Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Impressões ( 1 )

 Acadêmica Myria Machado Botelho
Cadeira n° 24 - Patrona: Maria Cecília Machado Bonachella

            Em dezembro, um tempo que termina para dar lugar a um novo ano, as expectativas, os sonhos e as esperanças parecem aflorar mais insistentes,estimulados com certeza pela doçura das festas do Natal. Embora o comércio, a Mídia, os atropelos e as inversões ofusquem, em parte, a beleza dessa simplicidade contida num Nascimento de tanto significado para o mundo, algo maior se impõe e prevalece, e sabemos bem que esta força não será derrotada.
            Para um grande número de viventes, a sensibilidade é maior, ao lado do desejo ou da intenção de sermos melhores, de marcar com algum gesto e de alguma forma o bem de transmitir ao outro o nosso amor, a nossa ternura.
            Já foram muitos e incontáveis os dezembros de minha vida, os natais, seguidos dos “réveillons”, desde quando, ainda pequenina, eu não entendia bem o significado daquelas reuniões festivas em que a família se reunia em torno de nossos pais, quando nem se imaginava o transitório e as perdas. Nestas reuniões simples, aprendi a valorizar os laços familiares que, mais tarde, eu repetiria junto de uma nova geração, a minha geração que se iniciava em outro lugar e outras circunstâncias, com o nascimento de meus quatro filhos. No princípio, um arbusto que se desenvolveu até se transformar numa árvore frondosa e forte, enraizada em terra firme, e de cujos galhos já pendem os frutos de mais duas gerações, a dos netos e dos bisnetos. Quanto esforço foi necessário nessa transformação de tantas décadas, pontilhadas de certezas e de incertezas, de fracassos e de vitórias, de decepções e de alegrias, de sofrimentos, de conquistas e de perdas! Perdas dolorosas e quase insuportáveis, que só a esperança legada por Aquele que venceu a morte e venceu o mundo logrou amparar e fortalecer.
            Com o passar dos anos, as impressões se vão transformando em algo doce e suave, acentuando-se nas coisas mais simples e naturais. Os olhares, os ouvidos, a percepção se voltam para uma essencialidade mais pura, talvez uma compensação dispensada pelo Criador àqueles que O amam e sabem distinguir os prodígios e as belezas incomparáveis e inimitáveis de Sua criação portentosa. Como a criança descobrindo o mundo e as coisas que a cercam, nossos sentidos se voltam para este mundo que tantos sentidos embaçados não conseguem admirar.
Vemos com novos olhos e o coração cantando o céu e as nuvens em suas mutações de formatos e de coloridos, emoldurando montanhas sinuosas; as aves em bandos em busca deste céu e do infinito; a vegetação e suas nuances de verde em ondulações caprichosas, tocadas pela aragem e o vento farfalhante, ora silenciosa e recolhida como numa prece,ora vibrante como um canto de glória; as flores, pequeninas e escondidas,ou perfumadas e abertas, ofertando seu néctar às borboletas e aos pássaros em revoadas, gorjeando e entoando hinos  de alegria, levando o alimento para seus filhotes de biquinhos abertos nos ninhos feitos sob os arbustos e as jardineiras em flor..  
            Mas a impressão mais forte, terna e marcante deste último dezembro me foi dada pelas crianças, os meus pequeninos desabrochando para a vida, ensinando-me neste eterno caminhar a surpreendente aventura de viver. Para mim, é sempre a criança, a grande mestra da simplicidade, da alegria e da esperança.

.Em meio ao cenário, descrito imperfeitamente acima,meu bisneto Antonio é o rei deste paraíso, ao lado de um cãozinho especial. .Meigo e amigo de todas as crianças, inteligente, educado, gracioso, sapeca e imprevisível nos brinquedos, porém super obediente ao dono e comportado quando necessário, Jack tornou-se  o guarda voluntário de Antonio. Do seu lado, sob o berço ou o carrinho, ele acompanha toda a movimentação em torno do bebê e reage com desagrado ao choro de seu companheirinho, erguendo a cabeça e as orelhas num gesto de alerta, como a pedir uma providência.E a cena mais bela que me foi dada  assistir aconteceu á beira da piscina, quando, pela primeira vez, Antonio  foi colocado ao lado  de seu super amigo. Estabeleceu-se, de pronto, uma empatia digna de registro, em que Jack submeteu-se a uma verdadeira prova. A expressão feliz da criança e a docilidade do cão ante as investidas dos pés e das mãozinhas gorduchas do nenê, introduzidas até na boca do cão que as lambia como um afago, gravou-se em minhas retinas. O cão e o menino- a imagem perfeita do amor incondicional!...


Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz