Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (crédito da foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras

Presidente– Gustavo Jacques Alvim
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Segundo Secretário – Evaldo Vicente
Primeiro Tesoureiro – Antônio Carlos Fusatto
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal

Walter Naime
Cezário de Campos Ferrari

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Antonio Carlos Neder
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto
Myria Machado Botelho


Seguidores

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

“Pulverizar”, sim, Antonietta

Evaldo Vicente
 Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz

     A morte da diretora do Jornal de Piracicaba, Antonietta Rosalina da Cunha Losso Pedroso, impõe-me, num momento de profunda emoção, uma rápida análise do que foi o seu trabalho em defesa e para incentivo dos jornais impressos no Interior do Brasil. Fomos, desde 1980/82, companheiros de ideais na Associação de Jornais do Interior do Estado de São Paulo (Adjori-SP) e no Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais do Estado de São Paulo (Sindjori-SP), entidades que reúnem a maioria absoluta dos diários, bi, tri e semanários, assim como quinzenários e mensários que circulam nos mais de 600 municípios paulistas. Foi secretária, tesoureira e presidente de ambas e deixou um legado que, hoje, as empresas jornalísticas do Interior reconhecem como realidade.
Seu trabalho como advogada, visão de uma jurista formada nas Arcadas (Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da Universidade de São Paulo – USP), somando-se à experiência de filha, sobrinha e mãe de donos de jornal, traçou para os jornais locais caminhos que servem como bússola de tantos idealistas que sonham com a construção de uma sociedade cada vez mais justa e humana. Dizia a então presidente Antonietta Rosalina, no discurso de posse, que os jornais do Interior assustam governos porque eles "pulverizam" as ideias, mostram caminhos diferentes e não ficam somente nas mãos de poucos "tubarões" que tentam agrupar seus interesses e se esquecem dos interesses dos leitores, do público como um todo. Jornal local é o que mantém o contato direto com o leitor, que vive os problemas e as glórias do cidadão e enriquecem a comunidade quando aplaudem ou quando cobram das autoridades locais decisões em favor da sociedade.
Isso fizemos – muitas vezes, eu como secretário e depois presidente da Adjori-SP – como verdadeiros pregadores, ocupando espaços pequenos, mas que recebiam essa mensagem da importância e necessidade do veículo local de comunicação impresso. Fomos de Ilha Solteira a Taquarivaí, do Guarujá a Votuporanga, de Ubatuba a Valparaíso, cruzamos o Estado de São Paulo (e outros Estados também) nessa prédica, exatamente na virada das décadas de 80 para 90, quando os jornais, especialmente os que possuíam oficina impressora, mudavam definitivamente do processo quente para o frio, isto é, deixando as linotipos com chumbo e impressão plana, para a composição fria (offset) com impressão rotativa. Foi uma mudança extrema, da noite para o dia, em que as empresas jornalísticas derreteram o passado, mandaram-no para as caldeiras e investiram tudo de novo, como ocorreu com os jornais das capitais também. Mas o nosso foco, de Antonietta Rosalina e meu, representando as entidades, era o jornal local.
É que o jornal local "pulveriza", repito. Em seu discurso de posse, em Águas de Lindoia, na presidência da Adjori-SP, e depois na despedida em Serra Negra, ou ainda na posse como presidente do Sindjori-SP, Antonietta foi de uma perseverança extrema, de uma dedicação total, até de uma ousadia, ao afirmar que seria impossível aos governos qualquer controle de tantos e tantos "grandes jornais pequenos", apesar de existirem, também, "grandes jornais grandes". Ela me alegrava nos elogios que me fazia porque eu desejava repetir as explicações sobre a colocação correta dos adjetivos qualificativos. Seu verbo "pulverizar" calou-me, cala-me até hoje, e cala em todos os que fazem jornal local com a independência necessária na defesa do leitor-cidadão.
Foi Antonietta que, por bondade aos meus esforços como jornalista e dono de jornal, me indicou para representar o Brasil na Argentina e, de lá, trazer o Projeto Jornal na Escola. Foi minha primeira viagem internacional, em 1989, sempre no sonho de fazer um jornal local do melhor possível. Era estimular o ensino com uso do jornal em sala de aula, hoje uma realidade para inúmeros jornais, grandes ou pequenos. Ela sentia os ideais do amigo, que não era e não é um concorrente, mas um fiel defensor do veículo impresso que fica perto do cidadão, aquele que é cobrado no dia-a-dia da comunidade, e responde à altura para que a empresa tenha o faturamento necessário para a sobrevivência. É, sim, o que "pulveriza" as ideias e não permite a centralização de interesses. É, sim, o que espalha, pois são muitos e muitos são os jornais que podem aparecer como respiro da democracia. Outros veículos, como rádio e televisão, não; estes são concessão estatal.
Num dos maiores encontros de jornais que realizamos, em Votuporanga, ao discursar, usei uma expressão – ensinada pelo clássico Antonio Vieira – de que "o Evangelho deve ser espalhado na Terra como Deus espalhou as estrelas no céu", para afirmar que os "jornais impressos devem ser espalhados na terra, como as estrelas foram espalhadas no céu", e a amiga e incentivadora Antonietta Rosalina veio me cumprimentar, abraçando-me para dizer, segundo ela, da "beleza da comparação", de que eu tinha sido feliz para que o secretário de Comunicação do Estado, Eurico Andrade (governo Fleury Filho), pudesse ouvir e entender.
O bom amigo Eurico entendeu, sim. Mas eu quis dizer, naquele momento, como digo agora com saudade, que é preciso "pulverizar", sim, Antonietta. 




Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - Cadeira n° 26 - Patrono: Nelson Camponês do Brasil
Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz