Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeira Secretária – Ivana Maria França de Negri
Segunda Secretária – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Venceu o melhor

 Marisa F. Bueloni
Cadeira no 32 - Patrono: Thales Castanho de Andrade


     Quase sempre, para amenizar os ânimos e deixar que um determinado resultado seja justo, dizemos “que vença o melhor”. Nesta Copa do Mundo de 2014, o melhor dos times já despontava, porque ouvíamos e líamos sobre tudo o que a seleção da Alemanha havia feito lá em Santa Cruz Cabrália, na Bahia, com o objetivo de vencer este Mundial.
     Os alemães construíram um complexo hoteleiro, um Centro de Treinamento aqui no Brasil e treinavam à uma hora da tarde, com sol a pino, para se adaptar bem ao clima tropical. Pavimentaram estradas próximas ao local, souberam conviver com os índios pataxós, encantando-se com a exuberante beleza nativa.
     Até a grama do campo onde treinavam era da mesma qualidade das arenas oficiais, em que as partidas seriam disputadas na base do suor e sangue, como vimos na final, durante o emocionante jogo realizado domingo no Maracanã.
     Se houve um senão na trajetória alemã, foi o empate com Gana na fase inicial. O time de Gana não é superior à seleção do Brasil. Mas a partida no Estádio Castelão de Fortaleza terminou em 2 X 2. Gana enfrentou bem a Alemanha e lhe deu um certo trabalho.
     Já lemos de tudo, já ouvimos o suficiente sobre a fragorosa derrota brasileira e o inacreditável placar de 7 X 1. De fato, uma seleção pentacampeã jamais poderia perder um jogo com esse número de gols. É absolutamente humilhante, senão desmoralizante.
     Ninguém entende o que houve. O tal “apagão” deixou uma nação literalmente em trevas. Por que nosso meio de campo estava vazio? Por que o técnico não reagia, não pensava numa substituição? E David Luiz jogando numa posição diferente, o “banco” atônito, uma passividade inaceitável.
Aprender com os erros é uma lição maravilhosa. Argumenta-se que nossos "craques" não jogam aqui no Brasil, encontram-se um ano antes em função da Copa e o entrosamento em equipe é complicado. Já os alemães vêm jogando juntos há uns oito anos e prepararam-se técnica e taticamente para ganhar esta Copa do Mundo.
No fatídico jogo de terça-feira passada, era possível ver claramente a falta de esquema tático, além da escalação errada. Todos nos perguntávamos onde Felipão estava com a cabeça. Os alemães partiram para o ataque, limpidamente superiores, encontrando espaço de sobra para os gols. Com o orgulho ferido, hoje vemos os germânicos, aparentemente frios, jogando um futebol caloroso e inteligente, como os nossos craques já jogaram um dia. Em priscas eras...
Foi um mundial digno. Derrubou-se o estigma de que aqui as coisas são feitas ao acaso, na base do famoso “jeitinho” e temia-se pelo fracasso da Copa. Os brasileiros foram receptivos, souberam receber os estrangeiros e, aos nossos olhos, tudo transcorreu como nos demais países que sediaram uma Copa. Nem mais, nem menos. Dentro do padrão Fifa.
Contudo, fica o gosto amargo da derrota, da vergonha, da inferioridade da nossa qualidade técnica e a necessidade de mudanças na confederação dirigente. Aventou-se até mesmo uma “intervenção” no futebol brasileiro, rapidamente repelida pelos cartolas de plantão.
E la nave va...

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)