Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

RECIPROCIDADE E RETORNO

               


Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira no3 - Patrono: Luiz de Queiroz
            O mundo caminharia com mais leveza e naturalidade se houvesse a retribuição dos bons gestos recebidos e, a amizade mais presente e fortalecida caso o retorno se concretizasse daquele que recebeu tal atenção, um convite, sobretudo o inesperado, que alegra, trazendo com a surpresa, uma “curtição” diferente, na satisfação que o agradecimento traz. O poder do retorno agradecido é algo tão benéfico que poderá erguer os desconsolados, até alguém caído na depressão, mostrando-lhe o mundo com outros olhos. O calor humano exerce um milagre em si, que dá forças e vontade de romper os obstáculos que aprisionam, levantando pessoas, tirando-os da tristeza para a alegria, do pranto para o sorriso, da inércia à ação fazendo-os acreditar novamente na vida.
            A reciprocidade amplia o campo dos relacionamentos com a emoção das palavras cordiais, novos assuntos e conversas, imprescindíveis quando se trata de ampliar contatos e conhecimentos, trazendo novos motivos e sintomas de amabilidades, destruindo a indiferença do “para mim, tanto faz como tanto fez”, fraqueza de enfrentar as dificuldades diárias na convivência necessária entre os mortais.
            É preciso, porém, nunca descuidar da luta de todos os dias, em todos os sentidos! É vital lutar constantemente “chutando o mau humor, o pavio curto e a grosseria”, e inventar argumentos para não deixar o interesse pelo próximo esmorecer, nem destruir seus sonhos e ideais, lembrando que, na lei da física, “toda ação traz uma reação inversa e proporcional”, daí, o valor da reciprocidade positiva, com um “obrigado”, uma saudação, uma flor, uma gentileza, um simples e gostoso cafezinho, sem sofisticação, naquela “simplicidade” de proporcionar momentos de contentamento e felicidade, tendo o cuidado em jamais fazer o mal, que também trará seu retorno conforme oferecido. Tudo muito simples: se receber retribuir, e, se não receber ir atrás, inventar, convidar, promover, insistir e “fazer por acontecer”!  Não deixar sem resposta um ato carinhoso é um grande testemunho de nobreza de alma, sobretudo aos retraídos e tímidos, os mais necessitados de se sentirem aceitos sabendo que alguém se interessa por eles. Atitudes tão oportunas e benéficas que podem lhes devolver a fé em Deus e a esperança na Humanidade em quem estiver sem forças para continuar.

            A reciprocidade entre as pessoas, que trará um retorno salutar enfim, se bem sentida é um recurso de elevação e aprimoramento emocional e espiritual, uma vez que o tempo não perdoa os maus de coração, os omissos e desinteressados que não sabem entender, proporcionar, retribuir, conviver, se dedicar, ou que ignoram as boas ações de seus semelhantes. O estímulo para novas boas ações além de salutar é vital mesmo porque, a vida é muito curta, e para isso é preciso estar sempre atento (“vigiai e orai”...). O tempo passa num relance, e vale a pena sim, cultivar sentimentos e amizades, conquistar, retornar gestos carinhosos, agradecer e também “saber receber”, pois, mais tarde (quase daqui a pouco...), na “hora de sentir na pele a necessidade de uma atenção, nos momentos de solidão e saudade” haverá que se ponderar: “O que foi feito anteriormente em relação a isso”?

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz