, repetindo de memória suas ideias e suas formulações de modo, por assim dizer, fotográfico. Ou quando o parafraseamos, repetindo suas ideias, não porém suas formulações; ou seja, quando o recontamos com nossas próprias palavras, mas respeitando fielmente seu conteúdo.
            Esse entendimento será mais perfeito se não nos limitarmos à repetição do texto, mas o situarmos dentro do seu contexto e, sobretudo, se “entrarmos dentro da cabeça” de quem o produziu, de modo a compreender as motivações e intenções do seu redator.
            Até aqui, ficamos dentro do campo da mera objetividade. Mas, além desse campo, há também outro, de grande importância, que é o da subjetividade.
            Quando não nos limitamos a analisar e memorizar o texto em si mesmo considerado, ou no contexto em que ele se situa, ou na ótica do seu autor, mas o reinterpretamos e nele colocamos algo de nós mesmos, de certa forma nós o recriamos.
            Nessa recriação entra, necessariamente, algo de pessoal, de eminentemente subjetivo. É forçoso que sejam selecionadas algumas partes do texto que são, ou que nos parecem mais importantes. É forçoso que acentuemos certas passagens, que destaquemos sua importância, que as relacionemos com outros fatos que o texto não referiu, mas que nos parece conveniente aduzir para que o texto adquira toda a sua importância e para que se realce todo o seu interesse.
            A distinção entre o sentido objetivo e o subjetivo da leitura é mais teórica do que real; é didática e, a esse título, é útil que a conheçamos e estudemos. Mas, na prática, é quase sempre impossível a objetividade total, pois é próprio do ser humano, à medida que reproduz, já ir insensivelmente julgando e acrescentando uma notinha pessoal sua.
            Talvez uma comparação permita se entender melhor isso. Diante de uma paisagem, podemos tirar uma fotografia dela. Teremos, assim, uma reprodução sem dúvida objetiva.
            Podemos, também, pintar um quadro a óleo, ou uma aquarela, ou fazer um desenho, em que procuremos reproduzi-la fielmente, de modo por assim dizer fotográfico, nos moldes da chamada arte hiper-realista. Por mais que queiramos fazê-lo, entretanto, jamais se logrará alcançar esse objetivo de modo perfeito, porque insensível e subconscientemente acabaremos realçando as formas, as cores e os tons que, subjetivamente, mais nos impressionaram num quadro que, na sinceridade do nosso espírito, julgamos estar pintando de modo plenamente objetivo.
            E podemos, também, partir diretamente para uma reinterpretação da paisagem, permitindo-nos maior liberdade de criação, já num campo inteiramente explícito e "assumido"; ou podemos partir para uma caricaturização, em que são exagerados de propósito certos traços para realçar mais aquilo que se quer fazer passar como realidade.
            Tudo isso é possível fazer ao entender e reproduzir um texto.
            Outro ponto interessante a tratar, com relação à leitura, é o problema da memorização. Em que medida é indispensável guardar na memória algo para se poder dizer que houve uma intelecção plena? Em que medida pode-se selecionar e condicionar a memória, treinando-a para guardar, ou para esquecer determinadas informações? Como poupar espaço útil do HD cerebral, não o enchendo com arquivos inúteis que tornam o processamento cerebral mais lento e cansativo, e portanto menos produtivo?
            Deixemos isso para outro artigo.


Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz