Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Comentando um soneto de Florbela

Armando Alexandre dos Santos
Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado


“Gosto de ti apaixonadamente, / De ti, que és a vitória, a salvação, / De ti, que me trouxeste pela mão / Até ao brilho desta chama quente.
“A tua linda voz de água corrente / Ensinou-me a cantar... e essa canção / Foi ritmo nos meus versos de paixão, / Foi graça no meu peito de descrente.
“Bordão a amparar minha cegueira, / Da noite negra o mágico farol, / Cravos rubros a arder numa fogueira!
“E eu, que era neste mundo uma vencida, / Ergo a cabeça ao alto, encaro o sol! / - Águia real, apontas-me a subida!”

Esse é um bem conhecido soneto de Florbela Espanca, tragicamente falecida em Portugal, em 1930. Os Espanca são uma antiga família do Alentejo português. Quase contemporâneo de Florbela foi seu tio, Padre Joaquim José da Rocha Espanca, um dos homens mais cultos de Portugal no século XIX, historiador, arqueólogo, músico e tipógrafo, além de sacerdote e autor de uma monumental “História de Vila Viçosa”... em 36 volumes! Tive que ler e “fichar” inteirinhos os 36 volumes, para um livro que publiquei em 1996.
Enquanto efetuava pesquisas em Vila Viçosa, passei numerosas vezes diante do túmulo da poetisa. Eu costumava passear pelo cemitério, anexo ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, Padroeira de Portugal, situado dentro das muralhas medievais da vila e cercado de casas antiquíssimas. Ali, num cemitério religioso, mesmo tendo sido Florbela suicida, foi ela sepultada.
O soneto apresenta elementos coesivos muito claros e bem articulados. Sua correção gramatical é perfeita.
Não fica, entretanto, claro quem é o personagem, ou entidade, a quem a poetisa se dirige. Como simbolista que era, Florbela compõe seus versos de modo um tanto obscuro e indefinido. Deixa meio nebulosa a destinação do soneto.
Pode ser dirigido a algum homem em especial - talvez um dos numerosos e passageiros amores que teve em sua curta e atribulada vida - que a ergueu um pouco da depressão e do desespero em que vivia mergulhada, dando-lhe alguma esperança no futuro. Pode, também, ser dirigido a algum homem ou amor ideal, platônico, idealizado. Pode, em rigor, dirigir-se também a algo que não seria um homem, mas um fato, uma ideia, um projeto, um vago anseio, ou, talvez, ao Amor, entendido metafisicamente, como valor absoluto e quase identificado com uma vaga divindade panteísta, muito ao gosto da infeliz Florbela.
Tudo é nebuloso, nesse poema. Se devidamente situado no tempo e contextualizado, talvez pudesse ser mais claramente interpretado. Mas, o que realça do conjunto, no meu modo de entender, é a figura da poetisa, amargurada, desesperada, sem rumo e sem esperança na vida, que de repente toma contato com alguém, ou com alguma coisa, que lhe desperta o amortecido sentimento de esperança, de desejo de superação, de ascensão.
As metáforas que se sucedem realçam essa ideia: essa pessoa ou coisa é como a graça para um peito descrente, como um bordão que ampara um cego, como um farol que orienta em meio à escuridão da noite, como uma água real que fita de frente o sol e voa pelas alturas em direção a ele.

Nota-se a referência à “linda voz de água corrente” que ensinou a poetisa a cantar. De quem seria essa voz? Seria a de um cantor, talvez um fadista, o seu amor de ocasião? Seria a de uma criança, com voz cristalina, que despertou na mente perturbada da poetisa sentimentos de saudades de uma inocência perdida muito tempo atrás?

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz