Rio Piracicaba

Rio Piracicaba
Rio Piracicaba cheio (foto Ivana Negri)

Patrimônio da cidade, a Sapucaia florida (foto Ivana Negri)

Balão atravessando a ponte estaiada (foto Ivana Negri)

Diretoria

Diretoria da Academia Piracicabana de Letras 2018/2021

Presidente– Vitor Pires Vencovsky
Vice-Presidente– Cassio Camilo Almeida de Negri
Primeiro Secretário – Ivana Maria França de Negri
Segundo Secretário – Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Primeiro Tesoureiro – Edson Rontani Junior
Segundo Tesoureiro – Waldemar Romano
Bibliotecária – Aracy Duarte Ferrari

Conselho Fiscal
Gustavo Jacques Dias Alvim
Alexandre Neder
Walter Naime

Editor e Jornalista Responsável
João Umberto Nassif

Conselho editorial

Evaldo Vicente
Antonio Carlos Fusatto
Ivana Maria França de Negri
Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto



Seguidores

quarta-feira, 13 de abril de 2016

É hora de defender a verdadeira Democracia

 Acadêmica Myria Machado Botelho
Cadeira n° 24 - Patrona: Maria Cecília Machado Bonachella
       
Minha intenção não era a de falar sobre política e procurar, dentro do possível, arejar o pensamento e abordar os aspectos mais amenos da vida. No momento incerto e crucial que atravessamos ,porém, não é possível silenciar,pois o amor que temos pela Pátria fala mais alto.
É tudo tão confuso e as perspectivas são tão sombrias que, mesmo a contragosto, não podemos cruzar os braços. O desgoverno Dilma, especialmente nestes últimos dias em que o processo do impeachment avança, vem-se caracterizando pelo patético e preocupante. Cercada por apoiadores que prometem “incendiar” o país e acabar com a paz, estes agitadores se esquecem, inclusive, do que significa uma democracia. É hora, pois de tentarmos entender que a democracia passa pelo respeito às leis, e de que nenhum poderoso está acima destas leis. O poder político do governo precisa ser freado e controlado. A mentira, o embuste e o estelionato eleitoral não podem estar sujeitos às bravatas de seus ocupantes. Elas devem ser desmascaradas e criticadas. Estes são os recursos democráticos por excelência. Estes recursos devem passar pela integridade moral da classe política, por mais impreciso que isso possa ser. É necessário um clima de espaços para a liberdade de contestações e os cidadãos mobilizados devem ser educados politicamente com a disposição de lutar por seus interesses, dispostos ao diálogo e á negociação de crises e problemas, tendo em vista a igualdade, a justiça e o bem estar para todos.
Isto, entretanto não existe, nem mesmo na oposição, que está mais preocupada no combate ao governo que não tem qualidade de gestão, e que está procurando compor-se conforme seus interesses fisiológicos e suas conveniências. A maior ação deste governo é dar privilégios de foros a seus correligionários e semear o medo com ameaças, agora mais frequentes e claras, de uma guerra civil . Uma vergonha, imprópria de uma mandatária chefe da nação que vem usando de estratégias indecentes, contrárias à coesão social, o bom senso e as instituições democráticas! Estamos em face de um verdadeiro pesadelo, imprevisível e incerto. E o momento necessita de políticos capazes, éticos, vocacionados e realistas em busca de soluções acertadas.
O impeachment, embora não seja a melhor solução, tem respaldo legal e surge como medida mais acertada, pois todas as outras alternativas são remotas , de difícil execução. O desfecho ideal seria o de sua renúncia , que ela já afirmou, categoricamente, não aceitar, pois sabemos de sua incapacidade de gestos maiores.
Este clima de impasses e de incertezas no país paralisado, entretanto, não pode continuar, pois as consequências se tornam cada vez mais desastrosas. E as maiores vítimas são as classes mais pobres ,sucumbindo desta roubalheira desenfreada que atolou o país e ameaça as instituições. É um momento que requer muito discernimento e cuidado.
É a hora indispensável da democracia, em que os cidadãos do bem devem sair a campo para promove-la e exigir que seus ditames sejam cumpridos, agregando forças amplas contra os inimigos da nação que, escondidos e encapuzados desejam atear fogo no que nos resta de soberania, dignidade e sensatez.
Peçamos a Deus, nesse concurso de todos, sua proteção e sua luzes para bem sairmos com dignidade desse impasse, entendendo minimamente o significado da palavra DEMOCRACIA .

Nenhum comentário:

Galeria Acadêmica

1-Alexandre Sarkis Neder - Cadeira n° 13 - Patrono: Dario Brasil
2-André Bueno Oliveira - Cadeira n° 14 - Patrono: Branca Motta de Toledo Sachs
3-Antonio Carlos Fusatto - Cadeira n° 6 - Patrono: Nélio Ferraz de Arruda
4-Antonio Carlos Neder - Cadeira n° 15 - Patrono: Archimedes Dutra
5-Aracy Duarte Ferrari - Cadeira n° 16 - Patrono: José Mathias Bragion
6-Armando Alexandre dos Santos- Cadeira n° 10 - Patrono: Brasílio Machado
7-Barjas Negri - Cadeira no 5 - Patrono: Leandro Guerrini
8-Carla Ceres Oliveira Capeleti - Cadeira n° 17 - Patrono: Virgínia Prata Gregolin
9-Carmen Maria da Silva Fernandez Pilotto - Cadeira n° 19 - Patrono: Ubirajara Malagueta Lara
10-Cássio Camilo Almeida de Negri - Cadeira n° 20 - Patrono: Benedito Evangelista da Costa
11-Cezário de Campos Ferrari - Cadeira n° 12 - Patrono: Ricardo Ferraz do Amaral
12-Edson Rontani Júnior - Cadeira n° 18 - Patrono: Madalena Salatti de Almeida
13-Elda Nympha Cobra Silveira - Cadeira n° 21 - Patrono: José Ferraz de Almeida Junior
14-Ésio Antonio Pezzato - cadeira no 31 - Patrono Victorio Angelo Cobra
15-Evaldo Vicente - Cadeira n° 23 - Patrono: Leo Vaz
16-Felisbino de Almeida Leme - Cadeira n° 8 - Patrono: Fortunato Losso Netto
17-Geraldo Victorino de França - Cadeira n° 27 - Patrono: Salvador de Toledo Pisa Junior
18-Gregorio Marchiori Netto - Cadeira n° 28 - Patrono: Delfim Ferreira da Rocha Neto
19-Gustavo Jacques Dias Alvim - Cadeira n° 29 - Patrono: Laudelina Cotrim de Castro
20-Ivana Maria França de Negri - Cadeira n° 33 - Patrono: Fernando Ferraz de Arruda
21-Jamil Nassif Abib (Mons.) - Cadeira n° 1 - Patrono: João Chiarini
22-João Baptista de Souza Negreiros Athayde - Cadeira n° 34 - Patrono: Adriano Nogueira
23-João Umberto Nassif - Cadeira n° 35 - Patrono: Prudente José de Moraes Barros
24-Leda Coletti - Cadeira n° 36 - Patrono: Olívia Bianco
25-Maria de Lourdes Piedade Sodero Martins - cadeira no 26 Patrono Nelson Camponês do Brasil
26-Maria Helena Vieira Aguiar Corazza - Cadeira n° 3 - Patrono: Luiz de Queiroz
27-Marisa Amábile Fillet Bueloni - cadeira no32 - Patrono Thales castanho de Andrade
28-Marly Therezinha Germano Perecin - Cadeira n° 2 - Patrona: Jaçanã Althair Pereira Guerrini
29-Mônica Aguiar Corazza Stefani - Cadeira n° 9 - Patrono: José Maria de Carvalho Ferreira
30-Myria Machado Botelho - Cadeira n° 24 - Patrono: Maria Cecília Machado Bonachela
31-Newman Ribeiro Simões - cadeira no 38 - Patrono Elias de Mello Ayres
32-Olívio Alleoni – Cadeira n° 25 – Patrono: Francisco Lagreca
33-Paulo Celso Bassetti - Cadeira n° 39 - Patrono: José Luiz Guidotti
34-Raquel Delvaje - Cadeira no 40 - Patrono Barão de Rezende
35-Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Cadeira n° 7 - Patrono: Helly de Campos Melges
36-Sílvia Regina de OLiveira - Cadeira no 22 - Patrono Erotides de Campos
37-Valdiza Maria Caprânico - Cadeira no 4 - Patrono Haldumont Nobre Ferraz
38-Vitor Pires Vencovsky - Cadeira no 30 - Patrono Jorge Anéfalos
39-Waldemar Romano - Cadeira n° 11 - Patrono: Benedito de Andrade
40-Walter Naime - Cadeira no 37 - Patrono Sebastião Ferraz
Lino Vitti - Acadêmico Honorário (in memoriam)